A Grande Sinagoga da Lituânia foi derrubada pelos nazis e renasceu pelas mãos dos arqueólogos

Vilna Great Synagogue and Shulhoyf Research Project

A bimah, o centro de oração da Grande Sinagoga da Lituânia

Uma equipa internacional de arqueólogos descobriu a bimah – uma plataforma central de oração -, da Grande Sinagoga de Vilna, na Lituânia. A sinagoga judaica foi destruída pelos nazis, mas ainda restaram vestígios no interior da congregação. O espaço renasce agora pelas mãos dos arqueólogos.  

A descoberta é fruto do culminar de um projeto de 3 anos que tinha como objetivo escavar o antigo local, conhecido como a “Grande Sinagoga de Vilna”, apelido atribuído com base no nome antigo da cidade de Vilnius, a capital da Lituânia.

Os nazis destruíram muitas sinagogas judaicas durante a Segunda Guerra Mundial no entanto, a destruição da Grande Sinagoga de Vilna representou uma enorme perda. Durante centenas de anos – entre 1600 a 1940 –  esta sinagoga funcionou como centro espiritual da comunidade judaica em Vilnius, explicou Jon Seligman, o arqueólogo que lidera as escavações.

A sinagoga foi queimada durante a ocupação nazi, que decorreu entre 1941 e 1944, quando a maioria das dezenas de milhares de judeus que viviam em Vilnius foram assassinados, conta o arqueólogo.

Vilna Great Synagogue and Shulhoyf Research Project

A Grande Sinagoga da Lituânia após a destruição nazi

Depois da Segunda Guerra Mundial, quando a Lituânia fazia parte da União Soviética, a sinagoga em ruínas foi nivelada e depois reconstruida, funcionando primeiro como uma creche e depois como uma escola primária. Nos últimos anos, os arqueólogos estudaram o local com um georadar, na esperança de descobrir e estudar os remanescentes da famosa sinagoga.

E o projeto acabou por se mostrar um sucesso: durante as escavações, os investigadores encontraram a bimah da Grande Sinagoga, juntamente com alguns dos ladrilhos que cercam a plataforma, numa parte da estrutura que estava enterrada sob o escritório do diretor da escola, apontou Seligman.

A bimah era uma plataforma elevada no centro do edifício sagrado em forma de quadrado, onde eram lidas em voz alta passagens da Torá, o livro sagrado judaico.

Segundo Seligman, os congregantes teriam ficado maravilhados com esta estrutura. A bimah foi construída com tijolos verdes e castanhos, ao estilo do “barroco da Toscana”, muito popular na época em que foi construída a Grande Sinagoga, na década de 1630.

“Jerusalém do Norte”

O povo judeu começou a deslocar-se para Vilnius no século XIV, quando o rei da Lituânia lhes deu permissão para viver lá. Os arqueólogos estão agora a escavar o local que a comunidade judaica da cidade usou como sinagoga desde 1440.

Inicialmente, todos os edifícios da cidade eram construídos em madeira, incluindo a sinagoga. No entanto, em 1600, arquitetos oriunda de Itália e da Alemanha foram levados para a cidade de Vilnius para reconstruir toda a cidade em tijolo. Foi também nessa altura que a Grande Sinagoga foi construída.

Durante o século XVII, Vilnius atraiu muitos escritores e eruditos falantes de iídiche – língua germânica das comunidades judaicas da Europa Central e Ocidental -, o que deu à cidade o apelido de “Jerusalém do Norte”, disse Seligman.

As primeiras autoridades cristãs da Lituânia podem ter ajudado, mesmo sem saber, a proteger as partes inferiores da sinagoga da destruição completa no século XX.

“As autoridades exigiram que a sinagoga não fosse mais alta do que que as igrejas da cidade”, disse Seligman. Desta forma, o piso da Grande Sinagoga foi construído abaixo do nível do solo, permitindo assim que os arquitetos maximizassem a altura da câmara central para o interior sem quebrar a restrição imposta.

Esta característica na construção ajudou, por sua vez, a proteger os níveis inferiores da sinagoga, quando o espaço foi incendiado pelos nazis em 1941 e também na reconstrução da escola levada a cabo pelas autoridades soviéticas em meados dos anos 50.

