/

Os animais começaram a fazer sons para poderem conversar no escuro

1

O reino animal está cheio de diferentes vocalizações. A produção sonora apareceu há entre 100 milhões e 200 milhões de anos e a sua origem está fortemente ligada à vida no escuro.

Os vertebrados são animais com espinha dorsal, abrangendo cinco grupos principais – pássaros, peixes, répteis, anfíbios e mamíferos. Uma equipa da Universidade do Arizona e da Universidade Henan Normal da China decidiu investigar a evolução da comunicação acústica em vertebrados que habitam a terra, olhando para trás até 350 milhões de anos.

Os cientistas criaram uma vasta árvore da vida que incorporava 1.800 espécies e anotaram se cada animal usava o som para comunicar ou se utilizava outros meios. Depois, usaram análise estatística para determinar se a comunicação acústica evoluiu separadamente em cada grupo e se a ausência de luz pode ter desempenhado um papel nessa evolução.

De acordo com o estudo publicado este mês na revista científica Nature Communications, a equipa concluiu que o ancestral comum dos vertebrados não usava comunicação vocal, o que significa que diferentes grupos de animais deverão ter evoluído para comunicar usando o som de forma independente nos últimos 100 a 200 milhões de anos.

Os animais precisam de comunicar para transmitir todo o tipo de informação, desde tentar impressionar um potencial parceiros até alertar os outros sobre algum perigo iminente.

Além disso, os cientistas descobriram uma ligação entre a evolução da comunicação acústica e os animais noturnos. Afinal, cores e movimentos corporais não servem para comunicar na ausência de luz.

Por outro lado, embora a escuridão fosse necessária para que as vocalizações aparecessem, esses sons permaneciam em animais que agora só estão ativos durante o dia. Os cientistas acreditam que o coro do amanhecer criado por pássaros musicais pode ser um remanescente do comportamento noturno dos seus ancestrais.

“Parece haver uma vantagem na evolução da comunicação acústica quando se está ativo à noite, mas não há nenhuma desvantagem quando se muda para ativo durante o dia”, disse John J. Wiens, da Universidade do Arizona, em comunicado. “Temos exemplos de comunicação acústica mantidos em grupos de sapos e mamíferos que se tornaram diurnos, mesmo que ambos os sapos e mamíferos tenham começado a ser ativos à noite há centenas de milhões de anos”.

A equipa também concluiu que a capacidade de vocalizar não impulsionou a especiação – o surgimento de novas espécies – dentro de diferentes grupos de animais, algo que se pensava anteriormente.

Aves e crocodilos usam comunicação acústica, mas existem muitos milhares de espécies de aves e apenas 25 de crocodilos. Cobras e lagartos são criaturas calmas, mas compreendem 10 mil espécies. Os mamíferos incrivelmente vocais incluem apenas seis mil espécies. Portanto, parece que não há uma ligação óbvia entre o número de novas espécies que apareceram ao longo do tempo e a capacidade de comunicar através de sons.

De acordo com os investigadores, as descobertas destacam a importância do ambiente de um animal na evolução de novas habilidades e comportamentos e que milhões de anos de exposição a diferentes fatores ecológicos moldaram as espécies com as quais partilhamos o nosso planeta hoje.

  ZAP //

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.