“Têm problemas mentais, como eu? Falem!” – o apelo de uma medalhada olímpica

Gracie Gold é uma das protagonistas de um documentário que, provavelmente, já está a ajudar muitos atletas: “Ninguém quer falar sobre o falhanço nos Jogos Olímpicos”.

Pressão para atingir o ouro. Pressão dos treinadores. Pressão dos próprios atletas. Exaustão. Fracasso. Desilusão. Depressão. Anonimato. “Há muitos documentários que se focam na nutrição, no treino, na entrega… Mas até agora nenhum documentário se centrou realmente no ponto fraco, no lado negro. E alguns destes verdadeiros pontos complicados que enfrentamos são, de certa forma, o que este documentário aprofunda”.

As palavras são de Gracie Gold, uma das melhores praticantes de patinagem artística sobre o gelo e que venceu uma medalha de bronze em 2014, nos Jogos Olímpicos em Sochi, Rússia. O documentário em causa chama-se ‘O peso do ouro’, ou no seu original The Weight of Gold.

A produção da HBO destaca, tal como Gracie disse, os atletas olímpicos que têm problemas relacionados com a saúde mental. Foi lançado neste verão e, agora, em entrevista ao canal oficial dos Jogos Olímpicos, a norte-americana abordou esse documentário e deixou alguns alertas.

“Existem Jogos Olímpicos para muitas modalidades, mas não existe uma medalha olímpica para quem sofre em silêncio durante mais tempo. Encorajo-vos, atletas, a falar. Porque a vossa luta é válida. Vocês são válidos. Vocês são importantes. Por isso, encorajo-vos a falar para viverem a vossa vida livremente e aproveitarem o melhor que há”, disse Gracie.

Quem fala sobre o fracasso olímpico?

Gracie Gold abandonou o desporto em 2017. Na altura justificou essa decisão com problemas relacionados com a mente. A partir daí, assumiu uma missão pessoal: falar com atletas sobre saúde mental. E acabou por voltar ao desporto, um ano depois. A patinadora, falando novamente diretamente para atletas, diz que “as lutas fazem parte da tua carreira mas não tens de lutar sozinho”.

“Gostaria de ter partilhado a minha história mais cedo, ou gostaria de ter percebido mais cedo o que estava a acontecer. No início eu não sabia se queria admitir publicamente e falar sobre os meus problemas, por causa do estigma que rodeia este assunto. Eu não queria sentir que era a fraca“, analisa a medalhada olímpica pelos Estados Unidos da América.

A jovem patinadora, de 25 anos, também deixou uma espécie de recado à comunicação social: “Todos nós tivemos, ou temos, a nossa carreira e todos nós podemos falar sobre este problema comum. Ou podemos falar sobre este problema não ser falado. A comunicação social só descreve os atletas olímpicos como «Uau! Espetacular! Que bom para vocês!». E ficam-se por aí.”

“É que toda a gente quer falar sobre os Jogos Olímpicos mas ninguém quer falar sobre o que acontece depois dos Jogos Olímpicos. Ninguém quer falar sobre o falhanço nos Jogos Olímpicos, sobre aqueles casos em que os Jogos Olímpicos não correram de acordo com os planos”, lembra.

A jovem patinadora, de 25 anos, também deixou uma espécie de recado à comunicação social: “Todos nós tivemos, ou temos, a nossa carreira e todos nós podemos falar sobre este problema comum. Ou podemos falar sobre este problema não ser falado. A comunicação social só descreve os atletas olímpicos como «Uau! Espetacular! Que bom para vocês!». E ficam-se por aí.”

“É que toda a gente quer falar sobre os Jogos Olímpicos mas ninguém quer falar sobre o que acontece depois dos Jogos Olímpicos. Ninguém quer falar sobre o falhanço nos Jogos Olímpicos, sobre aqueles casos em que os Jogos Olímpicos não correram de acordo com os planos”, lembra.

Phelps, White, Jones…

Vários atletas olímpicos famosos contribuem para este documentário: o triplo campeão olímpico do snowboard, Shaun White, a antiga especialista no atletismo, Lolo Jones, e Bode Miller, vencedor de seis medalhas olímpicas no esqui alpino, são alguns dos exemplos. E o narrador do documentário é o atleta com mais medalhas em Jogos Olímpicos: Michael Phelps. Todos eles com problemas de saúde mental.

