700 médicos sem vaga de acesso à especialidade pelo segundo ano consecutivo

Este ano, 700 jovens médicos não vão ter vagas para fazer a formação especializada, repetindo assim o cenário do ano passado.

O cenário do ano passado repete-se. Este ano foram abertas 1665 vagas para 2341 médicos candidatos no concurso do internato médico o que, segundo a Associação Nacional de Estudantes de Medicina (ANEM) “deixa quase 700 médicos sem acesso à especialidade”.

Segundo o mapa de vagas, publicado esta quinta-feira pela Administração Central dos Serviços de Saúde (ACSS), voltam a ficar de fora da especialidade algumas centenas de médicos, impedidos assim de começar a formação especializada em 2019.

Esta falta de vagas não é um problema novo. No ano passado, estava previsto ficarem sem acesso à especialidade mais de 700 médicos, já que existiam 2466 médicos para 1758 vagas.

Psiquiatria foi a especialidade que perdeu mais vagas, comparando os dois mapas, tendo passado de 73 em 2017 para 53 este ano. Anestesiologia ou Radiologia ganharam vagas, cada uma com mais dois lugares no próximo ano. Analisado o mapa deste ano, há 1189 vagas em hospitais, 462 em unidades de medicina geral e familiar e 44 em saúde pública.

A ANEM lamenta, em comunicado, “que se continue a promover em Portugal a formação de médicos indiferenciados e consequentemente o comprometimento da capacidade de proteção dos doentes e a degradação da qualidade e sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde”.

Para a Associação Nacional dos Estudantes de Medicina é necessário planeamento e investimento além de não continuar a formar médicos acima da capacidade de integração.

“Um médico sem especialidade é um médico que não completou a sua formação clínica. É um médico que viu as suas legítimas expectativas defraudadas por um sistema que, ao não mudar estas políticas, está a servir mal os doentes”, diz Edgar Simões, presidente da associação.

A ANEM já entregou ao Governo uma proposta para a resolução do desfasamento que passa pela redução do ‘numerus clausus’ de uma forma gradual, destacando o excesso de alunos nas faculdades e a falta de vagas para formação especializada.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Tudo tem de ser proporcionalmente equilibrado. Quando houve o boom de professores é evidente que não podiam existir colocações para todos. Na Bélgica, por exemplo, se houver um boom de prostitutas, nem todas vão ter clientes para os serviços. Ao criar as 700 vagas extra na especialidade médica, outro setor teria de ser reduzido.

RESPONDER

Caso do bebé sem rosto. Médico suspenso não viu que menina tinha duas vaginas, um rim e espinha bífida

O Conselho Disciplinar do Sul da Ordem dos Médicos suspendeu preventivamente o obstetra envolvido no caso do bebé que nasceu, em Setúbal, com malformações graves. Entretanto, surgem novos dados sobre suspeitas atribuídas ao médico noutros …

Rede de imigração ilegal no SEF. Denúncias de corrupção eram antigas, mas ficaram na gaveta

A inspectora do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) que foi detida nesta semana, por pertencer alegadamente a uma rede de imigração ilegal, já tinha sido identificada num inquérito interno desta entidade, devido às mesmas …

Bancos querem passar a cobrar por grandes depósitos. Particulares escapam

BCP, Novo Banco e Caixa Geral de Depósitos defendem que é preciso cobrar aos grandes clientes por depósitos de grande dimensão. Particulares e pequenas e médias empresas escapariam desta medida. A ideia foi lançada pelo …

Filho de Bolsonaro já não vai ser embaixador em Washington

O deputado Eduardo Bolsonaro, filho do Presidente do Brasil, anunciou na terça-feira, na Câmara dos Deputados, que desistiu da sua indicação para embaixador do país em Washington, nos Estados Unidos (EUA). Na véspera, Jair Bolsonaro, que …

OE2020. Catarina Martins critica chantagem da Comissão Europeia a cada ano

A coordenadora do Bloco de Esquerda criticou esta terça-feira a chantagem da Comissão Europeia em relação a Portugal repetida a cada legislatura e a cada ano, reiterando a disponibilidade "para negociar um Orçamento do Estado …

Maior parte das escolas não cumprem lei de 2009 sobre a educação sexual

Grande parte das escolas não está a cumprir a lei de 2009 que define como deve ser dada a educação sexual no ensino obrigatório, do 1.º ao 12.º ano de escolaridade. A conclusão surge num relatório …

Pouco poder, mas algum. Deputados únicos podem desencadear revisão da Constituição

Os deputados únicos não têm poder para pedir a votação do programa de Governo, ao contrário dos grupos parlamentares, nem podem sozinhos censurar o Executivo, mas podem desencadear, como qualquer parlamentar, um processo de revisão …

Funcionários públicos esperam entre 100 e 280 dias para se poderem reformar. Processo pode ser acompanhado online

A atribuição das novas pensões de reforma aos funcionários públicos está a demorar, em média, entre 100 a 280 dias - ou seja, entre três e mais de nove meses. A revelação foi feita esta terça-feira, …

"Onde está o Varandas?". Claques não faltaram à vitória do Sporting em hóquei em patins

Apesar das quebras de protocolos, Juventude Leonina e Diretivo Ultras XXI marcaram presença no jogo desta terça-feira de hóquei em patins entre o Sporting e a Oliveirense. Na noite desta terça-feira, o Pavilhão João Rocha foi …

Do azedume às contas do passado. Críticos internos atacam Rio

Depois de Rui Rio ter anunciado esta segunda-feira que se recandidata à liderança do PSD, os críticos internos vieram a público. Acusam-no de querer dividir o partido e ajustar contas com o passado e esperam …