Afinal, não houve pausa no aquecimento global entre 1998 e 2014

Um estudo divulgado na quarta-feira negou a existência de uma alegada pausa no aquecimento global entre 1998 e 2014, confirmando um estudo controverso sobre as temperaturas dos oceanos datado de 2015.

No estudo agora publicado na revista científica Science Advances, os cientistas da Universidade da Califórnia, nos EUA, e da Universidade de York, no Reino Unido, corroboraram os resultados do relatório de 2015 da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, na sigla em inglês).

O estudo da norte-americana NOAA tinha demonstrado que a teoria de que teria havido um hiato no aquecimento global estava errada, devendo-se apenas a uma alteração do método de medição das temperaturas da superfície do mar, que passou a ser através de boias e não de navios.

Segundo a agência norte-americana, as boias registam temperaturas ligeiramente mais baixas do que os sistemas antigos, baseados em barcos, pelo que a mudança de método tinha escondido algum do aquecimento real entre 1998 e 2014.

A conclusão provocou então a indignação de alguns cientistas, que insistiram ter havido de facto um “hiato no aquecimento global” e de críticos que consideram o aquecimento global uma farsa.

A Câmara dos Representantes, nos EUA, controlada pelo partido Republicano, pediu mesmo aos cientistas da NOAA que fornecessem aos legisladores as suas trocas de correspondência sobre a investigação.

A agência estatal aceitou disponibilizar dados e responder a questões científicas, mas recusou-se a disponibilizar os emails dos autores do estudo, uma decisão aplaudida pelos cientistas, que temiam interferência política.

“Os nossos resultados mostram que essencialmente a NOAA acertou”, disse Zeke Hausfather, autor principal do novo estudo.

Num relatório publicado em setembro de 2013, o Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas concluiu que o aquecimento global médio entre 1951 e 2012 tinha sido de 0.12 graus centígrados por década, mas entre 1998 e 2012 tinha ficado nos 0,07 graus centígrados, indicando um “hiato no aquecimento global”.

A análise de 2015 da NOAA, ajustada para corrigir o desvio provocado pelas medições com boias, concluiu que não havia um abrandamento detetável no aquecimento nos últimos 15 anos.

No artigo publicado então na revista Science, os cientistas da NOAA escreveram que os oceanos tinham de facto aquecido 0,12 graus Celsius por década desde 2000, quase o dobro da estimativa original de 0,07 graus.

Os novos números levaram a taxa de subida da temperatura do oceano a ficar em linha com as estimativas para os 30 anos anteriores, entre 1970 e 1999.

O novo estudo usa dados independentes de satélites e flutuadores Argo, um sistema mundial de localização e recolha baseado em satélites, assim como de boias.

A temperatura da superfície dos oceanos tem sido reconhecida como um indicador do aquecimento global e os dados recolhidos em diversas medições têm registado consistentemente uma taxa crescente de aquecimento.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Na África do Sul, há uma associação entre violência sexual e gravidez indesejada

Na África do Sul, as meninas que sofreram violência sexual têm maior probabilidade de relatar uma gravidez indesejada em comparação com aquelas que nunca sofreram violência sexual. Na África do Sul, a taxa de gravidez na …

Hackers russos associados ao ataque em hospital alemão que resultou na morte de uma paciente

O ataque informático num hospital alemão na semana passada, que resultou na morte de uma paciente em estado crítico, pode ter sido causado por um grupo russo com ligações ao crime cibernético. A informação é …

Paços 0-2 Sporting | “Leão” competente estreia-se com triunfo

Após o adiamento do jogo da primeira jornada ante o Gil Vicente, devido a vários casos de Covid-19 nas duas equipas, o Sporting estreou-se na Liga NOS 2020/21 e não vacilou. Na visita ao Paços de …

Medicamentos para a tensão arterial diminuem mortalidade em doentes com covid-19

Um estudo de meta-análise concluiu que medicamentos para a tensão arterial, ao contrário do que se pensava, reduzem a mortalidade em pacientes com covid-19. No início da pandemia, havia a preocupação de que certos medicamentos para …

A ilha mais povoada do Hawai pode perder 40% das suas praias até 2050

A subida do nível das águas do mar pode fazer com que a ilha mais povoada do Havai perca 40% das suas praias, alerta uma nova investigação. Em causa está a ilha de Oahu, a …

Pela primeira vez em 10 anos, a Wikipédia vai mudar de aparência

A icónica Wikipédia vai, pela primeira vez em 10 anos, ser modificada para tornar o site mais acessível - e menos "assustador" - para novos utilizadores. A Wikipédia tem sido parte integrante da cultura da web …

Encontrados medicamentos ilegais em suplementos para o cérebro

Cientistas encontraram medicamentos ilegais, não aprovados nos Estados Unidos, em suplementos que alegadamente melhoram o desempenho cognitivo. Clareza mental, criatividade aprimorada e uma memória extremamente nítida são algumas das promessas feitas a quem compra suplementos de …

Voluntários oferecem-se para cumprir pena de jovem acusado de blasfémia

Num ato de solidariedade, 120 voluntários pediram para cumprir a pena de um jovem nigeriano condenado a 12 anos de prisão por blasfémia. Entre os voluntários está o diretor do Memorial de Auschwitz. Ao todo, 120 …

ADN ajuda a identificar assassino em série num dos mais infames casos da Austrália

Uma amostra de ADN ajudou a justiça australiana a considerar um homem como culpado pelo assassinato de duas mulheres na década de 1990, encerrando um caso que permaneceu sem solução durante quase 25 anos. Durante quase …

Mais 665 casos e nove mortes por covid-19 em Portugal

Portugal regista, este domingo, mais 665 novos casos positivos e nove mortes por covid-19, segundo boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Assim, desde o início da pandemia, Portugal conta com 73.604 infetados e 1.953 …