50 anos depois, experiência de Milgram continua a ter resultados bizarros

(dr) The Chronicle of Higher Education

O psicólogo norte-americano Stanley Milgram

O psicólogo norte-americano Stanley Milgram

Mais de meio século depois, a controversa experiência do psicólogo norte-americano Stanley Milgram continua a ter os mesmos resultados. A maioria dos participantes tende a fazer sofrer outras pessoas para não desobedecer às autoridades.

Quem alguma vez estudou ciências sociais, muito provavelmente já ouviu falar da famosa experiência de Milgram, um dos mais controversos testes da história da Psicologia.

Desenvolvida pelo psicólogo norte-americano Stanley Milgram, a experiência concluiu que a maioria das pessoas tende a obedecer às autoridades, mesmo que isso signifique ir contra o seu próprio bom senso.

O teste, realizado em 1961, na Universidade de Yale, consistia em pedir aos participantes que dessem choques cada vez mais fortes noutros participantes caso estes não acertassem na resposta de determinadas perguntas.

Havia 30 botões diferentes que os participantes podiam usar, cada um com uma voltagem diferente. Os choques começavam nos 15 volts e chegavam até aos 450 volts. Todos os participantes foram informados de que poderiam realmente magoar o recetor dos choques.

Os dois participantes estavam em salas diferentes, por isso, as pessoas que estavam autorizadas a dar choques ouviam os gritos de dor mas não viam as pessoas a sofrer. Os “azarados” que levavam os choques eram, na verdade, atores pagos para fingir o melhor possível que estavam em sofrimento.

Os investigadores diziam aos participantes que isto era crucial para a experiência. Vários abandonaram a sala e disseram que não eram capazes de o fazer mas cerca de 65% seguiu as regras e continuou a infligir sofrimento nos outros voluntários.

Um estudo de 2014 sobre esta série de testes mostrou que os participantes que obedeceram mostravam-se orgulhosos por estar a dar o seu contributo à ciência e não tinham a consciência pesada.

O principal objetivo de Milgram foi tentar perceber como é que, no auge do regime nazi, pessoas aparentemente saudáveis e bem integradas na sociedade puderam cometer crimes tão bárbaros como assassinato, tortura e outros abusos contra tantos civis.

Atualidade

Agora, mais de 50 anos depois, uma equipa de investigadores polacos decidiu repetir a experiência para verificar se os resultados seriam diferentes. Infelizmente, a conclusão que obtiveram não é a mais animadora.

“Quando ouvem falar sobre a experiência de Milgram, a maioria das pessoas diz ‘eu nunca me comportaria dessa forma'”, diz Tomasz Grzyb, da Universidade de Ciências Sociais e Humanidades, na Polónia, e um dos psicólogos envolvidos no estudo.

“Porém, o nosso estudo demonstrou, mais uma vez, o tremendo poder da situação em que sujeitos são confrontados com coisas desagradáveis e mesmo assim concordam com elas”.

De 1961 até aos dias de hoje, muitos investigadores argumentaram que a metodologia de Milgram foi desleixada e que os dados foram manipulados. No entanto, vários testes semelhantes foram repetidos por todo o mundo, apresentando resultados consistentes. Até agora, o estudo nunca tinha sido feito na Europa Central.

“O objetivo era examinar o nível de obediência que íamos encontrar entre os polacos”, afirmou a equipa no estudo publicado na Social Psychological and Personality Science.

Na versão mais atual do estudo, a equipa recrutou 80 pessoas, 40 homens e 40 mulheres, com idades entre os 18 e os 69 anos. A principal diferença entre os dois testes foi que havia apenas os dez primeiros botões, para tentar tornar o estudo mais ético.

90% dos voluntários obedeceram às ordens e carregaram até no décimo botão – praticamente a mesma percentagem dos participantes da experiência de Milgram que foram até aos dez primeiros botões.

“Meio século depois da pesquisa original, a maioria dos participantes ainda está disposta a eletrocutar indivíduos indefesos”, concluiu Grzyb.

