/

Cientistas alertam: as abelhas vão desaparecer em breve

5

O desaparecimento massivo das abelhas, causado pelas alterações climáticas, poderia ser catastrófico também para os humanos, podendo levar até à fome a nível mundial.

O aquecimento global poderá ser a principal causa da extinção massiva das abelhas em todos os continentes da Terra nos próximos anos, advertem cientistas da Universidade Northwestern, no estado norte-americano do Illinois.

De acordo com o estudo, cujas conclusões foram publicadas no site The Earth Chronicles of Life, o investigador Paul CaraDonna e os colegas criaram pequenas colmeias de madeira e colocaram-nas numa zona árida e montanhosa do Arizona, região onde cada vez há menos abelhas selvagens (Osmia ribifloris), as principais polinizadoras de mirtilo.

Para perceber o que acontece quando a temperatura sobe e prever as condições que poderemos ter de 2040 a 2099, os especialistas pintaram algumas colmeias de preto para que aquecessem, enquanto que outras pintaram de branco para recriar um ambiente mais fresco, o que existiria em meados do século passado.

Em dois anos, quase todas as abelhas que viviam nas colmeias pretas morreram: cerca de 35% no primeiro ano e 70% das sobreviventes no segundo. Por outro lado, nesse período, só morreram, antes de conseguirem reproduzir-se, entre 1% a 2% dos exemplares que viviam nas colmeias brancas.

Possível situação “catastrófica”

Os cientistas explicam que as altas temperaturas dentro das colmeias “enganam” as abelhas e não lhes permitem hibernar de forma plena, queimando mais rapidamente as suas reservas de gordura e, na primavera, despertam num “estado muito débil”.

Nos próximos anos, se as temperaturas do nosso planeta continuarem a aumentar, a situação poderia ser “catastrófica” e até provocar o desaparecimento total das abelhas, uma vez que se vão encontrar “fora dos seus limites fisiológicos”, afirma CaraDonna.

O autor principal desta investigação, publicada na quinta-feira na revista científica Functional Ecology, recorda que a extinção das abelhas prejudicaria os ecossistemas de todo o mundo e isso poderia provocar a fome mundial, já que estes animais polinizam a maior parte das áreas de cultivo.

Nos últimos anos, os cientistas notaram um declínio significativo no número de abelhas em todos os continentes, exceto na Antártida, onde estes animais simplesmente não existem: uma descida entre 25% a 30%.

  ZAP // RT

5 Comments

  1. Tal como o Português ou a Matemática a Agricultura e a Apicultura deveriam ser disciplinas obrigatórias nas escolas. Dá que pensar quando leio estas notícias, que adianta saber falar e contar se hoje muitos já não sabem cultivar nem terão o que comer. Se calhar é importante voltar ao ciclo inicial.

    • Falar e contar também dá jeito para aprender apicultura e agricultura. Mas de resto, de acordo. Essas disciplinas de contacto directo com a antureza e os seus ciclos, deveria ser obrigatória.

  2. Este noticia é disparatada não só porque se as temperaturas subirem a flora vai aparecer mais cedo, como pelo facto de hoje em dia se fazer reprodução artificial de rainhas possibilitando fazer milhares de enxames em pouco tempo. Este alarmismo vem a par com uma campanha da AVAAZ do George Soros e trás água no bico!

  3. Ao desaparecerem sem elas a nossa existência também vai desaparecer podem ter a certeza disso … pensei só um bocadinho humanidade só um bocadinho que não seja em vós próprios,façam esse pequeno esforço
    OBRIGADA.

  4. A apicultura e a meliponicultura deveria receber algum tipo de ajuda financeira do governo, para incentivar os criadores a se manter na atividade mas ocorre ao contrário cada ano que passa os produtos feitos pelas abelhas é mais desvalorizado fazendo muitos criadores abandonar a profissão e cada vez mais diminuindo as abelhas do mundo, almenta o número de pessoas e o desmatamento se torna obrigatória para poder plantar alimentação e construir casas e as abelhas sem árvores para poder morar o único jeito de manter as abelhas é através de meliponarios e apiarios mesmo

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.