A poluição do ar impacta mais umas pessoas do que outras. Depende da cor da pele

Vários estudos mostram que as pessoas de cor estão desproporcionalmente expostas à poluição do ar nos Estados Unidos. No entanto, não é claro se essa exposição desigual se deve principalmente a alguns tipos de fontes de emissão ou se as causas são mais sistémicas.

Agora, um novo estudo modelou a exposição das pessoas à poluição do ar – com base em raça/etnia e rendimento – e mostrou que as disparidades de exposição entre pessoas de cor e brancos são causadas por quase todos – e não apenas alguns – os tipos de fontes de emissão.

“Descobrimos que quase todos os setores de emissão causam exposições desproporcionais para pessoas de cor em média”, disse Julian Marshall, professor de engenharia civil e ambiental da Universidade de Washington, em comunicado. “As desigualdades que relatamos são resultado do racismo sistémico: com o tempo, pessoas de cor e poluição foram unidas, não só em alguns casos, mas por quase todos os tipos de emissões.”

A equipa usou um modelo de qualidade do ar para analisar os dados da Agência de Proteção Ambiental para mais de cinco mil tipos de fontes de emissão, incluindo indústria, agricultura, concessionárias de energia elétrica a carvão, muitos tipos de veículos e equipamentos, construção e outras fontes diversas de pequenas emissões.

Cada tipo de fonte estudado contribui para a poluição do ar por partículas finas, definidas como partículas com 2,5 micrómetros ou menos de diâmetro.

Para identificar os padrões de exposição à poluição do ar associados à raça/etnia e rendimento, os cientistas combinaram os padrões de poluição do ar espacial previstos no modelo de qualidade do ar com contagens de população residencial do U.S. Census Bureau.

Para a média da população total dos Estados Unidos em 2014, as exposições à poluição do ar por partículas finas da maioria dos tipos de fontes são maiores do que a média para pessoas de cor e menores do que a média para brancos.

Os resultados indicam que pessoas de raça branca estão expostas a concentrações abaixo da média de tipos de fontes de emissões que, quando combinadas, causam 60% da sua exposição total.

Por outro lado, as pessoas de cor experimentam exposições acima da média de tipos de fonte que, quando combinadas, causam 75% da sua exposição total. Essa disparidade existe ao nível do país, estado e cidade e para pessoas em todos os níveis de rendimento.

“As organizações comunitárias têm sofrido e defendido a injustiça ambiental durante décadas”, disse Christopher Tessum, professor de engenharia civil e ambiental da Universidade de Illinois Urbana Champaign. “O nosso estudo contribui para um corpo de evidências já extenso com a nova descoberta de que não há uma única fonte de poluição do ar, ou um pequeno número de fontes, que respondem por essa disparidade. Em vez disso, a disparidade é causada por quase todas as fontes”.

Os investigadores descobriram que as disparidades de poluição do ar surgem de um conjunto de causas mais sistémico do que se entendia anteriormente.

“Ficamos impressionados com a forma como estas disparidades sistémicas existem para pessoas de cor não só em certos bairros, mas em todas as escalas espaciais nos EUA”, disse Joshua Apte, professor de engenharia civil e ambiental da Universidade da Califórnia. “O problema existe em áreas urbanas e rurais, em muitas regiões distintas dos EUA e para pessoas que vivem em quase todas as cidades americanas.”

Por sua vez, os cientistas alertam que o estudo se foca nas concentrações de poluição do ar externo em locais onde as pessoas residem e não toma em consideração a variabilidade na mobilidade, acesso a cuidados de saúde e taxas de mortalidade e morbidade, entre outros fatores.

“Este novo estudo adiciona contexto ao nosso trabalho anterior, que mostrou que um consumo desproporcional de bens e serviços – que é uma causa subjacente da poluição – aumenta a exposição de pessoas de cor à poluição do ar”, disse Jason Hill, professor de bioprodutos e engenharia de biossistemas na Universidade de Minnesota.

