700 médicos sem vaga de acesso à especialidade pelo segundo ano consecutivo

Este ano, 700 jovens médicos não vão ter vagas para fazer a formação especializada, repetindo assim o cenário do ano passado.

O cenário do ano passado repete-se. Este ano foram abertas 1665 vagas para 2341 médicos candidatos no concurso do internato médico o que, segundo a Associação Nacional de Estudantes de Medicina (ANEM) “deixa quase 700 médicos sem acesso à especialidade”.

Segundo o mapa de vagas, publicado esta quinta-feira pela Administração Central dos Serviços de Saúde (ACSS), voltam a ficar de fora da especialidade algumas centenas de médicos, impedidos assim de começar a formação especializada em 2019.

Esta falta de vagas não é um problema novo. No ano passado, estava previsto ficarem sem acesso à especialidade mais de 700 médicos, já que existiam 2466 médicos para 1758 vagas.

Psiquiatria foi a especialidade que perdeu mais vagas, comparando os dois mapas, tendo passado de 73 em 2017 para 53 este ano. Anestesiologia ou Radiologia ganharam vagas, cada uma com mais dois lugares no próximo ano. Analisado o mapa deste ano, há 1189 vagas em hospitais, 462 em unidades de medicina geral e familiar e 44 em saúde pública.

A ANEM lamenta, em comunicado, “que se continue a promover em Portugal a formação de médicos indiferenciados e consequentemente o comprometimento da capacidade de proteção dos doentes e a degradação da qualidade e sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde”.

Para a Associação Nacional dos Estudantes de Medicina é necessário planeamento e investimento além de não continuar a formar médicos acima da capacidade de integração.

“Um médico sem especialidade é um médico que não completou a sua formação clínica. É um médico que viu as suas legítimas expectativas defraudadas por um sistema que, ao não mudar estas políticas, está a servir mal os doentes”, diz Edgar Simões, presidente da associação.

A ANEM já entregou ao Governo uma proposta para a resolução do desfasamento que passa pela redução do ‘numerus clausus’ de uma forma gradual, destacando o excesso de alunos nas faculdades e a falta de vagas para formação especializada.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Tudo tem de ser proporcionalmente equilibrado. Quando houve o boom de professores é evidente que não podiam existir colocações para todos. Na Bélgica, por exemplo, se houver um boom de prostitutas, nem todas vão ter clientes para os serviços. Ao criar as 700 vagas extra na especialidade médica, outro setor teria de ser reduzido.

RESPONDER

Numa cidade na Nova Zelândia, a Páscoa resume-se a exterminar coelhos

Em Alexandra, na região de Otago, os coelhos são considerados pragas, uma espécie que ameaça a biodiversidade do país e a agricultura. Elle Hunt, correspondente do The Guardian em Auckland, na Nova Zelândia, escreveu um artigo …

Reavaliação de barragens da EDP ficou por fazer, depois de Governo ter recuado na decisão

No início do ano passado, o ministério do Ambiente considerou ser necessário reavaliar as barragens da EDP, mas a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e a Parpública disseram não ter competências para fazer a avaliação …

Portugal bateu recorde de vacinação no sábado. Foram administradas 120 mil vacinas

Este sábado, Portugal registou um recorde diário de pessoas vacinadas contra a covid-19. No total, foram administradas 120 mil doses da vacina. De acordo com os números avançados pela task force responsável pelo plano de vacinação, …

Os milionários estão a fugir de Nova Iorque

A cidade de Nova Iorque está a preparar-se para enfrentar para um êxodo dos seus residentes mais ricos após as autoridades terem aprovado um orçamento que fará com que paguem a maior taxa de impostos …

Costa recusa responder a Sócrates. Carlos César reafirma "tristeza" e "raiva"

O primeiro-ministro António Costa recusou responder às críticas feitas por José Sócrates. Carlos César, presidente do PS, reafirma o que disse em 2018. Este sábado, António Costa recusou responder às críticas feitas por José Sócrates e …

Cientistas sugerem que os gorilas não batem no peito apenas para se exibir

Os cientistas sugerem que o ato de bater no peito permite aos gorilas machos sinalizar o seu tamanho e assim evitar brigas desnecessárias. De acordo com o jornal The Guardian, cientistas que estudam gorilas-das-montanhas (Gorilla beringei …

Médicos alertam que Navalny pode sofrer paragem cardíaca "a qualquer momento"

Alexei Navalny está cada vez mais em risco de insuficiência renal. Médicos próximos do opositor russo alertam que pode sofrer uma paragem cardíaca "a qualquer momento". Médicos próximos do opositor russo Alexei Navalny, detido e em …

Perto de sequenciar 1 milhão de genomas, cientistas querem desvendar segredos genéticos

O projeto All of Us está a recolher informações genéticas, registos médicos e hábitos de saúde de mais de um milhão de pessoas. Os dados podem ser usados para desvendar segredos genéticos. O primeiro esboço do …

"Besta dos cinco dentes". Descoberta nova espécie de mamífero na Patagónia

Paleontólogos descobriram uma nova espécie de mamífero, com dentes peculiares, que viveu na Patagónia durante o período Cretáceo. De acordo com a agência Europa Press, os fósseis foram encontrados em Cerro Guido, na província chilena de …

Com os zoos fechados, tudo serve para entreter uma família de lontras. Até um simples galho de bambu

O confinamento serviu como um lembrete indesejado de que ficar preso dentro de casa sem muito o que fazer pode ser desgastante. O mesmo é verdade para os animais, por isso os jardins zoológicos tiveram …