ADN dos neandertais ainda tem impacto nas pessoas modernas

Erich Ferdinand / Flickr (OD)

O Homem do Neandertal

O Homem do Neandertal

Um grupo de investigadores descobriu que os genes dos Neandertais, que morreram há 42 mil anos, ainda têm impacto na nossa biologia atual.

Gostava de ser alto como os holandeses? Afinal de contas, eles são o povo mais alto do mundo e há uma série de hipóteses para o explicar. Um novo estudo publicado por investigadores da Escola de Medicina da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, revela que os Neandertais podem ter algo a ver com isso.

Os Homo neanderthalensis, nossos primos ancestrais que morreram há 42 mil anos, adoravam “namorar” com os H. sapiens. Essa interação trouxe muitas consequências para a troca de genes e, por isso, grandes grupos da população atual ainda têm parte do genoma dos Neandertais.

O estudo, publicado na revista Cell, foi feito por uma equipa de geneticistas que queriam saber se alguns desses genes são inativos nos seres humanos modernos ou se ainda têm uma função ativa na nossa biologia atual.

O resultado, de acordo com a pesquisa, é que esses genes afetam a forma como outros genes se comportam ou se expressam. Essa influência é tão frequente que características como resistência a doenças ou a altura são afetados.

“Mesmo 50 mil anos depois do último cruzamento entre um humano e um Neandertal, ainda podemos ver impactos mensuráveis na expressão genética”, diz o co-autor do estudo, Joshua Akey.

Descobrir qual a quantidade do genoma de uma pessoa que provém dos Neandertais não é algo muito complicado. A grande dificuldade desta pesquisa é conseguir isolar genes individuais e ligá-los a características físicas dos participantes do estudo.

Para superar este problema, apenas pessoas com um genoma muito específico foram estudadas: aquelas que carregam tanto as versões humana quanto dos Neandertais de cada gene, sendo que um vem do pai e um da mãe. Assim, os investigadores puderam comparar diretamente a forma como esses alelos se expressaram.

A equipa descobriu que, em 25% de todas as comparações, os alelos dos Neandertais expressaram-se de uma forma diferente dos equivalente aos humanos. Isso sugere que, num quarto das ocasiões, os genes Neandertais têm um impacto direto nas características físicas da pessoa.

Vejamos alguns exemplos: o alelo Neandertal do gene ADAMTSL3 diminui os riscos de desenvolvimento de esquizofrenia nas pessoas que os têm. Esse alelo também parece influenciar a altura até certo ponto. Outro deles, o CEP72, influencia as probabilidades de ter fibrose cística. Já o INTS12 está ligado à circulação sanguínea dos pulmões.

“A Hibridização não é algo que aconteceu há 50 mil anos e que não temos mais que nos preocupar. Esses pequenos pedaços, as nossas relíquias Neandertais, ainda estão a influenciar a expressão genética de uma forma importante”, argumenta Akey.

O próximo trabalho da equipa vai envolver os hominídeos de Denisova, outra espécie Homo que viveu há um milhão e 40 mil anos em áreas onde também viviam homens de Neandertal e Homo sapiens.

PARTILHAR

RESPONDER

Há uma forma de reduzir erros na computação quântica (e já sabemos qual é)

Na computação quântica, assim como no trabalho em equipa, um pouco de diversidade pode ajudar a melhorar o resultado. Esta pode mesmo ser a chave para pôr fim aos erros na computação quântica. Ao contrário dos …

Coimbrões 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto venceu hoje o Coimbrões, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal que os «dragões» resolveram com três golos nos 12 minutos iniciais. Aproveitando a inexperiência e nervosismo da formação …

Produção de filmes em Hollywood é um inimigo silencioso do ambiente

Hollywood é casa para a maioria dos grandes filmes produzidos que estreiam nas salas de cinema espalhadas por todo o mundo. Contudo, consegue ser bastante prejudicial para o meio ambiente e, mais do que nunca, …

O escorbuto era uma doença comum entre piratas, mas pode estar de regresso

O número de casos de escorbuto no Reino Unido mais do que duplicou nos últimos anos. A desnutrição é um dos principais responsáveis pelo regresso desta doença. O escorbuto está em ascensão no Reino Unido e …

Dois veleiros robotizados vão medir alterações climáticas no Atlântico

Dois veleiros de navegação robotizada vão medir, durante os próximos quatro meses, a pegada das mudanças climáticas no oceano Atlântico e irão passar pela Madeira e Cabo Verde. A Plataforma Oceânica das Canárias (PLOCAN) libertou esta …

A educação científica está sob ataque legislativo nos Estados Unidos

São inúmeros os professores de ciências que trabalham diariamente nas escolas públicas dos Estados Unidos para garantir que os alunos estão equipados com o conhecimento teórico e prático necessário para enfrentar o futuro. No entanto, …

João Félix saiu lesionado com gravidade no jogo contra o Valência

João Félix, avançado português do Atlético de Madrid, saiu este sábado lesionado com "forte torção no tornozelo direito", ao minuto 78 do jogo contra o Valência, da nona jornada da Liga espanhola de futebol, disputado …

As traças ficaram mais escuras por causa da Revolução Industrial? Cientistas já sabem a resposta

No virar do século XIX, na Grã-Bretanha, traças de todo o país começaram a ficar gradualmente mais escuras em resposta à forte poluição provocada pela Revolução Industrial. A Revolução Industrial foi um período de grandes transformações …

Mais de mil médicos foram alvo de processos disciplinares. 45 foram condenados, nenhum foi expulso

Mais de 1.070 processos disciplinares a médicos foram abertos no ano passado pelos conselhos disciplinares da Ordem, tendo sido condenados 45, segundo dados este sábado divulgados. Segundo os dados da Ordem dos Médicos, os conselhos disciplinares …

Publicar no Instagram rende mais a Ronaldo do que jogar na Juve

As publicações pagas no Instagram rendem mais a Cristiano Ronaldo do que jogar na Juventus, revela um estudo do Buzz Bingo. O internacional português foi a personalidade mais bem paga neste rede social em 2018. De …