O piso e a bimah da sinagoga foram encontrados a cerca de 3 metros abaixo do nível do solo, disse o líder da escavação.

Vilna Great Synagogue and Shulhoyf Research Project

Escavações na cidade de Vilnius, na Lituânia

Os 3 anos de escavações realizados no local da Grande Sinagoga em Vilnius contaram com a participação de arqueólogos lituanos, israelitas e norte-americanos. Os trabalhos arqueológicos foram pagos, na sua grande maioria, pelo Fundo Boa Vontade da Lituânia.

Segundo noticia a AFP, a bimah e os outros artefactos da Grande Sinagoga vão fazer parte de um memorial judaico a construir no local da antiga escola, fechada no ano passado.

“A escola será demolida dentro de dois anos e aí criaremos um local de respeito, onde vamos mostrar a rica herança judaica em 2023, quando Vilnius celebrar o seu 700º aniversário”, disse o presidente da cidade, Remigijus Simasius, em declarações à agência.

Seligman revelou ainda que outras partes da Grande Sinagoga encontradas nas recentes escavações incluíam dois banhos rituais, os mikvahs. E ainda há mais: os arqueólogos esperam localizar as paredes externas da sinagoga e escavar ao nível do solo, acrescentou.

PARTILHAR

RESPONDER

Braga vence FC Porto e conquista Taça da Liga. Sérgio coloca lugar à disposição

O Sporting de Braga venceu hoje o FC Porto por 1-0 e conquistou a Taça da Liga, com Ricardo Horta a marcar o golo decisivo aos 90+5, garantindo um troféu que os bracarenses já tinham …

Rara moeda de ouro com a cara de Eduardo VIII vendida por preço recorde

Uma rara moeda de ouro com o perfil do rei britânico Edward VIII foi vendida a um comprador particular pelo valor recorde de 1,3 milhões de dólares. A informação é avançada pela Royal British Mint, a …

Depois dos incêndios, Austrália está prestes a experimentar uma "bonança" de aranhas mortais

Depois dos incêndios florestais que assolaram o país, os australianos começaram a implorar por chuva. O bónus de aranhas mortais não estava incluído no pedido, mas os especialistas do Australian Reptile Park acreditam que é …

Governo admite retirar cidadãos nacionais de Wuhan

As autoridades portuguesas estão a cooperar com outros países europeus para reforçar o apoio aos cidadãos nacionais que se encontram em Wuhan, onde ocorreram os primeiros casos do novo coronavírus, admitindo a possibilidade de retirá-los …

Os cogumelos podem ser muito mais antigos do que pensávamos

Os cogumelos podem ser mais antigos do que pensávamos, concluíram cientistas que dataram vestígios de micélio (constituinte dos cogumelos) com 800 milhões de anos, divulgou esta quarta-feira a Universidade Livre de Bruxelas, na Bélgica. Estudos anteriores …

Comer iogurte natural pode ajudar a reduzir o risco de cancro da mama

Uma das causas mais apontadas para o cancro da mama é a inflamação causada por bactérias nocivas. Esta tese ainda não foi provada, mas é apoiada pelas evidências até agora disponíveis de que a inflamação …

Primeiro caso suspeito de infeção por coronavírus detetado em Portugal

Foi detetado o primeiro caso suspeito de infeção infeção pelo novo coronavírus , em Portugal, anunciou este sábado a Direção-Geral de Saúde. “Este doente, regressado hoje [este sábado] da China, onde esteve na cidade de Wuhan …

Slava Semeniuta transforma chuva em atmosfera néon

O artista e fotógrafo russo Slava Semeniuta, também conhecido como Visual Scientist, mistura elementos naturais e faz mágica com eles. Slava Semeniuta, também conhecido como Visual Scientist, retoca fotografias de poças de água para criar composições …

Empresa quer vender dispositivos que extraiem água potável do ar

A empresa israelita Watergen está a planear começar a vender uma versão para o consumidor do seu aparelho que extrai água potável do ar ainda este ano. A tecnologia do gerador atmosférico da empresa está em …

"Sem padrinhos, nem donos". Líder da JP levanta congresso centrista

O candidato à liderança do CDS Francisco Rodrigues dos Santos arrancou este sábado no congresso centrista, que está a decorrer em Aveiro, a maior ovação dos delegados, com um discurso inflamado, em defesa de um …