Algas alimentaram um computador durante mais de seis meses

1


Há mais de seis meses que uma colónia colorida de cianobactérias fotossintéticas — conhecidas como algas azul-esverdeadas — alimentam com sucesso um microprocessador informático.

Existe “energia verde” e depois há energia verdadeiramente VERDE — verde-azul, de acordo com um estudo publicado na Energy & Environmental Science, em Maio deste ano.

A pequena bio-bateria alternativa poderia servir como uma forma de alimentar pequenos aparelhos eletrónicos sem elementos de terras raras e lítio — materiais em escassa oferta e sob procura crescente.

Segundo a Gizmodo, o sistema poderia também ajudar a colmatar o fosso de eletricidade, proporcionando outro fornecimento de energia a pessoas em zonas rurais ou países de baixo rendimento, disse o autor principal Chris Howe, bioquímico da Universidade de Cambridge, num comunicado de imprensa.

Durante um dos períodos de isolamento, devido à pandemia, o sistema informático de algas foi colocado na janela de Paolo Bombelli’s, bioquímico de Cambridge, em casa.

Segundo a New Scientist, o sistema esteve instalado de Fevereiro a Agosto de 2021, durante todo o funcionamento. Nos seis meses seguintes após os testes oficiais, os cientistas relataram que os dispositivo de algas e o computador continuavam a funcionar.

Desde então, o microprocessador está desligado, mas o dispositivo de cianobactérias continua a produzir corrente.

“Ainda está a funcionar e espero que funcione muito tempo. Dadas as condições certas de luz, temperatura e água, não posso prever quando irá parar”, disse Bombelli.

As cianobactérias colhem energia da luz solar e transformam-na no próprio alimento. Para este estudo, os investigadores colocaram os microrganismos fornecedores de energia — especificamente Synechocystis sp — num invólucro de plástico e aço, do tamanho de uma pilha AA, juntamente com um ânodo de alumínio.

Ao longo da experiência, o microprocessador ligado foi programado para fazer uma série de cálculos, e depois verificar o seu próprio trabalho. O microprocessador realizou em incrementos de 45 minutos, seguidos de 15 minutos de espera, continuamente durante meses com a unidade de cianobactérias como a sua única fonte de energia.

Os investigadores ofereceram duas hipóteses de como o seu sistema criou a corrente. No chamado modelo “eletroquímico”, os micróbios simplesmente produziram as condições certas para que o ânodo de alumínio oxidasse ou libertasse eletrões, que depois criavam uma saída elétrica.

No modelo “bio-eletroquímico”, as próprias cianobactérias geraram eletrões que se transferiram através das membranas bacterianas para o ânodo de alumínio, fazendo uma corrente.

Como o ânodo de alumínio não parecia degradar-se muito com o tempo, os cientistas pensam que a última explicação é mais viável do que a primeira.

Embora as algas dependam de uma fonte de luz para se alimentarem, o bio sistema continuou a produzir energia suficiente para fazer funcionar o microprocessador no escuro.

Os cientistas atribuíram basicamente este fenómeno a restos. Quando havia luz, as cianobactérias cozinhavam uma superabundância de alimentos, e quando estava escuro, os microrganismos continuavam a alimentar-se dos extras.

O computador, um microprocessador ARM Cortex-M0+, extraiu uma média de 1,05 microwatts no decurso da experiência. Para comparação, uma pilha AA padrão começa a sua vida útil com 1,5 V, que diminui com o uso.

Embora os resultados da experiência sejam promissores, é importante ter em mente que o processador de computador testado utiliza muito pouco energia, necessitando apenas de 0,3 microwatts para funcionar.

Para contextualizar, mesmo uma lâmpada de LED eficiente em termos energéticos, utiliza cerca de 10 watts. É necessária mais investigação para saber exatamente quanto é que o minúsculo dispositivo do tamanho de uma pilha AA poderia alimentar.

“Colocar uma no seu telhado não vai fornecer a energia para a sua casa nesta fase”, disse Howe à New Scientist.

  Inês Costa Macedo, ZAP Notícias //

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.