Astrónomos levantam teoria sobre as luas “solteiras” na galáxia

Lucianomendez / Wikimedia

Conceito artístico do exoplaneta Upsilon Andromedae, com as suas enormes luas

O espaço interstelar pode conter uma infinidade de luas, que foram “expulsas” pelos seus planetas para fora de sistemas solares nos primeiros estágios de desenvolvimento.

“De acordo com as nossas estimativas, a maior parte das luas está em órbitas instáveis, enquanto que os planetas interagem intensivamente um com outro. Apenas 10 a 12% das luas se torna um satélite”, explica Johathan Lunine, investigador da Universidade Cornell.

“A maioria é deitada fora e acaba por colidir com planetas gasosos ou então tornam-se planetas autónomos, girando, assim, em torno de uma estrela”, acrescenta Lunine.

Durante as últimas duas décadas, foram descobertos quase quatro mil planetas a orbitar estrelas distantes, muitos deles em grandes sistemas siderais. Em todo este período, apenas uma exolua foi descoberta, bem como vários candidatos a adquirir essa designação, uma vez que giravam à volta de “exoplanetas”, também “expulsos” de sistemas solares.

O primeiro satélite de um planeta fora do Sistema Solar foi descoberto em julho deste ano. Essa lua gira em torno do planeta Kepler-1625b, análogo de Saturno. São necessários 287 dias para que dê uma volta completa aoplaneta, estando praticamente no meio da “zona de vida”.

Esta descoberta, bem como a ausência de outras luas nos dados do Kepler-1625b, impulsionou um questionamento entre astrónomos sobre quão frequentemente exoplanetas possuem satélites, se estes têm ou não sinais de vida na superfície, e por que durante todo este tempo foi descoberto apenas um único satélite natural.

Para obter respostas para estas perguntas, os cientistas criaram um modelo computacional de um típico sistema sideral, onde planetas e luas apenas começaram a formar-se. Os resultados do estudo foram publicados este mês no site da Universidade Cornell.

Planet Planet

Captura de uma exolua

Ao observarem o processo evolutivo, os cientistas descobriram uma característica interessante da vida de satélites de exoplanetas – a maior parte deles, aproximadamente 90%, desaparece durante um dos períodos mais intensos de desenvolvimento de sistemas siderais, quando planetas recém-nascidos se aproximam e começam a “empurrar” os outros, tentando levar os “vizinhos” para o espaço aberto.

Como resultado, apenas uma pequena quantidade de luas, que possui características muito específicas, consegue sobreviver. Têm de ter um tamanho específico e situar-se a determinada distância do planeta para que possam sobreviver a este estágio de formação de planetas.

Segundo Lunine e os seus colegas, isso explica por que os astrónomos conseguiram descobrir apenas uma lua deste tipo, já que a maior parte delas foi “catapultada” para o espaço interstelar ou destruída durante interações gravitacionais.

Os cientistas acrescentaram ainda que no vazio entre estrelas pode haver milhões de luas, pois a proporção é clara: a cada mil estrelas há aproximadamente cem luas “abandonadas”.

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas estão a plantar mesas de xadrez de corais para restaurar recifes - e contam com a ajuda de garrafas de Coca-Cola

Nas últimas três décadas, os recifes de coral têm sofrido uma grande tensão e consequente destruição, devido ao impacto das alterações climáticas. Agora, os cientistas querem minimizar os danos e já encontraram uma solução. O objetivo …

Belenenses 0-4 Sporting | Melhor o resultado que a lesão

O Sporting, da I Liga, venceu hoje o Belenenses, do Campeonato de Portugal, por 4-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, garantindo o apuramento para a próxima fase da competição. No …

Sintrense 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto, da I Liga, venceu hoje o Sintrense, do Campeonato de Portugal, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, e segue em frente na competição. A jogar em …

Nova tecnologia usa calor dos estacionamentos subterrâneos para aquecer apartamentos

A startup Enerdrape, que funciona dentro da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, desenvolveu uma tecnologia que aproveita o calor emanado pelo solo no aquecimento de apartamentos. Quase 60% do aquecimento utilizado nos edifícios residenciais …

Pela primeira vez, um drone transportou os pulmões de um dador em segurança. Voo demorou seis minutos

Pela primeira vez na história da medicina, um drone aéreo transportou os pulmões de um dador com rapidez e segurança entre dois hospitais. O voo, que durou apenas seis minutos, ocorreu no passado dia 25 de …

Grupo de hackers clonou a voz de empresário para roubar 35 milhões de dólares do banco

Um grupo de hackers clonou a voz do diretor de uma empresa, conseguindo assim roubar mais de 35 milhões de dólares de um banco nos Emirados Árabes Unidos. No início do ano passado, o gerente de …

Portugueses comem duas vezes mais do que o recomendando

Os portugueses consumiram, em média, duas vezes mais calorias do que o recomendando para um adulto entre 2016 e 2020, ano em que a pandemia provocou uma redução do consumo de alimentos diário, mas ainda …

Aos 95 anos, a rainha Isabel II terá de abdicar da sua bebida favorita

A monarca foi aconselhada pelos médicos a abdicar do seu habitual martini de fim de dia, em antecipação a uma fase de agenda especialmente preenchida. Com 95 anos, a rainha Isabel II tem tido uma semana …

Médicos vão avaliar estado mental do atacante da Noruega

A investigação ao ataque com arco e flecha que na quarta-feira fez cinco mortos na Noruega reforçou, até agora, a tese de um ato devido a doença, anunciou hoje a polícia norueguesa. “A hipótese que foi …

Há mais de 100 anos, o Hawai teve uma monarquia - mas a força da princesa Ka'iulani não chegou para a preservar

Antes de morrer, com apenas 23 anos, a princesa Victoria Ka'iulani foi a última herdeira da coroa havaiana. A jovem era uma das últimas esperanças em manter a monarquia viva, mas nem a sua determinação …