40 anos depois, as Voyager ainda querem chegar às estrelas

kara brugman / Flickr

Sonda Voyager 1 (conceito artístico)

As naves espaciais mais longínquas e de longa duração da Humanidade, a Voyager 1 e 2, alcançam 40 anos de operação e exploração durante os meses de agosto e setembro.

Apesar da sua grande distância, continuam a comunicar diariamente com a NASA, ainda estudando a fronteira final. A sua história não só afetou gerações atuais e futuras de cientistas e engenheiros, mas também a cultura da Terra, incluindo filmes, arte e música.

Cada nave transporta um Disco Dourado com sons, imagens e mensagens da Terra. Uma vez que as sondas poderão ter uma duração de milhares de milhões de anos (de existência, não de operação), estes discos, verdadeiras cápsulas do tempo, poderão muito bem um dia ser os únicos vestígios da civilização humana.

“Acredito que poucas missões podem chegar aos calcanhares das Voyager durante as suas quatro décadas de exploração,” afirma Thomas Zurbuchen, administrador associado do Diretorado de Missões Científicas da NASA na sede da agência espacial.

“Elas educaram-nos para as maravilhas desconhecidas do Universo e inspiraram verdadeiramente a humanidade para continuar a explorar o nosso Sistema Solar e além.”

RED ICE / JPL-Caltech / NASA

A sonda Voyager e o famoso disco dourado que levou para o espaço informação sobre a Humanidade. Ao fundo, o mítico astrofísico Carl Sagan.

As Voyager estabeleceram inúmeros recordes nas suas viagens sem paralelo.

Em 2012, a Voyager 1, lançada no dia 5 de setembro de 1977, tornou-se na única nave espacial a entrar no espaço interestelar.  A Voyager 2, lançada no dia 20 de agosto de 1977, é a única nave espacial a ter passado por todos os quatros planetas exteriores – Júpiter, Saturno, Úrano e Neptuno.

Os seus vários encontros planetários incluem a descoberta dos primeiros vulcões ativos para lá da Terra, na lua de Júpiter, Io; pistas de um oceano subterrâneo na lua de Júpiter, Europa; a atmosfera mais parecida com a da Terra, na lua de Saturno, Titã; a gelada lua desordenada de Úrano, Miranda; e os geysers gelados da lua de Neptuno, Tritão.

Embora as sondas há muito tenham deixado os planetas para trás – e nem chegarão remotamente perto de outra estrela nos próximos 40.000 anos – as duas ainda transmitem observações sobre as condições onde a influência do nosso Sol diminui e o espaço interestelar começa.

A Voyager 1, agora a quase 21 mil milhões de quilómetros da Terra, viaja através do espaço interestelar para norte, para fora do plano dos planetas. A sonda informou os investigadores que os raios cósmicos, núcleos atómicos acelerados até quase à velocidade da luz, são quase quatro vezes mais abundantes no espaço interestelar do que na vizinhança da Terra.

Isto significa que a heliosfera, o volume parecido com uma bolha que contém os planetas do Sistema Solar e o vento solar, age efetivamente como um escudo de radiação para os planetas. A Voyager 1 também sugeriu que o campo magnético do meio interestelar local é enrolado em torno da heliosfera.

A Voyager 2, agora a mais de 17 mil milhões de quilómetros da Terra, viaja para sul e espera-se que entre no espaço interestelar nos próximos anos.

As diferentes direções das duas Voyager permitem com que os cientistas comparem agora duas regiões do espaço onde a heliosfera interage com o meio interestelar envolvente usando instrumentos que medem partículas carregadas, campos magnéticos, ondas de rádio de baixa frequência e plasma do vento solar.

Quando a Voyager 2 chegar ao meio interestelar, os cientistas também poderão “provar” o meio simultaneamente a partir de dois locais diferentes.

“Nenhum de nós sabia, quando as lançámos há 40 anos atrás, que ainda estariam a trabalhar e a continuar esta viagem pioneira,” afirma Ed Stone, cientista do projeto Voyager, com base no Caltech, Pasadena, no estado norte-americano da Califórnia.

“A coisa mais excitante que vão descobrir nos próximos cinco anos é provavelmente algo que não sabíamos que estava por ser descoberto.”

As gémeas Voyager têm sido prodígios cósmicos, graças à visão dos desenhadores da missão. Ao preparem-nas para o ambiente de radiação em Júpiter, o mais severo de todos os planetas no Sistema Solar, as naves espaciais estão bem apetrechadas para as suas viagens subsequentes.

Ambas as Voyager estão equipadas com fontes de alimentação bastante duradouras, bem como sistemas redundantes que permitem que as sondas alternem para sistemas de backup de forma autónoma quando necessário. Cada Voyager transporta três geradores termoelétricos de radioisótopos, dispositivos que usam a energia do calor gerado pelo decaimento do Plutónio 238 – do qual metade desaparecerá apenas após 88 anos.

