Ataque a hotel na Somália faz 26 mortos e 56 feridos

Goobjoog News

Adeptos de futebol fogem após explosão em hotel de luxo em Kismayo, Somália

Pelo menos 26 pessoas morreram e 56 ficaram feridas num ataque do grupo Al-Shabab a um hotel na cidade portuária de Kismayo, no sul da Somália, segundo o último balanço, anunciou o presidente da região semiautónoma de Jubaland.

Há pelo menos 26 pessoas mortas e dezenas ficaram feridas após uma forte explosão de um carro-bomba junto a um hotel de luxo na cidade somali de Kismayo, a cerca de 500 quilómetros a sul de Mogadíscio, a capital do país africano. ​A explosão foi seguida por um ataque armado, já reivindicado pelo grupo jihadista Al-Shabaab.

“Vinte e seis pessoas foram mortas no ataque e 56 ficaram feridas. Entre os mortos, estão vários estrangeiros: três quenianos, um canadiano, um britânico, dois norte-americanos e três tanzanianos. Há ainda dois cidadãos chineses feridos”, declarou o presidente somali, Ahmed Madobe, em conferência de imprensa.

Segundo a imprensa internacional, entre os mortos encontram-se o político somali  Mohamed Ismaael Shakur, o jornalista Ahmed Sahal, a ativista e empresária somali Hodan Naleeye, fundadora da Hodan TV, que viveu durante anos no Canadá e regressou recentemente ao país africano.

A agência de notícias francesa AFP confirmou junto das famílias dos mortos que pelo menos quatro dessas pessoas tinham dupla nacionalidade. Num balanço anterior, as autoridades somalis indicaram que 12 pessoas tinham morrido e outras 30 tinham ficado feridas no ataque.

O ataque começou no final da tarde de sexta-feira, quando um carro armadilhado explodiu na entrada do Medina, um hotel movimentado no centro de Kismayo, segundo fontes de segurança.

Os atiradores entraram no edifício, onde estiveram em confronto com as forças de segurança presentes. O cerco das forças de segurança ao hotel terminou hoje pela manhã. “As forças de segurança agora têm controlo (do hotel), o último terrorista foi morto”, disse à agência de notícias AFP Abdiweli Mohamed, autoridade de segurança local.

Segundo testemunhas, o hotel foi em grande parte destruído pela explosão e por outras munições. De acordo com várias fontes locais, o hotel abrigava principalmente empresários e políticos que estavam na cidade para preparar a eleição do presidente de Jubaland, marcada para o final de agosto.

O Al-Shabab, que se opõe ao Governo federal da Somália, pretende a imposição da lei islâmica ‘sharia’, tendo feito vários ataques no país e na região, incluindo no vizinho Quénia. Em 14 de outubro de 2017, o grupo fez explodir um camião na capital somali e provocou a morte a mais de 500 pessoas.

O grupo extremista reclamou ainda ter planeado um ataque a um complexo de luxo na capital do Quénia, Nairobi, que matou 21 pessoas em janeiro de 2019. Em março deste ano, pelo menos 32 pessoas morreram durante um ataque com um camião-bomba na capital somali, Mogadíscio.

A Somália é afetada por um estado de caos e conflito desde 1991, quando o regime de Mohamed Siad Barre foi derrubado, deixando o país sem um Governo capaz e às mãos de milícias islâmicas extremistas e outros grupos armados.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Integral confiança". Chega segura militantes acusados de agredir homossexual

O Chega anunciou, esta sexta-feira, que mantém "integral confiança" nos candidatos e estruturas local e distrital de Viseu, referindo que só se pronunciará sobre alegadas agressões de motivação homofóbica naquela cidade depois de apurados os …

Há dezenas de autarcas envolvidos em processos sem fim à vista

Dezenas de autarcas foram neste mandato acusados por corrupção, negócios imobiliários duvidosos e abuso de poder, entre outros, em processos judiciais que se arrastam, na maioria, sem desfecho à vista a dois meses de novas …

Milhares de pessoas manifestam-se na Austrália contra o confinamento

Milhares de australianos manifestaram-se, este sábado, em várias cidades do país contra as restrições impostas pelo Governo para controlar o aumento de casos de covid-19. Em Sidney, cerca de mil manifestantes protestaram contra o confinamento decretado …

Há 406 farmácias com testes comparticipados pelo Estado

Há 406 farmácias de 104 laboratórios em Portugal continental com testes comparticipados pelo Estado. Saiba quais. O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) atualizou recentemente a lista das farmácias e laboratórios que disponibilizam testes …

Há 33 cursos com emprego garantido. Abandono no Ensino Superior aumentou

Este ano, há 30 licenciaturas e três mestrados integrados sem recém-diplomados inscritos no Instituto de Emprego e Formação Profissional. Segundo o Observador, o número total (33) é inferior ao de 2020 e de 2019, quando foram …

Chegada de emigrantes obriga autarcas do Interior a apertar as regras

Os autarcas do Interior do país, sobretudo de regiões onde a variante Delta ainda não se impôs e o número de novos casos de covid-19 não limita o quotidiano das populações, estão preocupados com o …

Jovens com menos de 20 anos vacinados numa "happy hour" em Lisboa

Alguns jovens com menos de 20 anos foram vacinados no centro de vacinação do Altice Arena, em Lisboa, depois de terem sido informados que havia "sobras". Task force já negou essa explicação. A situação foi denunciada, …

John Textor diz que reação da SAD do Benfica é "cómica"

O empresário norte-americano que chegou a acordo com o "rei dos frangos" para comprar 25% da Benfica SAD considera que a reação à sua aproximação é "cómica". Este mês, a Benfica SAD comunicou à Comissão de …

Rio acusa Cabrita de "mentir aos portugueses e no Parlamento" sobre festejos do Sporting

Rui Rio acusou o ministro da Administração Interna de "mentir aos portugueses e mentir no Parlamento" e justificou o motivo que levou o PSD a recorrer à figura da audição potestativa, a que os partidos …

Novo Banco não viu conflito de interesses na proposta sobre Imosteps

O Novo Banco defende que a proposta da Iberis para comprar a dívida da Imosteps, de Luís Filipe Vieira, não configurava conflito de interesses.  O Novo Banco defendeu, numa carta enviada ao Parlamento, que a proposta …