A nível intestinal, somos mais parecidos com os cães do que imaginávamos

Embora não sejam exatamente os mesmos, o homem e o cão partilham mais de metade dos microrganismos presentes no intestino.

A equipa do português Luís Pedro Coelho, investigador no Laboratório Europeu de Biologia Molecular, chegou à conclusão de que somos mais parecidos com os nossos amigos de quatro patas do que imaginávamos até agora.

Assim, os resultados publicados recentemente na Microbiome, mostram que o homem e o cão partilham mais de metade, cerca de 63%, dos genes dos microrganismos presentes no intestino. Este número contrasta com os 20% partilhados com os ratos e os 33% partilhados com os porcos.

Ainda assim, o especialista em biologia computacional frisa que, embora de trate de um microbioma com bactérias parecidas, “não são exatamente as mesmas”.

Esta conclusão levanta a hipótese de a comunidade científica começar a utilizar o cão como um modelo de investigação para depois extrapolar para os humanos, esclarece a investigadora na área da Nutrição, Conceição Calhau, ao Observador.

A especialista defende que o facto de os cães e os humanos viverem juntos há muito tempo pode ter levado à passagem dos microrganismos intestinais de uma espécie para a outra.

“O artigo ganha dimensão também na área da nutrição veterinária”, devido ao elevado número crescente de animais obesos. “Não tardará teremos pré e probióticos nas rações animais.” Os prebióticos estimulam o crescimento das bactérias probióticas (ou bactérias boas), que ajudam o organismo a combater as bactérias nocivas, explica o jornal.

Luís Pedro Coelho defende que os cães “devem ser estudados para o seu próprio benefício”. O potencial para se descobrir princípios que podem depois ser transpostos para humanos é um bónus.

O objetivo da investigação, financiada pela Nestlé Research, era perceber o impacto das dietas nos animais. Quatro semanas antes da experiência, todos os animais foram sujeitos à mesma dieta, para que a flora intestinal estivesse estabilizada.

Nas quatro semanas seguintes, os cães foram alimentados com uma dieta rica em proteína e pobre em hidratos de carbono ou com uma dieta rica em hidratos de carbono e pobre em proteína.

Os investigadores analisaram o ADN das amostras, recolhidas antes e depois da dieta, e criaram um catálogo dos genes do microbioma do intestino dos cães, num total de 1.247.405 genes. De seguida, compararam-no com o catálogo existente para ratos, porcos e, finalmente, humanos.

A comparação entre o antes e o depois da dieta, em cães magros e obesos, permitiu verificar que os cães com excesso de peso eram os que apresentavam maior variação na comunidade de microorganismos.

Estes resultados corroboraram resultados anteriores que mostram que a flora intestinal de animais obesos é mais fácil de desestabilizar. Os resultados mostraram ser independentes da raça e do sexo do cão.

“Tal como nos humanos, estes animais de companhia, domesticados, sofrem atualmente de problemas metabólicos como obesidade e diabetes associados ao desequilíbrio do microbiota”, explica a especialista Conceição Calhau.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Afinal, o Espaço não é assim tão escuro. Há brilho de origem desconhecida

Uma equipa de cientistas usou a New Horizons para medir a luminosidade do Espaço profundo e os resultados surpreenderam-na. Há muito tempo que os cientistas tentam perceber qual a luminosidade do Espaço, se lhe retirarmos todas …

Meteorito atinge casa de homem indonésio e transforma-o em milionário

O caso insólito aconteceu em Kolang, na Sumatra do Norte, Indonésia. Um fabricante de caixões de 33 anos encontrou um meteorito no seu jardim, depois deste atingir o telhado da sua casa em agosto. O protagonista …

Há 20 anos que ninguém sabe do paradeiro de dois cadernos de Charles Darwin

Dois dos cadernos do naturalista Charles Darwin, um dos quais com o rascunho da “Árvore da Vida” (1837), estão desaparecidos há cerca de 20 anos e terão sido muito provavelmente roubados, anunciou esta terça-feira a …

Cientistas reconstruiram explosão de Beirute através das redes sociais

Cientistas forenses recorreram a imagens partilhadas nas redes sociais para reconstruirem a explosão de Beirute, em agosto, que matou 191 pessoas. A 4 de agosto, uma série de explosões causadas por 2.750 toneladas de nitrato de …

Professor alemão do ensino básico é suspeito de canibalismo e homicídio

Depois de uma pilha de ossos ter sido encontrada por transeuntes no parque de Berlim, as autoridades alemãs descobriram que se tratava de uma vítima de canibalismo. As pistas conduziram-nas, mais tarde, à casa do …

Marselha 0-2 FC Porto | Dragão vence e abre porta dos "oitavos"

Basta apenas um ponto para que o FC Porto carimbe uma vaga nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Na noite desta quarta-feira, os “dragões” venceram o Marseille por 2-0 – com os contributos de Zaidu …

Mais de 100 mil crianças morreram com VIH e 320 mil ficaram infetadas. A pandemia pode piorar o cenário

De acordo com um relatório da UNICEF, a cada 100 segundos uma criança ou jovem com menos de 20 anos foi infetado pelo VIH no ano passado. Com os novos dados, o número total de …

Animação mostra como foram construídas as pontes do século XIV

Construir uma ponte sobre a água parece uma tarefa complicada e a verdade é que, apesar dos inúmeros avanços tecnológicos, os fundamentos pouco alteraram desde os tempos medievais. A Ponte Carlos tem 618 anos, mas não …

Médicos sem Fronteiras deixam hospital da Venezuela devido a restrições

A Médicos sem Fronteiras (MSF) vai se retirar de uma colaboração com um hospital venezuelano que visa tratar pacientes com covid-19 devido a restrições na entrada de especialistas no país, informou a organização na terça-feira. A …

O novo amplificador de guitarra tem maior capacidade de encaixe (e é mais poderoso)

Em 2016, o engenheiro eletrónico Chris Prendergast lançou um projeto Kickstarter para o amplificador de guitarra portátil JamStack. Este encaixava-se num pino de correia e emitia sons gerados por um smartphone. Agora foi lançada a …