A poluição do ar impacta mais umas pessoas do que outras. Depende da cor da pele

Vários estudos mostram que as pessoas de cor estão desproporcionalmente expostas à poluição do ar nos Estados Unidos. No entanto, não é claro se essa exposição desigual se deve principalmente a alguns tipos de fontes de emissão ou se as causas são mais sistémicas.

Agora, um novo estudo modelou a exposição das pessoas à poluição do ar – com base em raça/etnia e rendimento – e mostrou que as disparidades de exposição entre pessoas de cor e brancos são causadas por quase todos – e não apenas alguns – os tipos de fontes de emissão.

“Descobrimos que quase todos os setores de emissão causam exposições desproporcionais para pessoas de cor em média”, disse Julian Marshall, professor de engenharia civil e ambiental da Universidade de Washington, em comunicado. “As desigualdades que relatamos são resultado do racismo sistémico: com o tempo, pessoas de cor e poluição foram unidas, não só em alguns casos, mas por quase todos os tipos de emissões.”

A equipa usou um modelo de qualidade do ar para analisar os dados da Agência de Proteção Ambiental para mais de cinco mil tipos de fontes de emissão, incluindo indústria, agricultura, concessionárias de energia elétrica a carvão, muitos tipos de veículos e equipamentos, construção e outras fontes diversas de pequenas emissões.

Cada tipo de fonte estudado contribui para a poluição do ar por partículas finas, definidas como partículas com 2,5 micrómetros ou menos de diâmetro.

Para identificar os padrões de exposição à poluição do ar associados à raça/etnia e rendimento, os cientistas combinaram os padrões de poluição do ar espacial previstos no modelo de qualidade do ar com contagens de população residencial do U.S. Census Bureau.

Para a média da população total dos Estados Unidos em 2014, as exposições à poluição do ar por partículas finas da maioria dos tipos de fontes são maiores do que a média para pessoas de cor e menores do que a média para brancos.

Os resultados indicam que pessoas de raça branca estão expostas a concentrações abaixo da média de tipos de fontes de emissões que, quando combinadas, causam 60% da sua exposição total.

Por outro lado, as pessoas de cor experimentam exposições acima da média de tipos de fonte que, quando combinadas, causam 75% da sua exposição total. Essa disparidade existe ao nível do país, estado e cidade e para pessoas em todos os níveis de rendimento.

“As organizações comunitárias têm sofrido e defendido a injustiça ambiental durante décadas”, disse Christopher Tessum, professor de engenharia civil e ambiental da Universidade de Illinois Urbana Champaign. “O nosso estudo contribui para um corpo de evidências já extenso com a nova descoberta de que não há uma única fonte de poluição do ar, ou um pequeno número de fontes, que respondem por essa disparidade. Em vez disso, a disparidade é causada por quase todas as fontes”.

Os investigadores descobriram que as disparidades de poluição do ar surgem de um conjunto de causas mais sistémico do que se entendia anteriormente.

“Ficamos impressionados com a forma como estas disparidades sistémicas existem para pessoas de cor não só em certos bairros, mas em todas as escalas espaciais nos EUA”, disse Joshua Apte, professor de engenharia civil e ambiental da Universidade da Califórnia. “O problema existe em áreas urbanas e rurais, em muitas regiões distintas dos EUA e para pessoas que vivem em quase todas as cidades americanas.”

Por sua vez, os cientistas alertam que o estudo se foca nas concentrações de poluição do ar externo em locais onde as pessoas residem e não toma em consideração a variabilidade na mobilidade, acesso a cuidados de saúde e taxas de mortalidade e morbidade, entre outros fatores.

“Este novo estudo adiciona contexto ao nosso trabalho anterior, que mostrou que um consumo desproporcional de bens e serviços – que é uma causa subjacente da poluição – aumenta a exposição de pessoas de cor à poluição do ar”, disse Jason Hill, professor de bioprodutos e engenharia de biossistemas na Universidade de Minnesota.