“Alguns presumem que quando há uma disparidade étnico-racial sistemática, a causa subjacente é uma diferença de rendimento”, disse Tessum. “Como os dados mostram que a disparidade atravessa todos os níveis de rendimento, o nosso estudo reforça as descobertas anteriores de que raça, em vez do rendimento, é o que realmente impulsiona as disparidades de exposição à poluição do ar.”

Os investigadores esperam que estas descobertas sejam potenciais oportunidades para lidar com esta persistente desigualdade ambiental.

Este estudo foi publicado em abril na revista científica Science Advances.

Maria Campos, ZAP //

 

 

 

PARTILHAR

RESPONDER

Entre cursos de água e "kahns", a Alemanha ainda alberga uma minoria étnica de língua eslava

As nações europeias nasceram e desvaneceram ao longo do tempo, mas há uma minoria étnica de língua eslava que permanece dentro da Alemanha. Lehde é uma pacata vila, com cerca 150 habitantes, de ilhas pantanosas interligadas …

Itália 3-0 Suíça | Squadra Azzurra volta a ganhar e a encantar

A Itália tornou-se hoje a primeira seleção a garantir o apuramento para os oitavos de final do Euro2020 de futebol, ao vencer a Suíça por 3-0, em encontro da segunda jornada do Grupo A, disputado …

Sony apresenta o seu primeiro drone, o Airpeak S1

Há algum tempo que a Sony planeava lançar um drone, agora, é oficial. A empresa de tecnologia apresentou um drone chamado Airpeak S1 que será, muito provavelmente, o primeiro de muitos. A Sony anunciou oficialmente o …

Candidaturas a astronauta da Agência Espacial Europeia encerram na sexta-feira

Os candidatos têm de ter, pelo menos, um mestrado e experiência profissional, serem fluentes em inglês e ter mais de 1,30 metros.  O prazo para apresentação de candidaturas a vagas para novos astronautas da Agência Espacial …

Dois meses no escuro. Valentina Miozzo passou a quarentena sozinha no Ártico

A pandemia de covid-19 foi um duro golpe de solidão forçada para a maioria das pessoas, mas para a italiana Valentina Miozzo foi a oportunidade perfeita para usufruir de alguns momentos a sós. A meio da …

Pedras misteriosas provocam "corrida aos diamantes" na África do Sul

Uma verdadeira "febre de diamantes" assolou a vila de KwaHlathi, na província de KwaZulu-Natal, litoral da África do Sul. Centenas de pessoas, com utensílios caseiros a servir de engenhos de mineração, ocuparam um terreno à …

Designer cria um "terceiro olho" para quem vive agarrado ao telemóvel

Um designer industrial sul-coreano criou, recentemente, um “terceiro olho” para ajudar aqueles que, mesmo em andamento, não conseguem tirar os olhos do telemóvel. O designer industrial Minwook Paeng criou recentemente o The Third Eye ('terceiro olho' …

Depois de Ronaldo e da Coca Cola, Pogba imitou-o com a Heineken (e a UEFA podia castigar Portugal e França)

Após Cristiano Ronaldo ter removido duas garrafas de Coca Cola da mesa onde se sentou para uma conferência de imprensa no Euro 2020, foi a vez do francês Paul Pogba ter feito o mesmo com …

Adeptos portugueses proibidos de entrar na "fan zone" de Budapeste

Momento confuso numa zona da capital da Hungria, na véspera do jogo com Portugal, na estreia no Europeu 2020. A Hungria não escapou ao coronavírus mas, entre os países que recebem jogos do Europeu 2020, é …

Mulher recebe quatro certificados de imunidade - e nenhum é válido

O governo da Hungria está a emitir cartões que garantem que determinada pessoa, na teoria, é imune ao coronavírus. Mas nem tudo corre bem. A vida nas ruas da Hungria é diferente do que se vive …