O espaço é praticamente vazio, pelo que que as Voyager não estão num nível significativo de risco de bombardeamento por objetos grandes. No entanto, o ambiente espacial interestelar da Voyager 1 não é totalmente vazio: tem nuvens de material diluído remanescente de estrelas que explodiram como supernovas há milhões de anos.

Este material não representa um perigo para a nave espacial, mas é uma parte fundamental do ambiente que a missão Voyager está a ajudar os cientistas a estudar e a caracterizar.

Tendo em conta que a energia das Voyager diminui 4 watts por ano, os engenheiros estão a aprender como operar as gémeas sob restrições de potência cada vez mais apertadas.

E, para maximizar a expetativa de vida das Voyager, também têm que consultar documentos escritos décadas antes que descrevem comandos e software, além da experiência dos antigos engenheiros das Voyager.

“A tecnologia já tem várias gerações e é preciso alguém com experiência em design da década de 1970 para compreender como é que as naves operam e que atualizações podem ser feitas para permitir com que continuem a operar hoje e no futuro,” comenta Suzanne Dodd, gestora do projeto Voyager no JPL da NASA em Pasadena, Califórnia.

Os membros da equipa estimam que terão que desligar o último instrumento científico até 2030. No entanto, mesmo depois das naves espaciais se remeterem finalmente ao silêncio, continuarão nas suas trajetórias à velocidade atual de 48.280 km/h, completando uma órbita da Via Láctea a cada 225 milhões de anos.

// CCVAlg

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. “Em 2012, a Voyager 1, lançada no dia 5 de setembro de 1977, tornou-se na única nave espacial a entrar no espaço interestelar. A Voyager 2, lançada no dia 20 de agosto de 1977…”
    Não seria lógico dar o nome de voyager 1 à nave que foi lançada 1°.? Porque setembro é depois de agosto.
    Poderá ter havido algum atraso na voyager 1 e voyager 2 ter sido lançada 1°?

Criada para prevenir a guerra, a ONU enfrenta um mundo profundamente polarizado

Criada após a Segunda Guerra Mundial para evitar novos conflitos, a Organização das Nações Unidas (ONU) comemora esta segunda-feira o 75.º aniversário, num mundo polarizado que enfrenta uma pandemia, conflitos regionais, uma economia em declínio …

Mulher cai de carro em movimento enquanto grava vídeo para o Snapchat

Uma mulher, que ocupava o lugar do passageiro de um carro em movimento, caiu numa auto-estrada enquanto filmava um vídeo para a rede social Snapchat, no Reino Unido. Segundo a CNN, a mulher estava pendurada na …

Nos Estados Unidos, a venda de discos em vinil ultrapassou a de CD pela primeira vez desde 1986

Pela primeira vez desde 1986, as vendas de discos de vinil ultrapassaram as vendas de CD nos Estados Unidos em 2020. Os números foram apresentados na semana passada pela Associação Americana da Indústria de Gravação, …

Mourinho espera ganhar sem jogar

Tottenham iria defrontar o Leyton Orient mas também no Reino Unido há jogos de futebol em causa por causa do coronavírus. O encontro entre Leyton Orient e Tottenham, relativo à terceira eliminatória da Taça da Liga …

A máfia italiana tem uma nova arma de recrutamento: o TikTok

Os jovens membros da Camorra, organização criminosa aliada à máfia siciliana, estão a recorrer ao TikTok para divulgar o seu estilo de vida e recrutar novos membros. Em maio, um vídeo foi publicado no TikTok que …

Os três segredos para ter um bom sistema imunológico são gratuitos, avisa Fauci

Manter o sistema imunológico saudável é um dos fatores-chave para lidar com a covid-19, o que não implica necessariamente a toma de suplementos vitamínicos. Há uns tempos, quando confrontado com o facto de a atriz Jennifer …

Pinguim encontrado morto no Brasil com uma máscara inteira no estômago

Um espécime de pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) foi encontrado morto numa popular praia brasileira e a autópsia ao corpo revelou que o animal tinha no seu estômago uma máscara de proteção facial N95. O animal foi …

Trump quer restabelecer sanções ao Irão. ONU rejeita apoiar posição norte-americana

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse que somente apoiará a restituição de sanções ao Irão, exigidas pelos Estados Unidos (EUA), se receber luz verde do Conselho de Segurança. Numa carta dirigida …

Designer holandês desenvolve "caixão vivo" feito com fibras de fungos

Um corpo humano pode demorar cerca de uma década a decompor-se dentro de um caixão. Com o Living Cocoon, o tempo é reduzido para dois ou três anos. Bob Hendrikx, biodesigner fundador da Loop, desenvolveu e …

Relógio em Nova Iorque mostra o tempo restante para reverter efeitos do aquecimento global

O Metronome, icónico relógio digital de Nova Iorque, deixou de mostrar o tempo do dia-a-dia e mostra agora o tempo restante que o nosso planeta tem para reverter os efeitos do aquecimento global. O relógio digital …