/

Ataque a hotel na Somália faz 26 mortos e 56 feridos

Goobjoog News

Adeptos de futebol fogem após explosão em hotel de luxo em Kismayo, Somália

Pelo menos 26 pessoas morreram e 56 ficaram feridas num ataque do grupo Al-Shabab a um hotel na cidade portuária de Kismayo, no sul da Somália, segundo o último balanço, anunciou o presidente da região semiautónoma de Jubaland.

Há pelo menos 26 pessoas mortas e dezenas ficaram feridas após uma forte explosão de um carro-bomba junto a um hotel de luxo na cidade somali de Kismayo, a cerca de 500 quilómetros a sul de Mogadíscio, a capital do país africano. ​A explosão foi seguida por um ataque armado, já reivindicado pelo grupo jihadista Al-Shabaab.

“Vinte e seis pessoas foram mortas no ataque e 56 ficaram feridas. Entre os mortos, estão vários estrangeiros: três quenianos, um canadiano, um britânico, dois norte-americanos e três tanzanianos. Há ainda dois cidadãos chineses feridos”, declarou o presidente somali, Ahmed Madobe, em conferência de imprensa.

Segundo a imprensa internacional, entre os mortos encontram-se o político somali  Mohamed Ismaael Shakur, o jornalista Ahmed Sahal, a ativista e empresária somali Hodan Naleeye, fundadora da Hodan TV, que viveu durante anos no Canadá e regressou recentemente ao país africano.

A agência de notícias francesa AFP confirmou junto das famílias dos mortos que pelo menos quatro dessas pessoas tinham dupla nacionalidade. Num balanço anterior, as autoridades somalis indicaram que 12 pessoas tinham morrido e outras 30 tinham ficado feridas no ataque.

O ataque começou no final da tarde de sexta-feira, quando um carro armadilhado explodiu na entrada do Medina, um hotel movimentado no centro de Kismayo, segundo fontes de segurança.

Os atiradores entraram no edifício, onde estiveram em confronto com as forças de segurança presentes. O cerco das forças de segurança ao hotel terminou hoje pela manhã. “As forças de segurança agora têm controlo (do hotel), o último terrorista foi morto”, disse à agência de notícias AFP Abdiweli Mohamed, autoridade de segurança local.

Segundo testemunhas, o hotel foi em grande parte destruído pela explosão e por outras munições. De acordo com várias fontes locais, o hotel abrigava principalmente empresários e políticos que estavam na cidade para preparar a eleição do presidente de Jubaland, marcada para o final de agosto.

O Al-Shabab, que se opõe ao Governo federal da Somália, pretende a imposição da lei islâmica ‘sharia’, tendo feito vários ataques no país e na região, incluindo no vizinho Quénia. Em 14 de outubro de 2017, o grupo fez explodir um camião na capital somali e provocou a morte a mais de 500 pessoas.

O grupo extremista reclamou ainda ter planeado um ataque a um complexo de luxo na capital do Quénia, Nairobi, que matou 21 pessoas em janeiro de 2019. Em março deste ano, pelo menos 32 pessoas morreram durante um ataque com um camião-bomba na capital somali, Mogadíscio.

A Somália é afetada por um estado de caos e conflito desde 1991, quando o regime de Mohamed Siad Barre foi derrubado, deixando o país sem um Governo capaz e às mãos de milícias islâmicas extremistas e outros grupos armados.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE