Airbnb vai deixar de oferecer alojamento nos territórios palestinianos ocupados

Abed Al Hashlamoun / EPA

A Airbnb, a página de aluguer de quartos e casas, principalmente para turistas, vai deixar de listar opções de alojamento nos territórios palestinianos ocupados por Israel.

São mais de 200 ofertas que deixarão de estar disponíveis, disse o Airbnb esta segunda-feira, num comunicado publicado na página oficial.

Há vários anos que a empresa, líder no setor, é acusada de tomar partido no conflito israelo-palestiniano já que cidades como Afrat, Ma’ale ou Tekoa aparecem listadas como pertencendo a Israel quando, de facto, segundo a chamada “linha verde” traçada depois dos acordos para o armistício de 1949, estão dentro de fronteiras palestinianas.

Os colonatos israelitas, que, sob a batuta do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, têm crescido consideravelmente desde 2009, são considerados pela comunidade internacional como uma usurpação de terra palestiniana e são um dos mais sérios entraves às conservações de paz.

“Muitos membros da nossa comunidade mundial são da opinião que não é correto retirar lucros de atividades realizadas em terras de onde um povo tenha sido expulso e concluímos que também o Airbnb deve retirar as opções de alojamento nos territórios ocupados, cerne da disputa entre Israel e a Palestina”, lê-se no comunicado.

Esta decisão chega poucas horas antes da publicação de um relatório de organização de defesa dos Direitos Humanos Human Rights Watch sobre as implicações negativas do negócio do Airbnb nos territórios ocupados e visa funcionar como uma espécie de mecanismo de deflação do mesmo.

Ainda assim, a empresa pode esperar fogo em várias frentes: primeiro dos críticos ao seu modelo de negócio e depois de muitos dos parceiros comerciais que não estão de acordo nem com sanções nem com boicotes económicos a Israel.

Para o ministro do Turismo israelita Yariv Levin, a decisão é “discriminatória” e o seu ministério deverá começar a estudar formas de “limitar a atividade do Airbnb em todo o país”, de acordo com informações do The Guardian.

“Durante dois anos, a Human Rights Watch esteve em conversações com o Airbnb sobre o aluguer de apartamentos na Margem Ocidental na medida em que a lei humanitária internacional o proíbe e que as pessoas com identificação palestiniana nem sequer lá podem entrar”, disse Arvind Ganesan, que analisa o impacto da atividade económica nos Direitos Humanos.

Israel conquistou a Margem Ocidental à Jordânia em 1967, na Guerra dos Seis Dias, em resposta a uma tentativa de invasão por parte de uma coligação árabe. Hoje, mais de meio milhão de cidadãos israelitas vivem em bairros construídos para lá das fronteiras reconhecidas pela comunidade internacional.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Hipercarro elétrico da Aspark pulveriza recorde de aceleração

O novo hipercarro elétrico Aspark Owl vai começar a sua produção já no próximo ano e conta já com o recorde de aceleração. O carro vai dos 0 aos 100 km/h em 1,69 segundos. Depois de …

Pelé desafia Ronaldo a bater o seu recorde de 1.283 golos

O ex-futebolista internacional brasileiro Pelé desafiou esta quinta-feira o avançado português Cristiano Ronaldo a superar o seu recorde de 1.283 golos. “Espero que, com a quantidade de golos que já marcou, e foram muitos, tenha saúde …

A automatização pode acabar com 800 milhões de empregos em cerca de 15 anos

Uma análise do Bank of America Merrill Lynch revelou que cerca de 800 milhões de empregos podem desaparecer em todo o mundo até 2035. Esse resultado deve-se à diminuição do custo de automatização. Segundo noticiou o …

Portugueses que ganham até 660 euros mensais podem ficar isentos de IRS em 2020

Os portugueses que auferem até 660 euros mensais, num total de 14 meses, alcançando um máximo anual de 9.224,2 euros podem ficar isentos de IRS em 2020, avança o Jornal de Negócios. De acordo com o …

Milhares de aves encontradas mortas junto a lago na Índia. Desconhecem-se ainda as razões

No passado domingo, 2.400 pássaros - incluindo 20 espécies migratórias - foram encontrados mortos perto do Sambhar Salt Lake, na Índia. Os locais alertaram as autoridades florestais, que esperam os resultados das análises para determinar …

João Félix deve regressar aos relvados na próxima semana

O internacional português João Félix deve regressar aos relvados na próxima semana e pode mesmo vir a ser opção do Atlético de Madrid para o jogo frente ao Granada, marcado para o próximo dia 23 …

Vítimas do franquismo pedem investigação à origem das jóias que a família Franco vai leiloar

A Associação para a Recuperação da Memória Histórica (ARMH), que inclui familiares das vítimas do franquismo, pediu ao Governo espanhol que investigue a origem das jóias que a família Franco vai leiloar. De acordo com …

"Sem dúvida". Montenegro diz que era capaz de derrotar Costa

O antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro, que é agora candidato à liderança do partido, afirmou, em entrevista ao jornal Público e à Rádio Renascença, que era capaz de derrotar António Costa.  "Acho que era …

Rússia quer legalizar comércio de 'diamantes de sangue' africanos

Os diamantes exportados da República Centro-Africana estão associados à corrupção, à violência, à guerra civil, a violações e assassinatos. Agora, Moscovo anunciou que quer o fim do embargo internacional, buscando legalizar na totalidade a sua …

Economia abrandou, mas ainda é possível cumprir meta de crescimento

O Produto Interno Bruto cresceu 0,3% no terceiro trimestre, face aos três meses anteriores, metade do registado no segundo trimestre, mantendo o ritmo de crescimento, de 1,9%, na comparação com o mesmo período de 2018. Segundo …