Tondela 0-2 Benfica | “Águia” serve Pizzi com Cebolinha

Graças a uma primeira parte de bom nível, o Benfica conseguiu amealhar uma vantagem preciosa e venceu nesta sexta-feira o Tondela por 2-0, num encontro a contar para a 30ª jornada da Liga NOS.

Pizzi e Everton, o “Cebolinha”, cozinharam os golos dos “encarnados”, que na segunda parte adormeceram e não conseguiram acompanhar o andamento dos tondelenses – que dominaram as incidências e só não estragaram a “refeição” dos forasteiros, ora devido à ineficácia de Mario González, ora porque Helton Leite se agigantou na baliza. Com os três pontos, os vice-campeões nacionais aproveitaram o desaire do SC Braga na Madeira para fugirem no terceiro posto, tendo agora mais oito pontos do que a equipa comandada por Carlos Carvalhal.

O jogo explicado em números

  • Nos “beirões”, realce para duas mudanças: Enzo Martínez e Jhon Murillo foram substituídos por Ricardo Alves e Rafael Barbosa, respectivamente. Sem os castigados Otamendi e Weigl, Jorge Jesus apostou numa defesa com quatro elementos, onde Gilberto surgiu na direita (Diogo Gonçalves está à “pinha” com quatro cartões amarelos), no meio-campo Gabriel fez dupla com Pizzi e, no ataque, Waldschmidt foi a “muleta” de Seferovic.
  • Dificuldades “encarnadas” em ligar os sectores, muito graças à forte pressão exercida pelos homens da casa. Porém, num espaço de poucos segundos depois do minuto nove, as “águias” estiveram próximas do golo: Seferovic fez o mais complicado e desperdiçou o tento e Everton cabeceou obrigando Trigueira a mostrar reflexos.
  • No entanto, ao terceiro aviso, houve golo dos forasteiros, decorria o minuto 12. Everton arrancou, entrou na área e cruzou para a zona do segundo poste onde estava Pizzi, que atirou cruzado e não falhou. Foi o quinto tiro certeiro do médio na prova e o 15º se incluirmos todas as provas.
  • Aos 15 minutos, o “bombeiro” Bebeto foi determinante e evitou que Everton fizesse estragos. Na sequência de um canto, Waldschmidt copiou Seferovic e falhou as coordenadas da baliza quando estava sem marcação na área tondelense. O domínio lisboeta era intenso e traduzia-se em 67% da posse, cinco remates (dois enquadrados e um golo), um canto e três ocasiões de golo criadas. Ao passo que o Tondela ainda não tinha ameaçado.
  • À passagem do minuto 19, Pizzi accionou Everton no corredor esquerdo, o brasileiro arrancou, flectiu para o centro e com um “tiro” colocado desenhou um golaço. Foi o sexto golo do camisola 7 no campeonato e o sexto nesta temporada de estreia no emblema da Luz. Neste período, 50,7% das iniciativas atacantes da equipa nasceram no lado canhoto.
  • Apenas aos 22 minutos houve registo de um lance com principio, meio e fim do Tondela, quando Jaume Grau lançou Mario González, que não conseguiu ultrapassar a oposição de Helton Leite. Depois disso, o encontro entrou numa fase na qual os da casa tentavam lutar contra o prejuízo e os forasteiros iam gerindo a vantagem.
  • Ligado aos lances mais perigosos da equipa, com dois remates, um golo, uma assistência, apenas quatro passes falhados em 37 tentados (89% de eficácia), 45 acções com a bola, três recuperações dae posse, Pizzi era a unidade dentro das quatro linhas com melhor avaliação, um rating de 7.4.
  • No último sopro da primeira metade, Lucas Veríssimo esteve em evidência e cortou com mestria um remate de Mario González que poderia ter criado muito perigo. Foi apenas a segunda tentativa de visar o alvo do conjunto da casa.
  • Intervalo Exibição convincente do Benfica nos primeiros 46 minutos de acção no Estádio Dr. João Cardoso, sendo que entre o minuto nove e o 20 marcou dois golos, desperdiçou mais outras situações e conseguiu atacar de forma intensa e variando o reportório sem se desorganizar no processo defensivo. O Tondela apenas em dois momentos conseguiu assustar. O contestado Pizzi pegou na batuta e organizou os lisboetas, tendo sido o melhor nesta fase com um GoalPoint Rating de 7.3. Das acções do número 21 destacámos a intervenção directa que teve nos dois golos (um tento e uma assistência), as 56 acções que teve com o esférico e ainda para as sete vezes em que recuperou a posse, dois desarmes e uma acção defensiva no meio-campo contrário.
  • No reatamento, Lucas Veríssimo “borrou” a pintura e por muito pouco não ofereceu o 1-2 ao Tondela, valendo a intervenção de Helton Leite que negou o golo a Mario González. Perto da hora de jogo, Rafael Barbosa assistiu e o ponta-de-lança desperdiçou por escassos centímetros soberana ocasião para encurtar distâncias, e aos 61, o dianteiro voltou a estar em foco, mas perdeu de novo no “face to face” com o guarda-redes contrário. Os cinco remates dos anfitriões tiveram um denominador comum, o espanhol. Pelo meio, aos 53 minutos, Vertonghen travou um centro perigoso de Salvador Agra. 
  • A segunda metade apenas tinha um sentido, a baliza do Benfica. O Tondela tinha 48% da posse, três remates (dois enquadrados), dois cantos e uma ocasião flagrante desperdiçada. Ao passo que o máximo que os “encarnados” conseguiram foi um pontapé de canto e uma oportunidade, mais uma, falhada por Seferovic, aos 68 minutos. A equipa de JJ voltava a demonstrar que oscila demasiado durante as partidas.
  • Numa rara incursão ofensiva, Pizzi esteve perto do bis, naquele que foi apenas o segundo remate “encarnado” na etapa complementar. Na primeira parte, a equipa tinha realizado oito tentativas.
  • Na recta final da partida, após um livre directo, Grimaldo (89′) ameaçou o 0-3 e, instantes depois, Cervi não conseguiu bater Trigueira. Houve ainda espaço para o central Morato estrear-se nesta edição da Liga NOS após substituir Pizzi.
  • O Tondela, que nos últimos seis últimos jogos só tinha perdido frente ao FC Porto, voltou a cair. Já o Benfica repetiu o “score” da primeira volta e venceu por 2-0 e com os dois “tentos” apontados atingiu a marca dos 100 golos esta temporada, se contabilizarmos todas as provas.