Gracie Gold destaca a importância e o exemplo de Phelps: “Para muitos de nós, o Michael Phelps é um super herói. Ele é um super herói da vida real por causa da sua força física, por causa do quão incrível ele é, por causa do que alcançou, por exemplo, nos Jogos Olímpicos… E continua com problemas de saúde mental (já falou publicamente sobre o assunto). E isso não é um comportamento, não é um reflexo do teu caráter, da tua força”.

Coronavírus e os recursos disponíveis

A saúde mental nunca foi tão comentada como em 2020. O novo coronavírus alterou a vida de milhões de pessoas, incluindo de Gracie, que no entanto continua a encontrar força e paixão por aquilo que faz: “Estou cansada das aulas online. Não há nada para fazer, não há pessoas para ver, e eu estava a começar a enlouquecer. Não consigo controlar nada, neste assunto. Resta-me cumprir todos os protocolos para evitar a propagação do vírus e resta-me tentar fazer coisas produtivas, mesmo que essas coisas sejam pequenas”.

A atleta deixou ainda um desejo para um futuro que, espera, será próximo: “Vou ficar muito contente quando, um dia, os recursos disponíveis para os atletas que, de certa forma, partem o cérebro forem os mesmos recursos disponíveis para os atletas que partem o tornozelo. Quando estes dois cenários forem iguais, aí sentirei que realmente ultrapassámos este obstáculo”.

NMT, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Polícia Judiciária faz buscas na Câmara de Vila Verde

A Polícia Judiciária está a fazer buscas na Câmara de Vila Verde, no distrito de Braga, relacionadas com "adjudicações a juntas de freguesia", confirmou esta quarta-feira à Lusa fonte daquela força policial. Segundo a mesma fonte, …

Reino Unido começa a vacinar já na próxima semana

O Reino Unido vai começar a vacinar a sua população contra a covid-19 na próxima semana. Depois da aprovação do uso da vacina da Pfizer, os primeiros a receber a vacina serão os trabalhadores e …

Governo já garantiu 370 camas no setor privado

O Governo já garantiu 370 camas no setor privado, sendo que quase metade, 164, são para doentes covid. Há atualmente 3.338 pacientes infetados com o novo coronavírus internados em hospitais. A informação foi confirmada por fonte …

Covid-19 pode ter chegado aos EUA em dezembro de 2019. País prepara-se para o pior inverno da história

Depois de ter sido confirmado que o novo coronavírus já circulava em Itália desde setembro de 2019, agora surge um relatório que refere que a covid-19 pode ter infetado um pequeno número de pessoas nos …

Maior parte dos médicos aposentados que voltam ao SNS prefere trabalhar em tempo reduzido

A maior parte dos médicos aposentados que regressa ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) opta por trabalhar em tempo reduzido, adianta o Jornal de Notícias. De acordo com o Jornal de Notícias, do total de 216 …

Bruxelas ameaça avançar com Fundo de Recuperação sem Hungria e Polónia

A Comissão Europeia (CE) está a perder a paciência e, caso não haja progressos nas negociações, ameaça avançar com o Fundo de Recuperação europeu sem a 'luz verde' da Hungria e da Polónia. O ultimato foi …

Empresas que reforcem lay-off não podem fechar portas, mas podem reduzir horários a 100%

O chamado “apoio à retoma progressiva” vai permitir que em dezembro as empresas saltem para o escalão seguinte, que garante mais financiamento, mas o Governo exige que mantenham atividade. Contudo, garante que tal não condiciona …

Reunião no Infarmed. Pico foi atingido em 25 de novembro, peritos pedem que não haja medo das vacinas

Especialistas, dirigentes dos partidos políticos e parceiros sociais voltaram esta quinta-feira a reunir-se para analisar a situação epidemiológica da covid-19, em vésperas de nova renovação do estado de emergência e da decisão sobre as medidas …

Governo tem algumas soluções para o Novo Banco (que dispensam o Retificativo)

Apesar do chumbo da transferência de 476 milhões de euros do Fundo de Resolução para o Novo Banco, o Governo garante que existem algumas soluções para que o contrato seja cumprido. Uma das hipóteses é a …

Giroud entra para a história da Champions ao marcar póquer ao Sevilha

Olivier Giroud tornou-se o jogador mais velho de sempre a marcar um póquer na Liga dos Campeões. É também o único atleta do Chelsea a fazê-lo. O Chelsea venceu o Sevilha, por 4-0, numa partida da …