Afinal, os cães não descenderam de uma, mas de duas espécies de lobos

São das companhias mais frequentes nas casas dos portugueses, mas a verdade é que a sua origem não poderia ser mais distinta e, até, perigosa. Na realidade, os cães modernos estão diretamente relacionados com duas espécies de lobos antigos, um da Ásia e outro da Europa, de acordo com um estudo que analisou ADN antigo.

A partir das conclusões alcançadas, foi colocada a hipótese dos cães descenderem de lobos cinzentos eurasiáticos (Canis lupus lupus). No entanto, a história de quando e onde estes foram domesticados ainda está envolta em mistério.

A investigação foi levada a cabo por Anders Bergstrom, do Instituto Francis Crick, no Reino Unido, e dos seus colegas. Foi neste âmbito que analisaram o ADN de 72 restos de lobos esqueléticos encontrados na Europa, Sibéria e noroeste da América, alguns dos quais com 100.000 anos de idade.

A equipa sequenciou o ADN destes antigos lobos e comparou-o ao genoma dos cães atuais. Eles esperavam descobrir se algum destes antigos lobos estava mais relacionado com os cães modernos do que os outros. Esta relação dará aos investigadores uma ideia mais concreta do quanto os cães evoluíram. “Esta é uma das maiores questões da pré-história humana”, diz Bergstrom.

A equipa não encontrou o referido lobo neste estudo, mas descobriu que os cães modernos eram mais geneticamente semelhantes aos lobos antigos na Ásia do que os europeus. Bergstrom argumentou que não podiam ser mais específicos do que isso, uma vez que não têm amostras suficientes de lobos antigos. “Ainda há grandes partes do mapa onde não temos muitas amostras“, diz Bergstrom.

Isto tem a ver com o facto de o ADN ser preservado durante mais tempo em climas mais frios, justiica. A maioria das amostras que a equipa estudou vieram do hemisfério norte e foram encontradas em cavernas, que preservam melhor o material genético. Bergstrom diz que o antepassado direto dos cães modernos está provavelmente na Ásia. “Estará algures onde ainda não temos quaisquer amostras”, sustena.

Os resultados também apoiam investigações anteriores que sugerem que os cães modernos podem ter uma dupla herança. Anteriormente, descobriu-se que os primeiros cães em lugares como Israel e o continente africano estavam intimamente relacionados com antigos lobos europeus, ao contrário dos cães encontrados na Sibéria, nas Américas e na Europa.

Isto sugere que os lobos contribuíram com ADN para os cães que chegaram a esta região, diz Bergstrom. Isto pode significar que os cães foram domesticados independentemente no leste e no oeste e mais tarde fundidos, ou podem ter sido primeiro domesticados na Ásia e depois reproduzidos com lobos no oeste.

De facto, todos os cães modernos parecem ter agora esta dupla herança. Os primeiros cães que foram encontrados a ter esta dupla ancestralidade têm 7000 anos e foram encontrados em Israel. Mas esta ancestralidade dos lobos europeus poderia ter chegado muito antes na região e nós simplesmente não temos as amostras para o provar, diz Bergstrom. “O ideal seria termos um cão de Israel com 15.000 anos de idade“, diz ele.

“Embora estudos anteriores também tenham postulado o envolvimento de lobos ocidentais ou orientais – ou de ambos – como antepassados dos cães modernos, este grande estudo – embora longe de definitivo – aponta novamente o equilíbrio para o leste“, diz Keith Dobney na Universidade de Sidney, na Austrália.

“Frustrantemente, ainda não estamos mais perto de identificar as atuais – agora quase certamente extintas – antigas populações de lobos que são os antepassados diretos dos nossos papas. A caça ainda está a decorrer para as amostras de armas fumegantes“.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.