As alterações climáticas podem acabar com os Jogos Olímpicos de Inverno até ao final do século

Comité Olímpico de Portugal / Facebook

A delegação olímpica portuguesa, com Camille Dias e Arthur Hanse, nos Jogos Olímpicos de Inverno em Sochi

Investigadores colocam a responsabilidade da inversão da tendência de agravamento das alterações climáticas nos líderes políticos, que dizem ainda ser capazes de salvar as olimpíadas. 

As alterações climáticas e as suas consequências são uma matéria de conhecimento comum, no entanto, o impacto das alterações do clima podem chegar a áreas que outrora não sera expectável. De acordo com um novo estudo científico, as mudanças no clima podem pôr em risco a realização dos Jogos Olímpicos de Inverno no final do século, já que podem estar em causa as condições de segurança e igualdade dos atletas.

De facto, das 21 cidades que receberam edições do evento no passado, apenas Sapporo poderia repeti-lo nas mesmas condições. Segundo Jaclyn Diaz e Michael Levitt, uma parte considerável dos destinos da competição estará nos líderes mundiais e na sua capacidade de fazerem cumprir as metas estabelecidas pelo Acordo de Paris. “Perante um cenário de diminuição das emissões de carbono em 2050 ou 2080, não vemos alterações substâncias no clima de muitos destes territórios”, explicou David Scott, citado.

Para efeitos de investigação, os autores entrevistaram também atletas e treinadores de 20 países, chegando à conclusão que 94% dos entrevistados temem que as alterações climáticas impactem o futuro das modalidades em que competem. “Com tempo mais quente haverá menos queda de neve, pelo que estamos muito mais dependentes da neve artificial”, descreveu Rosie Brennan, um esquiador norte-americano. “E a neve produzida pelo homem não tem o mesmo efeito. Tende a ser mais firma, torna-se mais fria com mais facilidade e proporcionando aos atletas uma superfície mais rápida.

A neve artificial também pode ser mais perigosa para os atletas, sobretudo se estes caírem foram do perímetro delineado, onde existem rochas e lama a substituir o que num cenário real deveria ser neve. Há também relatos, por parte de atletas, de uma maior frequência nas quedas – um sinal de que a neve produzida pelo homem pode ser potenciadora das mesmas.

Os Jogos Olímpicos que começam a 4 de Fevereiro, em Pequim, serão os primeiros a depender inteiramente de neve produzida pelo homem, o que já originou contestação por parte de organizações ambientais, que sugerem que esta edição das olimpíadas será a mais poluente e danosa para o planeta de sempre – algo contraditório ao espírito do movimento olímpico.

 

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE