/

Afinal, o início do Universo pode nunca ter realmente existido

14

Investigador português da Universidade de Liverpool partiu da teoria dos conjuntos causais para pôr em causa alguns dos conceitos mais importantes na complexa evolução do Universo.

A ideia de que o nosso universo foi criado através de uma explosão massiva que deu forma a tudo o que hoje conhecemos — e como conhecemos — pode, afinal, estar errada e quem o vem afirmar é um português que tem a sua teoria muito bem estudada e fundamentada. No seu trabalho, Bruno Bento, investigador da Universidade de Liverpool, aplicou uma nova teoria quântica da gravidade, a chamada teoria dos conjuntos causais, segundo a qual o tempo e o espaço são considerados de forma separada, ou seja, são divididos em pedaços discretos de tempo-espaço.

Segundo essa teoria, em algum ponto tem de existir uma unidade fundamental de espaço-tempo. Como tal, Bento e os seus colaboradores partiram da teoria de conjunto causal para explorar o início do Universo. Uma das conclusões a que chegaram é que é bem possível que o o Universo não tenha tido um início, ou seja, tenha existido sempre, no passado, e evoluído mais recentemente para o que ficou universalmente conhecido como Big Bang.

Fiquei emocionado quando encontrei esta teoria, que não tenta apenas ser o mais fundamental possível — apresentando-se como uma abordagem à gravidade quântica que repensa a noção do espaço-tempo — mas que também dá um papel central ao tempo e ao que significa a sua passagem”, explicou ao investigador à revista Live Science.

Para Bruno Bento, a teoria de conjunto causal tem naturalmente implicações importantes para a natureza do tempo, área em que se especializou. “Uma parte significativa da filosofia do conjunto causal diz-nos que a passagem do tempo é algo físico, que não deve ser atribuída a algum tipo emergente de ilusão ou a algo que acontece dentro dos nossos cérebros que nos faz pensar que o tempo passa; essa passagem, em si, é uma manifestação da teoria física.”

“Desta forma, na teoria dos conjuntos causas, um dos conjuntos dará origem a um ‘átomo‘ de cada vez e ficará cada vez maior“, acrescentou.

A abordagem do conjunto causal remove nitidamente o problema da singularidade do Big Bang porque, na teoria, as singularidades não podem existir. É impossível que a matéria se comprima em pontos infinitamente minúsculos — eles não podem ficar menores do que o tamanho de um átomo do espaço-tempo.

Portanto, sem uma singularidade do Big Bang, como é o início do nosso Universo? Foi aí que Bento e seu colaborador, Stav Zalel, aluno de pós-graduação do Imperial College London, pegaram o fio, explorando o que a teoria dos conjuntos causais tem a dizer sobre os momentos iniciais do universo.

O trabalho do investigador português e da sua equipa, da qual resultou um paper, foi publicado no final de setembro na base de dados arXib, estando ainda à espera de ser publicado também numa publicação científica que exija a revisão por pares. O documento visa “analisar se o início deve existir à luz da abordagem do conjunto causal”, explicou o investigador.

“Na formulação e dinâmicas originais, falando de forma clássica, um conjunto causal cresce do nada para o Universo que conhecemos hoje. Em vez disso, no nosso trabalho, o Big Bang não seria o início, já que o conjunto causal estaria no passado, por isso existiria sempre antes.” O trabalho em causa quer, então, indicar que o Universo pode não ter tido início — que sempre existiu, simplesmente. O que nós entendemos pelo Big Bang é que este pode ter sido apenas um momento particular na evolução deste “sempre existente” conjunto causal, não um verdadeiro início.

Perante as conclusões apresentadas, é possível dizer que há ainda muito trabalho por ser feito, ainda assim, já que não é ainda claro se esta abordagem de “início não real” causal pode ser compatível com as teorias da física que frequentemente são usadas para explicar a complexa evolução do Universo durante o Big Bang.

“As pessoas podem-se perguntar se esta abordagem de conjuntos de causalidade pode ser interpretada de forma “razoável” ou o que é que esta dinâmicas podem representar para um âmbito mais alargado, mas nós mostramos que isto é efetivamente possível”, explicou Bruno Bento. “Pelo menos matematicamente, isto é possível.”