Antes de ficar demasiado deprimido com o estado atual da Humanidade, recorde que este foi um teste com uma amostra muito pequena. Aliás, a equipa polaca quer mesmo repetir a experiência e tentar perceber se há diferenças de resultados entre homens e mulheres.

2 COMENTÁRIOS

  1. São Polacos, de que estavam à espera? É lamentável, mas a realidade é que esse povo é de um modo geral arrogante, gosta de enxovalhar e passar por cima dos outros e como se observa, é vil por natureza.
    Com tudo o que a história tragicamente lhes ensinou, deviam ter outra atitude, mas aparentemente, pretendem é fazer o mesmo. Talvez seja um instinto reprimido de vingança…

    • Que parte de “vários testes semelhantes foram repetidos por todo o mundo, apresentando resultados consistentes” é que não leste na ânsia de projetar nos polacos o ser amargurado e recalcado que aparentas ser?

RESPONDER

Condenado ex-agente secreto alemão que fingia ser um terrorista

Um tribunal alemão condenou, esta terça-feira, um antigo agente dos serviços secretos alemães a uma pena suspensa de um ano por ter tentado partilhar informação confidencial com grupos radicais salafistas na Internet. Segundo a Deutsche Welle, o …

Mosquito do dengue detetado pela primeira vez em Portugal

Uma espécie de mosquito que é transmissor do vírus da dengue foi identificado pela primeira vez em Portugal, na região Norte do país, anunciou esta quarta-feira a Direção-geral da Saúde (DGS) e o Instituto Doutor …

Organização de Direitos Humanos denuncia abuso sexual de menores na Coreia do Norte

A organização Human Rights Watch (HRW) instou esta quarta-feira as Nações Unidas a pressionarem a Coreia do Norte para prevenir e investigar os abusos sexuais a menores, crime que o regime de Pyongyang diz não …

Cidadão de Baião é candidato pela CDU à Câmara e pelo PSD em freguesia

Em Baião, distrito do Porto, há um cidadão que se candidata à Câmara pela CDU e a uma Junta de Freguesia pelo PSD, nas autárquicas do próximo 1 de Outubro, confirmou a Lusa no tribunal …

MAI ordena à Proteção Civil auditoria para verificar todas as licenciaturas

O secretário de Estado da Administração Interna ordenou à Autoridade Nacional de Proteção Civil que realize uma auditoria para verificar as licenciaturas de todos os dirigentes e elementos da sua estrutura operacional, que deve estar …

Theresa May quer pagar 20 mil milhões de euros para saldar saída da UE

A primeira-ministra britânica vai propor o pagamento de 20 mil milhões de euros para saldar a separação entre o Reino Unido e a União Europeia, segundo fontes conhecedoras do tema citadas pelo jornal Financial Times. Olly …

BE quer que menores possam contestar em tribunal pais que lhes neguem mudança de sexo

Menores de 16 anos de idade a requerer mudanças de sexo, sem ser obrigatório apresentar um relatório médico, e a mover acções judiciais contra a eventual recusa dos pais em iniciarem esse processo. Estas são …

Ao primeiro dia de campanha, Catarina e Jerónimo já trocam farpas

A paz no seio da geringonça parece "ferida de morte" depois das declarações azedas trocadas entre Jerónimo de Sousa e Catarina Martins, líderes de PCP e Bloco de Esquerda. E tudo por causa das eleições …

Funcionária da PJ acusada de desviar 178 mil euros em barras de ouro

Uma funcionária da Polícia Judiciária foi acusada de, juntamente com o seu companheiro, aceder ao cofre desta força policial para se apropriar de objectos em ouro, nomeadamente de duas barras daquele metal precioso avaliadas em …

André Ventura foi a um bairro de ciganos, mas evitou-os

No primeiro dia de campanha, André Ventura visitou o bairro Quinta da Fonte, uma das zonas de Loures que o candidato considera ter maiores problemas com a insegurança. Segundo os jornais que o acompanharam, o …