Descoberto primeiro animal que não precisa de oxigénio para viver

(dr) Stephen Douglas Atkinson

Henneguya salminicola

Respirar oxigénio é uma característica fundamental dos animais multicelulares, mas os cientistas acabam de descobrir, pelo menos, um que não precisa de o fazer para sobreviver.

É muito provável que tenha aprendido que todos os organismos multicelulares precisam de oxigénio para viver. No entanto, um animal recém descoberto mostra que esta afirmação não está completamente correta. O artigo científico foi publicado no dia 24 de fevereiro na Proceedings of the National Academy of Sciences.

Segundo Dorothee Huchon, da Universidade de Tel Aviv, em Israel, o animal em causa “perdeu a capacidade de respirar oxigénio“. Para os cientistas, ainda é um mistério como é que este animal – um parasita geralmente encontrado no salmão – obtém a energia necessária para viver sem recorrer ao oxigénio.

Pensa-se que todas as plantas e animais usam oxigénio para criar uma espécie de combustível chamado trifosfato de adenosina (ATP), que alimenta os processos celulares. A geração de ATP a partir do oxigénio ocorre em estruturas conhecidas como mitocôndrias.

Cada mitocôndria tem o seu próprio genoma minúsculo que é separado do genoma principal no núcleo celular. Mas quando Huchon e a sua equipa sequenciaram o ADN de Henneguya salminicola, pensaram de imediato que haviam cometido um erro por não terem encontrado qualquer ADN mitocondrial.

Estudos posteriores confirmaram a descoberta: quando a equipa corou H. salminicola com um corante azul fluorescente que se liga ao ADN, não era visível qualquer material genético nas células fora do núcleo. Isto significa que, apesar de as células de H. salminicola terem estruturas que se parecem com mitocôndrias, elas não conseguem produzir as enzimas necessárias para usar o oxigénio para produzir ATP.

“Estas não são verdadeiras mitocôndrias”, explica Huchon, citada pelo New Scientist.

Isso significa que H. salminicola é um animal multicelular capaz de sobreviver inteiramente sem oxigénio. “Há muitos animais capazes de sobreviver durante longos períodos sem oxigénio, mas nenhum que consiga sobreviver durante um ciclo inteiro de vida“, resume Nick Lane, da University College London, no Reino Unido.

Pelo menos, nada confirmado. Em 2010, Roberto Danovaro, da Universidade Politécnica de Marche, na Itália, relatou que um grupo de pequenos animais, chamados loricíferos, que vivem em sedimentos no fundo do mar, não tinham mitocôndrias visíveis quando observados ao microscópio.

No entanto, outros biólogos dizem que são necessários estudos genómicos para confirmar que os loricíferos perderam mesmo a capacidade de respirar oxigénio.

Os cientistas desconhecem o motivo pelo qual H. salminicola perdeu essa mesma capacidade. À medida que estes parasitas se movem ao longo do seu ciclo de vida, eles passam a viver dentro de um hospedeiro, local onde também teriam que se contentar com praticamente nenhum oxigénio.

O hospedeiro de H. salminicola nunca foi identificado, mas, segundo os investigadores, é provável que também viva em sedimentos com níveis muito baixos de oxigénio.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. “Para os cientistas, ainda é um mistério como é que este animal – um parasita geralmente encontrado no salmão – obtém a energia necessária para viver sem recorrer ao oxigénio.” (…)

    “O hospedeiro de H. salminicola nunca foi identificado”

    Afinal, nunca foi identificado ou é o salmão?

RESPONDER

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …

Há mais pessoas em quarentena do que vivas durante a 2ª Guerra Mundial

Um terço da população mundial - 2,6 mil milhões de pessoas - está em quarentena. São mais seres humanos em isolamento do que aqueles que estavam vivos para testemunhar a 2ª Guerra Mundial. Na terça-feira, o …

Biblioteca virtual no Minecraft dá voz a jornalistas censurados de todo o mundo

Enquanto governos de todo o mundo reprimem a liberdade jornalística e censuram a sua imprensa nacional, a Reporters Without Borders está a trabalhar para chegar ao público através de um canal improvável: uma enorme biblioteca …

Há mais 19 mortos em Portugal. Número de casos confirmados perto dos 6.000

Portugal registou, este domingo, mais 19 mortes devido ao surto de covid-19. O número de casos confirmados é de 5.962, mais 792 em relação aos números de sábado. A Direção-Geral de Saúde revelou este domingo o …