O melhor em campo GoalPoint

Mais uma “performance” de encher os olhos e as stats de Pizzi, que voltou a calar os críticos. Nos 88 minutos em que esteve em cena, marcou um golo, gizou uma assistência, criou uma ocasião flagrante em quatro passes para finalização, acumulou ainda mais dois remates e 98 acções com a bola. Mas não foi só a atacar que o internacional português deu nas vistas, a defender amealhou uma acção defensiva no meio-campo adversário e três intercepções. Por tudo isto, o médio foi o MVP do encontro com GoalPoint Rating de 8.7 que não deixa margem para qualquer discussão sobre a sua importância na equipa.

Paulo Novais / Lusa

Jogadores em foco

  • Everton 7.8 – Exibição positiva do extremo, principalmente na primeira parte, onde “infernizou” a vida aos adversários, colocando nas suas acções velocidade, intensidade, critério, eficácia e fazendo recordar toda a qualidade que tem e que apenas a espaços tem conseguido demonstrar nesta etapa na Liga NOS. Além do golaço, fez cinco passes valiosos (máximo na partida), cinco passes progressivos certos, seis acções com a bola na área adversária (outro máximo) e acertou cinco dos sete dribles realizados. A nota apenas não foi mais elevada devido aos três desarmes que sofreu e aos quatro maus controlos do esférico.
  • Helton Leite 7.3 – Parecia que iria ter um final de tarde tranquilo, mas foi obrigado a fechar a baliza e fê-lo, não, numa, nem em duas, mas sim em três ocasiões. Foi responsável por grandes intervenções, sendo que duas foram de elevado grau de dificuldade. Se o Benfica não sofreu nenhum golo em Tondela, deve-o em muito ao guardião.
  • Bebeto 7.0 – Sofreu com velocidade de Grimaldo e Everton, mas nunca desistiu e foi a tempo se rubricar uma boa partida, tendo acertado quatro cruzamentos, cinco passes longos certos (em oito), recuperou a bola em dez ocasiões, teve quatro acções defensivas no meio-campo contrário, oito desarmes (máximo no duelo) e cinco intercepções (outro dado que mais ninguém alcançou).
  • Trigueira 6.3 – Eficiente, foi autor de quatro defesas, duas das quais foram determinantes e que negaram a festa a Seferovic e Cervi.
  • Mario González 5.0 – Vai ter pesadelos esta noite. Sempre móvel, foi o homem mais perigoso do Tondela e não fosse a falta de pontaria, o resultado poderia ter tido outros números. Ao todo rematou em cinco ocasiões e desperdiçou duas ocasiões flagrantes. Os Expected Goals (xG) de 1,0 diz muito sobre o que o espanhol fez nestes 94 minutos de jogo.
  • Seferovic 5.0 – O suíço vive numa constante montanha-russa. É certo que é o melhor marcador da Liga com 18 tiros certeiros, mas se marcasse metade das ocasiões que desperdiça o número seria certamente mais elevado. Hoje, foram duas oportunidades flagrantes falhadas – Expected Goals (xG) de 0,8.

GoalPoint

PARTILHAR

RESPONDER

Vulcão, La Palma

O Cumbre Vieja também tem negacionistas. "É tudo orquestrado"

Nos últimos dias, as redes sociais têm-se tornado o palco dos "negacionistas dos vulcões" que defendem que, por trás da erupção do Cumbre Vieja, há mão humana. Nas redes sociais já há negacionistas do vulcão Cumbre …

Selecção da Lituânia falhou os Mundiais porque...chegou atrasada

Per Strand venceu, António Morgado ficou em sexto, mas os ciclistas da Lituânia acabaram por marcar a prova de estrada de juniores, nos Mundiais em Flandres. Per Strand Hagenes é o novo campeão mundial júnior de …

Gil Vicente 1-2 Porto | Dragão canta de galo com dois golaços

Foi sofrer até ao fim. Sérgio Conceição tinha alertado que não seria fácil bater o Gil Vicente e foi isso que ocorreu na noite desta sexta-feira em Barcelos. O FC Porto apenas a um minuto dos …

Na II Guerra Mundial, um erro "humilhante" destruiu dois imponentes navios de guerra da Marinha Real

No dia 10 de dezembro de 1941, os japoneses afundaram os imponentes Prince of Wales e Repulse. A culpa foi do almirante Thomas Phillips que, na sequência de um "erro humilhante", acabou também por falecer. Winston …

O robô Atlas, da Boston Dynamics, faz parkour (e até dá um mortal para trás)

O Atlas é, sobretudo, um projeto de investigação: um robô que ajuda os engenheiros da Boston Dynamics a trabalhar em melhores sistemas de controlo e perceção. O parkour é um verdadeiro desafio para os seres humanos, …

Na Tailândia, um "cemitério" de táxis foi transformado numa horta sobre rodas

Desde pimentos a pepinos, beringelas e até mangericão. Num parque de estacionamento ao ar livre em Banguecoque, os táxis abandonados transformam-se em hortas para alimentar os trabalhadores. A pandemia de covid-19 obrigou os táxis de Banguecoque …

Morreu o "último nazi" canadiano, aos 97 anos

Um ucraniano que serviu como tradutor no regime nazi morreu na quinta-feira na sua casa, em Ontário, no Canadá, encerrando uma luta de décadas para deportá-lo e acusá-lo de cúmplice no assassinato de dezenas de …

No Sri Lanka, elefantes traficados foram resgatados. Mas voltaram às pessoas que os compraram ilegalmente

Um tribunal do Sri Lanka devolveu elefantes resgatados a pessoas influentes que foram acusadas de os terem comprado ilegalmente. Durante alguns anos, elefantes selvagens permaneceram na corda bamba de uma intensa batalha de custódia judicial entre …

Sporting 1-0 Marítimo | Porro volta a decidir de penálti

Que sofrimento! É normal ver os “grandes” dominarem por completo os seus adversários, mas nesta partida entre Sporting e Marítimo, em Alvalade, praticamente só houve uma equipa a atacar e a procurar o golo. Ainda assim, …

A falhar pagamentos e com 260 mil milhões de dívida - como é que a Evergrande chegou até aqui?

A situação da imobiliária chinesa Evergrande, que tem uma dívida maior do que a economia portuguesa, está a deixar o mundo ansioso sobre uma eventual repetição da história da crise de 2008, que começou com …