A Terra passou 500 milhões de anos a criar e a comer continentes mortos

Tim Bertelink / Wikimedia

Impressão de artista mostra como a superfície da Terra poderia ter sido durante o Hadean

Um novo estudo revela que, quando a Terra era ainda muito jovem, deu origem a muitos continentes. Depois, engoliu-os, deixando para trás alguns vestígios.

Uma equipa de cientistas da Universidade Monash, na Austrália, descobriu que os continentes eram fracos e sujeitos à destruição na sua infância, uma descoberta que permitiu aos cientistas lançarem novas luzes sobre o início da história do nosso planeta.

De acordo com o Live Science, a investigação mostra que os primeiros continentes “morriam” muito jovens, abrindo caminho a continentes mais sólidos que, eventualmente, levaram ao surgimento das placas tectónicas.

“Os nossos resultados explicam que os continentes permaneceram fracos e sujeitos à destruição durante a sua infância, de 4,5 a [aproximadamente] quatro mil milhões de anos atrás. Progressivamente, diferenciaram-se e tornaram-se rígidos ao longo do próximo milhar de milhão de anos para formar o núcleo dos continentes modernos”, explicou Fabio Capitanio, principal autor do estudo.

Os continentes têm sido mais ou menos estáveis durante centenas de milhões de anos. No entanto, a história inicial da Terra, que cobre o seu primeiro 1,5 milhar de milhão de anos, permanece quase desconhecida.

“Esta foi a época da formação dos primeiros continentes, o surgimento do terreno, o desenvolvimento da atmosfera primitiva e o surgimento da vida primordial, todos resultado da dinâmica do interior do nosso planeta. A libertação de calor primordial interno, três a quatro vezes maior do que a atual, causou grande derretimento no manto raso, que foi expulso como magma [rocha derretida] para a superfície da Terra”, explicou Capitanio.

Segundo a equipa, o manto raso deixado por esse processo ficou desidratado e rígido e formou as quilhas dos primeiros continentes, fracos e sujeitos à destruição durante a sua infância.

“O registo geológico sugere que os primeiros continentes não sobreviveram e foram reciclados no interior do planeta, mas essa tendência inverteu-se dramaticamente há aproximadamente quatro mil milhões de anos, quando o pedaço mais duradouro dos continentes, os cratões, apareceu”, acrescentou Capitanio ao Live Science.

O estudo, publicado no dia 2 de dezembro na Nature, explica ainda os enigmáticos graus de derretimento e as estruturas em camadas observadas na maioria dos cratões na Terra e lança luzes sobre a formação dos supercontinentes e sobre a sua fragmentação nos continentes atuais.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Estas formigas encolhem o cérebro para se tornarem rainhas

Cientistas descobriram que as formigas saltadoras indianas reduzem o tamanho do seu cérebro para terem a oportunidade de se tornarem rainhas (e que são capazes de reverter esta mudança quando é preciso). Há muito que …

O "fantasma" de Sócrates pairou no aniversário do PS, mas ninguém o mencionou

O secretário-geral do PS, António Costa, homenageou esta segunda-feira, dia do 48.º aniversário do partido, os primeiros 115 autarcas socialistas eleitos em 1976 e afirmou que os militantes do partido são mais importantes do que …

"Sem paralelo em qualquer outra experiência externa". Marcelo elogia reuniões no Infarmed

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considera que as reuniões do Infarmed, que juntam especialistas, líderes políticos e parceiros sociais, são realizadas “num quadro político e institucional sem paralelo em qualquer outra experiência …

Fotografia da NASA demonstra Teoria da Relatividade Geral de Einstein

O aglomerado Abell 2813 tem tanta massa que atua como uma lente gravitacional, fazendo com que a luz de galáxias distantes se curve à sua volta. A lente gravitacional acontece quando a massa de um objeto …

Astrónomos descobrem uma super-Terra perto de uma estrela gelada

Uma equipa de investigadores descobriu uma super-Terra a orbitar GJ 740, uma estrela anã fria localizada a cerca de 36 anos-luz do nosso planeta. Nos últimos anos, os cientistas têm levado a cabo uma busca exaustiva …

Já pode "adotar" um pedaço de Notre-Dame para ajudar na sua reconstrução

Uma organização está a dar a oportunidade de o público ajudar na reconstrução de artefactos específicos da catedral de Notre-Dame, em França, que foi parcialmente destruída por um incêndio em 2019. De acordo com a cadeia …

Proporção divina identificada na gerbera

Descobrir como se formam os padrões distintos e omnipresentes das cabeças das flores tem intrigado os cientistas há séculos. Quando se pede a alguém que desenhe um girassol, quase todas as pessoas desenham um grande círculo …

Audi apresenta o novo Q4 e-tron que traz uma autonomia até 520 km

Ainda antes do verão, a Audi vai colocar no mercado o seu primeiro SUV elétrico concebido de raiz e não adaptado a partir de uma plataforma concebida para motores a combustão. O Q4 e-tron destaca-se pela …

Vanuatu em alerta depois de um corpo com covid-19 ter dado à costa

Vanuatu proibiu viagens de e para a sua principal ilha três dias depois de ter dado à costa um corpo de um pescador filipino, que testou positivo à covid-19. De acordo com a Radio New Zealand, …

Cientistas russos querem criar a primeira vacina comestível contra a covid-19

O Instituto de Medicina Experimental de São Petersburgo, na Rússia, anunciou o seu plano de concluir dentro de um ano os testes pré-clínicos da primeira vacina comestível do mundo contra o novo coronavírus. Em entrevista à …