Todos os pacientes de um ensaio experimental viram o cancro desaparecer

1

No que parece ser um avanço muito promissor para o tratamento do cancro retal, um pequeno ensaio de medicamentos realizado nos EUA descobriu que todos os pacientes tratados na experiência tiveram o seu cancro em remissão com sucesso.

O medicamento, chamado dostarlimab e vendido pela marca Jemperli, é um medicamento de imunoterapia utilizado no tratamento do cancro do endométrio, mas esta foi a primeira investigação clínica sobre a sua eficácia contra o cancro retal.

Os resultados iniciais sugerem que é bastante eficaz, com a equipa de investigação a afirmar que a remissão do observada nos pacientes do ensaio pode ser um sucesso sem precedentes para a criação de um medicamento contra o cancro.

Creio que esta é a primeira vez que isto acontece na história do cancro“, indicou Luis Diaz, oncologista médico do Memorial Sloan Kettering Cancer Center (MSK), e autor principal do novo estudo, publicado a 5 de junho no The New England Journal of Medicine.

Vale a pena notar que os resultados positivos só foram observados em 12 pacientes até agora, sendo que o ensaio ainda está em curso, segundo a Science Alert.

Todos eles tinham tumores com mutações genéticas, chamados deficiência de reparação de desfasamento (MMRd). Estes tumores são observados em cerca de 5-10% dos pacientes com cancro retal.

Os pacientes com MMRd tendem a ser menos sensíveis à quimioterapia e aos tratamentos por radiação, o que aumenta a necessidade de remoção cirúrgica dos seus tumores.

No entanto, as mutações podem também tornar as células cancerosas mais vulneráveis à resposta imunológica, especialmente se forem reforçadas por um agente de imunoterapia — neste caso, um inibidor do ponto de controlo, que desencadeia restrições sobre as células imunitárias para que possam matar as células cancerosas com mais eficácia.

“Quando essas mutações se acumulam no tumor, estimulam o sistema imunitário, que ataca as células cancerígenas que sofrem mutações”, explica Diaz. “Pensámos: ‘Vamos tentar antes que o cancro se metatize como primeira linha de tratamento'”.

Normalmente, os pacientes com este tipo de tumor retal podem esperar ser submetidos a quimioterapia e radioterapia antes da remoção cirúrgica do cancro.

Infelizmente, para muitos pacientes, esta gama de tratamentos tem consequências duradouras que podem durar o resto da sua vida.

“O tratamento padrão do cancro retal com cirurgia, radiação e quimioterapia pode ser particularmente difícil para as pessoas devido à localização do tumor”, revela Andrea Cercek, oncologista médica do MSK e também autora do estudo.

“Eles podem sofrer de disfunção do intestino e da bexiga, que altera a vida de uma pessoa com incontinência, infertilidade, disfunção sexual, e muito mais”.

Os pacientes que se inscreveram neste ensaio têm, até agora, evitado tanto estes procedimentos como os seus efeitos secundários associados.

Na segunda fase do estudo, os pacientes receberam dostarlimab de três em três semanas durante seis meses, com quimioterapia e cirurgia a seguir, caso os tumores voltassem. O que não aconteceu.

Após seis meses de seguimento, todos os 12 pacientes do ensaio mostraram uma “resposta clínica completa”, sem evidência de tumores, após serem observados com ressonâncias magnéticas, PET, endoscopia, e biopsia, entre outros testes.

“Disseram-me que uma equipa de médicos examinou os meus testes”, explica Sascha Roth, a primeira paciente inscrita no ensaio. “E como não conseguiram encontrar quaisquer sinais de cancro, explicaram que não havia razão para fazer radioterapia”.

Neste momento, um total de 12 pacientes completaram o tratamento e foram submetidos a, pelo menos, seis meses de acompanhamento.

Cerca de três quartos dos pacientes até agora sofreram efeitos secundários ligeiros ou moderados, incluindo erupção cutânea, comichão, fadiga, e náuseas — mas nenhum viu um reaparecimento do cancro, com o seguimento médio de um ano, e alguns pacientes, como Roth, estão sem cancro há dois anos.

Até o ensaio ter mais resultados, é preciso tratar os resultados atuais com otimismo e cautela, sublinha Hanna K. Sanoff, oncologista da Universidade da Carolina do Norte.

De acordo com Sanoff, uma resposta clínica completa ao tratamento não é um substituto para o controlo do cancro a longo prazo, pois embora os inibidores como o dostarlimab possam ter efeitos durante anos, é de esperar que o reaparecimento do cancro ainda ocorra numa menor percentagem de doentes.

“Sabe-se muito pouco sobre o tempo necessário para descobrir se uma resposta clínica completa ao dostarlimab equivale à cura”, explica Sanoff, acrescentando que também é necessário um estudo em maior escala dos resultados.

“Se os resultados deste pequeno estudo realizado no Memorial Sloan Kettering Cancer Center serão benéficos para uma população mais vasta de doentes com cancro retal também não se pode confirmar, para já”, conclui Sanoff.

  Alice Carqueja, ZAP //

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.