A Terra acabou de ter o dia mais curto de sempre

Um fenômeno conhecido como ‘Chandler Wobble’ pode estar a ter impacto na velocidade de rotação do planeta, dizem os especialistas.

Foi um fenómeno que certamente passou despercebido à grande maioria da população mundial, mas nem por isso deixa de ser um marco histórico.

A 29 de junho, a Terra registou o seu dia mais curto desde que há registos: 1,59 milissegundos a menos do que o habitual movimento de rotação, deixando em perspetiva a necessidade de um segundo salto negativo para manter os relógios em linha com os céus.

Normalmente, a velocidade média de rotação da Terra diminui ao longo do tempo. Como tal, os guardiões do tempo têm sido forçados a acrescentar 27 segundos ao tempo atómico desde os anos 70, à medida que o movimento do planeta abranda.

Mas desde 2020, o fenómeno inverteu-se – com os recordes de velocidade a serem frequentemente quebrados nos últimos dois anos.

O dia mais rápido anteriormente registado foi de -1,47 milissegundos em menos de 24 horas, em 19 de julho de 2020. Foi quase quebrado novamente a 26 de julho, quando o dia foi -1,50 milissegundos mais curto.

Embora o efeito seja demasiado pequeno para ser perceptível pelos humanos, este pode acumular-se ao longo do tempo, impactando potencialmente os modernos sistemas de comunicação e navegação por satélite que dependem do tempo ser consistente com as posições convencionais do Sol, da Lua e das estrelas.

Significa ainda que em breve poderá ser necessário rever o tempo, acrescentando um segundo salto negativo, e acelerar os relógios globais pela primeira vez. Os cientistas foram deixados intrigados sobre a causa, embora os especialistas tenham sugerido que um fenómeno conhecido como “Chandler Wobble” pode estar a ter um impacto.

A velocidade da rotação da Terra varia constantemente devido ao movimento complexo do seu núcleo fundido, oceanos e atmosfera, bem como o efeito de corpos celestes como a Lua. A fricção das marés e a alteração da distância entre a Terra e a Lua fazem com que a velocidade de rotação do planeta no seu eixo varie diariamente.

O “Chandler Wobble” consiste na mudança no movimento da Terra no seu eixo e normalmente provoca um aumento da rotação da Terra, o que significa que demora mais tempo a completar uma volta. Mas, nos últimos anos, a rotação tem oscilado menos.

Leonid Zotov, do Instituto Astronómico Sternberg da Universidade Estatal de Lomonosov Moscovo, acredita que esta falta de oscilação pode estar por detrás dos dias mais rápidos e apresentará a teoria na próxima semana na reunião anual da Asia Oceania Geosciences Society. “A amplitude normal da oscilação do Chandler Wobble é de cerca de três a quatro metros à superfície da Terra, mas de 2017 a 2020 desapareceu”, apontou o especialista ao website Timeanddate.

No início dos anos 2000, a amplitude do “Chandler Wobble” começou a diminuir e em 2017-20 atingiu um mínimo histórico, tal como a duração do dia começou a encurtar.

O aquecimento global é um pequeno fator que contribui para a diminuição da amplitude do “Chandler Wobble. Outros factores que podem ter um impacto na variação anual incluem a acumulação de neve nas montanhas do hemisfério norte no Inverno e depois o derretimento no Verão. Suspeita-se que o aquecimento global tenha um efeito por derreter o gelo e a neve em elevações mais elevadas, fazendo com que a Terra gire mais rapidamente, mas é considerado como uma contribuição relativamente pequena.

As mudanças na duração de um dia padrão só foram descobertas depois de terem sido desenvolvidos relógios atómicos altamente precisos nos anos 60 e comparados com estrelas fixas no céu. O último salto em segundo lugar foi acrescentado na passagem de ano em 2016, quando os relógios de todo o mundo pararam por um segundo para permitir que a rotação da Terra recuperasse.

O Serviço Internacional de Rotação da Terra, com sede em Paris, monitoriza a rotação do planeta e informa os países quando devem ser acrescentados ou retirados segundos bissextos com seis meses de antecedência. Contudo, o salto de segundo poderia ser anulado no próximo ano, quando a Conferência Mundial de Radiocomunicações decidir se se deve confiar completamente no tempo atómico.

A Grã-Bretanha, por exemplo, opõe-se a esta medida porque cortaria a ligação com o tempo solar. Alguns especialistas acreditam que a necessidade de um segundo salto negativo poderia aumentar a pressão sobre a passagem para o tempo atómico.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.