Arqueólogos revelam história de misteriosa múmia de 1.900 anos com retrato

Cientistas norte-americanos examinaram a infame múmia Hibbard com uma máquina de raio-x de elevada energia para ver se conseguiam desvendar o mistério da amostra de 1.900 anos de idade.

Encontrada por arqueólogos em 1911 em Hawara, no Egito, a múmia de uma menina de 5 anos de idade, foi transferida na segunda-feira para o laboratório Argonne National Laboratory, em Washington, EUA, por especialistas da Universidade Northwestern, que estão a tentar “juntar as peças da história dela”.

Embora ainda haja muita informação para analisar, os cientistas conseguiram determinar nos cálculos preliminares que a criança teria sido afetada por uma doença como varíola ou malária, já que não tem feridas visíveis.

Além disso, graças à tomografia computadorizada, os especialistas encontraram vários objetos embrulhados juntamente com a menina e até dentro do próprio corpo.

Na cabeça da múmia, os investigadores encontraram um objeto em forma de bola que, segundo eles, substituiu o cérebro durante o processo de mumificação. Além disso, também encontraram fios nos dentes da menina e cerca de duas dezenas de pinos enfiados em invólucros à volta da cabeça e pés.

Apesar de não serem capazes de identificar o objeto, especialistas detectaram no estômago algo parecido com uma pedra.

“Toda a informação que encontramos ajudar-nos-à a enriquecer o contexto histórico da múmia desta menina e do período romano no Egito”, afirmou um dos pesquisadores envolvidos no estudo.

Ainda por cima, o estudo dos ossos da múmia poderia permitir aos investigadores prever melhor os riscos de fratura óssea.

“Eu queria comparar populações que tinham um estilo de vida ativo com as populações modernas com estilo sedentário”, afirmou um dos cientistas, acrescentando que agora os especialistas podem prever riscos de fraturas corretamente em 80% dos casos, mas podem aumentar em até 95% este indicador.

A múmia Hibbard é especialmente notável pelo rosto. Em vez de uma máscara facial tridimensional de ouro, como a do faraó Tutancamon, as múmias com retratos (Retratos de Faium) possuem uma pintura realista do seu rosto feita sobre um painel de madeira.

PARTILHAR

RESPONDER

Foi a escuridão (e não o frio) que ditou a extinção dos dinossauros

Uma nova investigação sobre o asteróide que causou a extinção dos dinossauros sugere que foi a escuridão, ainda antes do frio, que ditou o fim destes animais. De acordo com a nova investigação, cujos resultados foram …

34 anos depois, dados da Voyager 2 revelam mais um segredo de Urano

Mais de 30 anos depois, os dados da Voyager 2, que sobrevoou o planeta em 1986, permitiram aos cientistas da NASA desvendar mais um segredo de Urano. Em janeiro de 1986, a Voyager 2 sobrevoou Urano. …

Está a nevar em Plutão

Em julho de 2015, a sonda New Horizons da NASA concluiu uma longa e árdua jornada pelo Sistema Solar, viajando a 36.000 mph durante nove anos e meio. Toda a missão focava-se em mapear a …

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …