Afinal, o Archaeopteryx era capaz de voar

saroy / Flickr

Os fósseis de Archaeopteryx estão incrustrados em lages de calcário

Embora o Archaeopteryx fosse capaz de bater as asas e voar, não possuía todas as adaptações das aves modernas. Esta é a conclusão de uma investigação que revela que esta dino-ave deveria voar como um faisão.

O Archaeopteryx já havia sido considerado a primeira ave e agora é considerado uma dino-ave, isto é, está na transição entre os dinossauros e as aves. No entanto, não se sabia se o voo do Archaeopteryx era como o das aves de hoje em dia.

Para responder a esta e muitas outras perguntas, uma equipa de cientistas fez uma análise a três exemplares de Archaeopteryx no Laboratório Europeu de Radiações Sincrotrão (ESRF), uma máquina de raios X em Grenoble, França.

Nesta análise ficou esclarecido que estas dino-aves tinham um voo ativo que lhes possibilitava percorrer distâncias, embora pequenas, e que seria diferente do voo das aves modernas, que estamos habituados a ver atualmente. Esta descoberta foi publicada esta terça-feira na Nature Communications e é a primeira prova de que seria um voador ativo.

Este grupo de dinossauros próximo das aves terá vivido no período do Jurássico, há cerca de 200 milhões a 140 milhões de anos, e habitado ambientes como matagais, lagoas e ilhas, situado no que é hoje a Baviera, na Alemanha.

Eram animais do tamanho de pombas grandes e, até ao final do século XX, o Archaopteryx foi considerado a “primeira ave”, ficando classificado na transição entre dinossauros e aves.

Segundo o Público, foi através da técnica de microtomografia, que faz a reconstituição dos fósseis em 3D, que foi possível visualizar o seu interior sem os danificar, com radiação dita de “sincrotão”, gerada por feixes de raios X.

Para desvendar alguns pormenores do voo do Archaopteryx, os cientistas tiveram em conta o úmero (no esqueleto do braço) e a ulna (no esqueleto do antebraço). Foram analisados quanto à quantidade de osso e à resistência da massa relativamente às forças de tração, presentes no voo.

Por último, compararam com um grupo de crocodilos, pterossauros e dinossauros – em que se incluíram as aves, e chegaram à conclusão que os ossos do Archaopteryx partilhavam adaptações do voo com as aves modernas.

Dennis Voeten, do ESRF e principal autor do trabalho, escreveu em comunicado que os cientistas perceberam “imediatamente que as paredes ósseas do Archaopteryx eram mais finas que as dos dinossauros terrestres mas pareciam-se muito com os ossos típicos das aves”.

Além disso, acrescenta, “os dados da análise demonstram que os ossos do Archaopteryx estão mais próximos de aves como o faisão, que ocasionalmente usam um voo activo  para ultrapassar barreiras ou evitar predadores, mas não das formas de planar e de deslizar de muitas aves de rapina e marinhas que são optimizadas para o voo duradouro”.

Os ossos tinham ainda uma baixa resistência à tracção e não tinham certas adaptações ao voo, como a escápula que as aves modernas têm e lhes permite alcançar um voo potente e duradouro. “Sugerimos ainda que o Archaopteryx deveria mover as asas mais para a frente e para cima, seguido de um movimento de costas para baixo”, explica.

Desta forma, o estudo dá-nos pistas sobre a evolução do voo dos dinossauros.”Sabemos agora que o Archaopteryx tinha já um voo activo há cerca de 150 milhões de anos, o que implica que o voo activo dos dinossauros se tenha desenvolvido ainda mais cedo”, diz Stanislav Bureš, da Universidade de Palacký, na República Checa, e autor do estudo.

“Agora fica nítido que o Archaopteryx é um representante da primeira onda de estratégias de voo dos dinossauros já extintos”, conclui.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Rara cobra de duas cabeças e dois cérebros independentes encontrada na Florida

Uma rara cobra com duas cabeças e dois cérebros independentes foi resgatada no estado norte-americano da Florida por uma equipa de especialistas do organização Florida Fish and Wildlife Conservation Commission. Na rede social Facebook, a organização, …

Benfica 2-0 Belenenses SAD | Darwinismo rende arranque histórico

O Benfica cumpriu e venceu o Belenenses SAD por 2-0, no Estádio da Luz, na partida que encerrou a quinta jornada da Liga NOS. Foi o quinto triunfo benfiquista no campeonato em cinco partidas, o …

Uma tarefa doméstica está a poluir sorrateiramente o ambiente

O que vestimos e como lavamos as nossas roupas influencia o número de microfibras sintéticas que libertamos no meio ambiente. Há uma tarefa doméstica a poluir sorrateiramente o ambiente. Um novo artigo científico, publicado na PLOS …

A companhia aérea que faliu devido à covid-19 está de volta

A pandemia de covid-19 foi traiçoeira para muitas empresas. A Flybe, uma das primeiras vítimas, está agora a ressuscitar - e pode voltar a rasgar os céus já no próximo ano. A economia mundial foi muito …

Dormir bem antes de tomar a vacina da gripe pode ajudar a aumentar a sua eficácia

Segundo os especialistas, uma boa noite de sono pode mesmo ajudar a aumentar a eficácia da vacina da gripe, que neste ano ganha particular relevância em plena pandemia de covid-19. De acordo com Matthew Walker, autor …

Há um petroleiro abandonado há mais de uma década nas Caraíbas (e é uma "bomba-relógio")

Um navio de armazenamento de petróleo venezuelano está ancorado no Golfo de Paria, um trecho de mar fechado entre a Venezuela e a ilha de Trinidad, há mais de uma década. Antes de os Estados Unidos …

Portugal deve bater recorde de doentes em cuidados intensivos ainda esta semana

Portugal deverá ultrapassar, esta quarta-feira, o recorde de doentes em unidades de cuidados intensivos, alertou a ministra da Saúde, Marta Temido, em conferência de imprensa sobre a capacidade do Serviço Nacional de Saúde para combater …

A Budapest Eye foi restaurante por um dia (e com estrela Michelin)

Um restaurante com estrela Michelin em Budapeste, na Hungria, ofereceu aos clientes uma experiência gastronómica na famosa roda gigante Budapest Eye. Atraiçoado pela queda de faturação após o desaparecimento de turistas estrangeiros, o restaurante Costes, premiado …

Antigo ministro da Saúde Leal da Costa admite novo estado de emergência

O antigo ministro da Saúde Fernando Leal da Costa defendeu hoje que em algum momento deve ser decretado de novo o estado de emergência, para que o Governo possa tomar medidas na luta contra a …

Marcelo promulga uso obrigatório de máscara na rua por 70 dias

O Presidente da República promulgou esta segunda-feira o decreto da Assembleia da República que determina o uso obrigatório de máscara na rua, por um período de 70 dias, sempre que não seja possível cumprir o …