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

  ZAP //

14 Comments

      • “de á séculos” que é como quem diz: de há séculos…
        Quanto ao resto, estou de acordo. Na ciência não há dogmas. Tudo pode ser questionado e deve mesmo ser questionado desde que devidamente justificado, argumentado. Pode ser que se faça história. Será sempre feita, nem que seja por nesta data ter surgido uma teoria alternativa falhada. O tempo e os argumentos o dirão.

        • Se o Universo pode não ter existido inicialmente, como é que existe atualmente? Para existir, e ter dado forma aos seus mais diversos elementos, teve uma origem, que nunca nenhum cientista ou maluco poderá negar.
          Cumprimentos

          • Isso partindo do pressuposto que tudo tem um início e um fim. Também os Portugueses quando iam nas primeiras viagens viam monstros e sereias. Dê tempo ao tempo e não pretenda simplificar algo necessariamente complexo.

            • Lá vai o senhor começar com filosofias. Uma coisa tem de ter início, porque, se não o tiver, não existe, já que não existia antes do seu início.

  1. Quer dizer que o universo, tal como o conhecemos, é Deus, que sempre existiu, é origem e destino de tudo o que foi criado?

  2. Parece-me mais simples do que isso.
    O que a teoria sublinha é que, havendo a hipótese de um ‘Big Bang’ teria de haver sempre uma causa para o mesmo e que essa só poderia ter origem num ‘passado’, na linha espaço temporal.
    Logo, por inerência, o ‘Big Bang’ nunca poderia ser o início.
    Mas isto é apenas teórico e a explicação de ‘Deus’ é muito mais agradável e fácil de aceitar. 🙂

    • Resposta 5 estrelas.
      Parabéns.
      Em minha opinião seria bom pensar-se realmente muito bem antes de meter Deus num “cabo de trabalhos”,
      P’ró Sr. Furtado….
      Importa-se de me elucidar ??
      E quem criou Deus?
      Cumprimentos. (ponto)

  3. Um colega de carteira liceal, depois amigo e mais depois cientista de reputação, disse-me qualquer coisa como: “Não sabemos nada, fingimos que sabemos e usamos teorias convencionais para suportar a nossa ignorância”. O “bing bang” é uma dessas convenções, presumimos, pouco sabemos. Nada sabemos sobre o espaço e o tempo, das suas relações causais ou não, ninguém sabe o que é o Tempo, ninguém sabe o que é o Espaço. Esta teoria tem um certo mérito, afasta-se da teoria convencional, questiona-a, já não é pouco. O “big bang” existiu, mas não passou de um episódio mais ou menos localizado no espaço e no tempo, para haver energia tem que haver matéria, o “Nada” é insustentável do ponto de vista cientifico: o espaço e o tempo sempre existiram. E sempre existirão por muitos episódios, “big bangs” regionais que aconteçam.

  4. A meu ver, o tecido espacial é, de facto, composto por átomos de espaço ou parcelas mínimas de espaço; esses átomos terão o chamado “volume de Planck” ( ~1X10 ^ – 99 cm3). O espaço, por dedução lógica, é feito de nada puro na sua essência, porque as partículas materiais para se moverem precisam de ocupar sucessivamente espaços vazios puros para o fazerem. Nenhuma partícula pode ocupar um espaço ocupado por outra partícula; não pode haver absoluta sobreposição particular. O Tempo também tem um valor mínimo ( átomo de tempo) que é o ” Tempo de Planck” (~1 X 10 ^ – 43 s). Se dividirmos o comprimento de Planck ( ~ 1X 10 ^ – 33 cm) pelo tempo de Planck, obtemos a velocidade da luz (C). Da mesma forma que Einstein dizia que a gravidade não é uma força mas sim uma manifestação da distorção espaço-tempo, eu diria que o Tempo é uma manifestação do movimento ou energia cinética. O Segundo ( Unidade de tempo) corresponde a mais de 9 mil milhões de oscilações de um átomo de Césio (isótopo). Ora, o que é uma oscilação senão deslocação, movimento ou energia cinética. O que são, aproximadamente, 24 horas senão uma rotação completa do planeta Terra. Cá está, o Tempo é a resultante do movimento do quer que seja.

  5. Por falar em filosofia, a teoria do eterno retorno era central no pensamento de Nietzsche. A matéria é finita no universso sendo a dimensão temporal infinita concluíu que nunca existiu início nem que alguma vez vá acabar. Sendo assim Início e Fim são duas categorias que limitam a compreensão do cosmos.
    Big Bang; como leigo, nunca conseugui encontrar ponto para a mínima convicção…

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.