Astrónomos provam finalmente que os buracos negros fazem a matéria oscilar à sua volta

L. Calçada / ESO

Conceito artístico do buraco negro H 1743-322

Conceito artístico do buraco negro H 1743-322 a devorar matéria de uma estrela próxima

O observatório de raios-X XMM-Newton, da agência espacial europeia ESA, provou a existência de um “vórtice gravitacional” em torno de um buraco negro.

A descoberta, assistida pela missão NuSTAR – Nuclear Spectroscopic Telescope Array, da NASA, resolve um mistério que iludia os astrónomos há mais de 30 anos, e permitirá mapear o comportamento da matéria muito perto dos buracos negros.

Também pode abrir a porta a futuras investigações da relatividade geral de Albert Einstein.

A matéria que cai sobre um buraco negro aquece à medida que mergulha para a sua ruína. Antes de passar para o buraco negro e de se perder para sempre da vista, pode atingir milhões de graus.

A essa temperatura, emite raios-X para o espaço.

Na década de 1980, os astrónomos que usavam os primeiros telescópios de raios-X descobriram que os raios-X de buracos negros de massa estelar, na nossa Galáxia, cintilam.

As mudanças seguem um padrão definido. Quando essa oscilação começa, o escurecimento e reavivamento pode demorar até 10 segundos para completar.

À medida que passam dias, semanas e meses, o período diminui até que a oscilação ocorre 10 vezes por segundo. Aí, a cintilação pára subitamente e completamente.

O fenómeno foi apelidado de Oscilação Quasi-Periódica, OQP.

“Reconheceu-se imediatamente que era algo fascinante porque vinha de uma zona muito próxima de um buraco negro,” afirma Adam Ingram, da Universidade de Amesterdão, na Holanda que, em 2009, começou a trabalhar na compreensão das OQPs para a sua tese de doutoramento.

Noa anos 90, os astrónomos começaram a suspeitar que as OQPs estavam associadas a um efeito previsto pela Relatividade Geral: um objeto giratório cria uma espécie de vórtice gravitacional.

“É um pouco como torcer uma colher com mel. Imagine que o mel é o espaço e tudo o que está embebido no mel será ‘arrastado’ em redor da colher,” explica Ingram.

Na realidade, isto significa que qualquer coisa em órbita de um objeto giratório verá o seu movimento afetado.

“No caso de uma órbita inclinada, irá sofrer “precessão”.

Isto significa que toda a órbita vai mudar de orientação em torno do objeto central.

O tempo que demora para a órbita voltar à sua condição inicial é conhecido como ciclo de precessão.

Em 2004, a NASA lançou a Gravity Probe B para medir este chamado efeito de Lense-Thirring em redor da Terra. Após uma análise cuidadosa, os cientistas confirmaram que a sonda iria completar um ciclo de precessão a cada 33 milhões de anos.

No entanto, em torno de um buraco negro, o efeito será muito mais percetível devido ao muito mais forte campo gravitacional. O ciclo de precessão levaria apenas uma questão de segundos ou menos para ficar concluído.

ATG Medialab / ESA

Impressão de artista mostra o disco de acreção em redor de um buraco negro, no qual a região interior sofre precessão. "Precessão" significa que a órbita do material em redor do buraco negro muda de orientação. Nesta três imagens, o disco interior brilha com radiação altamente energética que atinge a matéria no disco de acreção em redor, fazendo com que os átomos de ferro emitam raios-X, tal como indicado no brilho do disco de acreção à direita (imagem a), em frente (imagem b) e à esquerda (imagem c).

Impressão de artista mostra o disco de acreção em redor de um buraco negro, no qual a região interior sofre precessão. “Precessão” significa que a órbita do material em redor do buraco negro muda de orientação.
Nesta três imagens, o disco interior brilha com radiação altamente energética que atinge a matéria no disco de acreção em redor, fazendo com que os átomos de ferro emitam raios-X, tal como indicado no brilho do disco de acreção à direita (imagem a), em frente (imagem b) e à esquerda (imagem c).

Estes valores são tão parecidos com os das OQPs que os astrónomos começaram a suspeitar de uma ligação.

Ingram meteu mãos à obra focando-se no problema e observando o que acontecia no disco plano de matéria em redor de um buraco negro.

Conhecido como disco de acreção, é o local onde o material espirala gradualmente na direção do buraco negro.

Os cientistas já suspeitavam que, perto do buraco negro, o disco de acreção plano “incha” para um plasma quente, no qual aos eletrões são retirados os seus átomos. Denominado fluxo interno quente, diminui de tamanho ao longo de semanas e meses à medida que é “comido” pelo buraco negro.

Em conjunto com colegas, Ingram publicou um artigo, em 2009, que sugeria que a OQP é impulsionada pela precessão de Lense-Thirring deste fluxo quente. Isto porque quanto menor o fluxo interior, mais perto se aproxima do buraco negro e, portanto, mais rápido o ciclo Lense-Thirring se torna.

A questão era: como provar isto?

“Passámos muito tempo a tentar encontrar evidências conclusivas deste comportamento,” comenta Ingram.

A resposta é que o fluxo interno liberta radiação altamente energética que atinge a matéria no disco de acreção em redor, fazendo com que os átomos de ferro no disco brilhem como um tubo de luz fluorescente.

O ferro liberta raios-X num único comprimento de onda – a que se dá o nome “linha espectral”.

Dado que o disco de acreção se encontra em rotação, a linha do ferro vê o seu comprimento de onda ser distorcido pelo efeito Doppler.

A linha de emissão do lado do disco que gira na direção da Terra é “esmagada” – desvia-se para o azul – e a linha de emissão do lado do disco que gira na direção contrária é “esticada” – desvia-se para o vermelho.