“Alguns presumem que quando há uma disparidade étnico-racial sistemática, a causa subjacente é uma diferença de rendimento”, disse Tessum. “Como os dados mostram que a disparidade atravessa todos os níveis de rendimento, o nosso estudo reforça as descobertas anteriores de que raça, em vez do rendimento, é o que realmente impulsiona as disparidades de exposição à poluição do ar.”

Os investigadores esperam que estas descobertas sejam potenciais oportunidades para lidar com esta persistente desigualdade ambiental.

Este estudo foi publicado em abril na revista científica Science Advances.

Maria Campos, ZAP //

 

 

 

PARTILHAR

RESPONDER

Muco marinho na costa da Turquia ameaça ecossistemas. E é só a ponta do icebergue

Esta semana, a Turquia lançou a maior limpeza marítima da sua história para fazer face à proliferação sem precedentes de muco marinho no Mar de Mármara, um sintoma de um problema ambiental muito maior. Debaixo das …

Fotografia da Rainha Isabel II removida da Universidade de Oxford devido à "história colonial"

Um grupo de estudantes da Universidade de Oxford removeu uma fotografia da Rainha Isabel II da sua área comum devido aos seus laços com a “história colonial”. A atitude gerou uma onda de controvérsia. A imprensa …

Espanha 0-0 Suécia | Muro amarelo trava fúria espanhola

A Espanha e a Suécia empataram hoje 0-0 em jogo da primeira jornada do Grupo E do Euro2020 de futebol, naquela que foi a primeira partida sem golos na competição até ao momento. No estádio La …

Covid-19. Variante indiana causa doença mais grave, dizem médicos chineses

A Delta está a causar doença mais grave e mais rapidamente do que durante a primeira vaga, informaram médicos na zona de Guangzhou, no sudeste da China, onde surgiu um surto recente provocado por esta …

Do café aos brinquedos. Preço do transporte de mercadorias vai atingir a nossa carteira mais cedo do que se pensava

Os preços exorbitantes do transporte de mercadorias pelo mundo poderão atingir a sua carteira mais cedo do que pensa. Mais de 80% de todo o comércio de mercadorias é transportado pela via marítima, mas o alto …

Tal é a qualidade de Portugal, que o treinador da Hungria "podia ser motorista ou roupeiro"

O selecionador da Hungria, o italiano Marco Rossi, afirmou hoje que "até podia ser o motorista ou rapaz dos equipamentos" da seleção portuguesa, tal é a qualidade dos jogadores lusos que vão disputar o Euro2020. “Estamos …

Destroços de avião descobertos no fundo de um lago nos EUA podem pôr fim a um mistério de 56 anos

Trabalhadores que testam equipamentos de investigação subaquática dizem ter encontrado os destroços de um pequeno avião nas profundezas do lago Folsom, na Califórnia. A confirmar-se, podem ter resolvido um mistério com 56 anos. As imagens de …

Norte-americanos envolvidos na fuga de Carlos Ghosn declaram-se culpados

Os dois norte-americanos acusados de ajudarem o ex-presidente da Nissan Carlos Ghosn a fugir do Japão quando aguardava julgamento em liberdade sob fiança declararam-se esta segunda-feira culpados perante a justiça japonesa. De acordo com fontes da …

Enfermeira tentou provar que as vacinas tornam as pessoas magnéticas (mas não correu como previsto)

Na semana passada, a enfermeira negacionista de Ohio Joanna Overholt tentou, durante uma sessão legislativa, provar que as vacinas contra a covid-19 tornam as pessoas magnéticas. Mas não foi bem sucedida. O teste do íman resulta …

Foda e Kostadinov: as recordações à volta do Áustria-Macedónia do Norte

O selecionador da Áustria e um dos jogadores da Macedónia do Norte trouxeram memórias dos anos 90. O jogo entre Áustria e Macedónia do Norte, que terminou com vitória austríaca por 3-1, não estava propriamente na …