Astrónomos levantam teoria sobre as luas “solteiras” na galáxia

Lucianomendez / Wikimedia

Conceito artístico do exoplaneta Upsilon Andromedae, com as suas enormes luas

O espaço interstelar pode conter uma infinidade de luas, que foram “expulsas” pelos seus planetas para fora de sistemas solares nos primeiros estágios de desenvolvimento.

“De acordo com as nossas estimativas, a maior parte das luas está em órbitas instáveis, enquanto que os planetas interagem intensivamente um com outro. Apenas 10 a 12% das luas se torna um satélite”, explica Johathan Lunine, investigador da Universidade Cornell.

“A maioria é deitada fora e acaba por colidir com planetas gasosos ou então tornam-se planetas autónomos, girando, assim, em torno de uma estrela”, acrescenta Lunine.

Durante as últimas duas décadas, foram descobertos quase quatro mil planetas a orbitar estrelas distantes, muitos deles em grandes sistemas siderais. Em todo este período, apenas uma exolua foi descoberta, bem como vários candidatos a adquirir essa designação, uma vez que giravam à volta de “exoplanetas”, também “expulsos” de sistemas solares.

O primeiro satélite de um planeta fora do Sistema Solar foi descoberto em julho deste ano. Essa lua gira em torno do planeta Kepler-1625b, análogo de Saturno. São necessários 287 dias para que dê uma volta completa aoplaneta, estando praticamente no meio da “zona de vida”.

Esta descoberta, bem como a ausência de outras luas nos dados do Kepler-1625b, impulsionou um questionamento entre astrónomos sobre quão frequentemente exoplanetas possuem satélites, se estes têm ou não sinais de vida na superfície, e por que durante todo este tempo foi descoberto apenas um único satélite natural.

Para obter respostas para estas perguntas, os cientistas criaram um modelo computacional de um típico sistema sideral, onde planetas e luas apenas começaram a formar-se. Os resultados do estudo foram publicados este mês no site da Universidade Cornell.

Planet Planet

Captura de uma exolua

Ao observarem o processo evolutivo, os cientistas descobriram uma característica interessante da vida de satélites de exoplanetas – a maior parte deles, aproximadamente 90%, desaparece durante um dos períodos mais intensos de desenvolvimento de sistemas siderais, quando planetas recém-nascidos se aproximam e começam a “empurrar” os outros, tentando levar os “vizinhos” para o espaço aberto.

Como resultado, apenas uma pequena quantidade de luas, que possui características muito específicas, consegue sobreviver. Têm de ter um tamanho específico e situar-se a determinada distância do planeta para que possam sobreviver a este estágio de formação de planetas.

Segundo Lunine e os seus colegas, isso explica por que os astrónomos conseguiram descobrir apenas uma lua deste tipo, já que a maior parte delas foi “catapultada” para o espaço interstelar ou destruída durante interações gravitacionais.

Os cientistas acrescentaram ainda que no vazio entre estrelas pode haver milhões de luas, pois a proporção é clara: a cada mil estrelas há aproximadamente cem luas “abandonadas”.

PARTILHAR

RESPONDER

Rara cobra de duas cabeças e dois cérebros independentes encontrada na Florida

Uma rara cobra com duas cabeças e dois cérebros independentes foi resgatada no estado norte-americano da Florida por uma equipa de especialistas do organização Florida Fish and Wildlife Conservation Commission. Na rede social Facebook, a organização, …

Benfica 2-0 Belenenses SAD | Darwinismo rende arranque histórico

O Benfica cumpriu e venceu o Belenenses SAD por 2-0, no Estádio da Luz, na partida que encerrou a quinta jornada da Liga NOS. Foi o quinto triunfo benfiquista no campeonato em cinco partidas, o …

Uma tarefa doméstica está a poluir sorrateiramente o ambiente

O que vestimos e como lavamos as nossas roupas influencia o número de microfibras sintéticas que libertamos no meio ambiente. Há uma tarefa doméstica a poluir sorrateiramente o ambiente. Um novo artigo científico, publicado na PLOS …

A companhia aérea que faliu devido à covid-19 está de volta

A pandemia de covid-19 foi traiçoeira para muitas empresas. A Flybe, uma das primeiras vítimas, está agora a ressuscitar - e pode voltar a rasgar os céus já no próximo ano. A economia mundial foi muito …

Dormir bem antes de tomar a vacina da gripe pode ajudar a aumentar a sua eficácia

Segundo os especialistas, uma boa noite de sono pode mesmo ajudar a aumentar a eficácia da vacina da gripe, que neste ano ganha particular relevância em plena pandemia de covid-19. De acordo com Matthew Walker, autor …

Há um petroleiro abandonado há mais de uma década nas Caraíbas (e é uma "bomba-relógio")

Um navio de armazenamento de petróleo venezuelano está ancorado no Golfo de Paria, um trecho de mar fechado entre a Venezuela e a ilha de Trinidad, há mais de uma década. Antes de os Estados Unidos …

Portugal deve bater recorde de doentes em cuidados intensivos ainda esta semana

Portugal deverá ultrapassar, esta quarta-feira, o recorde de doentes em unidades de cuidados intensivos, alertou a ministra da Saúde, Marta Temido, em conferência de imprensa sobre a capacidade do Serviço Nacional de Saúde para combater …

A Budapest Eye foi restaurante por um dia (e com estrela Michelin)

Um restaurante com estrela Michelin em Budapeste, na Hungria, ofereceu aos clientes uma experiência gastronómica na famosa roda gigante Budapest Eye. Atraiçoado pela queda de faturação após o desaparecimento de turistas estrangeiros, o restaurante Costes, premiado …

Antigo ministro da Saúde Leal da Costa admite novo estado de emergência

O antigo ministro da Saúde Fernando Leal da Costa defendeu hoje que em algum momento deve ser decretado de novo o estado de emergência, para que o Governo possa tomar medidas na luta contra a …

Marcelo promulga uso obrigatório de máscara na rua por 70 dias

O Presidente da República promulgou esta segunda-feira o decreto da Assembleia da República que determina o uso obrigatório de máscara na rua, por um período de 70 dias, sempre que não seja possível cumprir o …