Se o fluxo interno está realmente em precessão, vai, por vezes, brilhar no disco de material em aproximação e por vezes no material em recuo, fazendo com que a linha oscile para a frente e para trás ao longo de um ciclo de precessão.

Foi na observação desta oscilação que o XMM-Newton entrou em ação.

Ingram e colegas de Amesterdão, de Cambridge Durham, Southampton e de Tóquio, solicitaram uma observação de longa-duração que lhes permitisse ver a OQP repetidamente.

Escolheram o buraco negro H 1743-322, que exibia na altura uma OQP de quatro segundos, e observaram o objeto durante 260.000 segundos. Também o observaram durante 70.000 segundos com o Observatório de raios-X NuSTAR da NASA.

“A capacidade de alta-energia do NuSTAR foi muito importante,” realça Ingram.

“O NuSTAR confirmou a oscilação na linha do ferro e, adicionalmente, vimos uma característica no espectro chamada ‘protuberância de reflexão’ que acrescenta mais evidências para a precessão.”

Após um processo rigoroso de análise, que consistiu na aglomeração de todos os dados observacionais, viram que a linha do ferro oscilava de acordo com as previsões da relatividade geral.

“Estamos a medir diretamente o movimento de matéria num forte campo gravitacional perto de um buraco negro,” comenta Ingram.

Ferramenta para testar a Teoria da Relatividade Geral

Esta é a primeira vez que se mede o efeito Lense-Thirring num campo gravitacional forte. A técnica permitirá aos astrónomos mapearem a matéria nas regiões interiores dos discos de acreção em torno de buracos negros.

Também sugere uma nova e poderosa ferramenta para testar a relatividade geral.

A teoria de Einstein tem permanecido praticamente não testada em campos gravitacionais tão fortes como este.

Por isso, se os astrónomos puderem compreender a física da matéria que flui para o buraco negro, poderão então testar as previsões da relatividade geral como nunca antes – mas só se o movimento da matéria no disco de acreção puder ser completamente compreendido.

Impressão de artista do XMM-Newton da ESA.

Impressão de artista do XMM-Newton da ESA.

“Se conseguirmos esmiuçar a astrofísica, podemos testar verdadeiramente a relatividade geral,” salienta Ingram.

Um desvio das previsões da relatividade geral será bem-recebido por uma grande quantidade de astrónomos e físicos. Será um sinal concreto de que existe uma teoria mais profunda da gravidade.

Os maiores telescópios de raios-X, no futuro, poderão ajudar na pesquisa porque são mais poderosos e podem recolher raios-X de forma mais eficiente.

Isto permitirá com que os astrónomos investiguem o fenómeno da OQP em mais detalhe.

Mas, por agora, os astrónomos podem contentar-se em ter visto o papel da gravidade de Einstein em redor de um buraco negro.

CCVALg

PARTILHAR

RESPONDER

A Lua pintou-se de vermelho na Argentina (e a causa não é propriamente boa)

Uma estranha lua com tons avermelhados pintou o céu da Argentina. O fenómeno misterioso encheu as redes sociais de fotografias e teorias. Em diferentes regiões da Argentina, várias pessoas puderam apreciar, nas últimas noites, a Lua …

Aeronave autónoma é uma alternativa acessível aos satélites (e já fez o seu primeiro voo)

A empresa Swift Engineering, em parceria com o Ames Research Center, da NASA, desenvolveu uma alternativa acessível aos satélites: uma aeronave autónoma de alta altitude e longa resistência. Já nasceu a alternativa acessível aos satélites: chama-se …

Reservas naturais chinesas salvaram os pandas da extinção (mas "esqueceram-se" dos leopardos)

Uma nova investigação revela que os esforços da China para salvar os pandas gigantes foram bem sucedidos, mas os mesmos falharam na proteção de outros animais que partilham o mesmo habitat, como é o caso …

Comunidade científica critica Trump por dizer que NASA estava "morta"

Na quarta-feira, o Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, afirmou no Twitter que "a NASA estava fechada e morta" até que o próprio fez com que voltasse a funcionar, afirmação que gerou consternação na …

É "bastante provável" que chegue à Europa uma Cybertruck de menores dimensões

É "bastante provável" que uma Cybertruck de menores dimensões venha a ser produzida e chegue depois ao mercado europeu, revelou Elon Musk, CEO da Tesla, empresa que produz estas pickups elétricas. Questionado na rede social …

Mais seis mortos e 131 novos casos em Portugal nas últimas 24 horas

Portugal regista hoje mais seis mortos e 131 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sábado, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. O número de pessoas internadas é de 366, mais nove …

"Erro" do Instagram favoreceu conteúdo de Trump face ao de Biden

Um "erro" da rede social Instagram favoreceu durante dois meses o conteúdo gerado pela campanha de reeleição do atual Presidente norte-americano, Donald Trump, quando comparado com as publicações de Joe Biden, candidato democrata que está …

Fotografia partilhada nas redes sociais levou à suspensão de alunos nos Estados Unidos

Pelo menos dois alunos da North Paulding High School, no estado da Georgia, dizem ter sido suspensos depois de terem partilhado nas redes sociais uma fotografia na qual é possível ver um corredor da escola repleto …

Estado de Nova Iorque com mais mortes por Covid-19 do que França ou Espanha

Os Estados Unidos registaram 1.252 mortos e 63.913 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo uma contagem independente da Universidade Johns Hopkins. Os últimos números de casos e óbitos registados devido a Covid-19 …

Turistas voltam a viajar, mas optam pelo low-cost

Mesmo num contexto de pandemia mundial o desejo de ir de férias continua vivo. Os turistas voltaram a procurar voos, contudo as opções recaem em percursos de curta distância e mais económicos. Ao longo dos últimos …