Viktor Orbán consegue terceira maioria absoluta consecutiva na Hungria

Európa Pont / Flickr

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban

O primeiro-ministro húngaro foi reeleito para o terceiro mandato consecutivo e o seu partido, Fidesz, renovou a sua folgada maioria no Parlamento, segundo resultados parciais divulgados pelo Departamento Nacional Eleitoral.

Quando estão contados 84,7% dos votos, o Fidesz e o seu aliado, o pequeno Partido Democrata-Cristão, conquistaram 133 dos 199 assentos parlamentares, o mínimo necessário para uma maioria de dois terços.

O partido Jobbik, da direita nacionalista, classificou-se em segundo lugar, com 26 mandatos, ao passo que a coligação de esquerda liderada pelo Partido Socialista ficou em terceiro lugar, com 20 lugares.

Espera-se que apenas mais dois partidos, a Coligação Democrática do ex-primeiro-ministro Ferenc Gyurcsany e o partido ecologista Politics Can Be Different, ultrapassem a barreira dos 5% de votos necessários para obter assento parlamentar.

Viktor Orban ganhou o seu quarto mandato, no total, numa plataforma que demoniza abertamente os migrantes que tentam entrar na Europa.

Os partidos da oposição temiam que mais uma grande maioria permitisse ao líder autocrático impor alterações constitucionais com mais facilidade, continuar a reprimir grupos civis que alega trabalharem contra os interesses do país e fortalecer ainda mais o seu controlo sobre a altamente centralizada estrutura do poder do Estado.

Orban insistiu muito na campanha eleitoral nas políticas inflexíveis anti-imigração, alegando que a oposição estava a cooperar com as Nações Unidas, a União Europeia e o filantropo George Soros para transformar a Hungria num “país imigrante”, ameaçando a sua segurança e identidade cristã.

“A democracia húngara é forte. Além de uma elevada participação, o país terá um parlamento forte e legítimo”, declarou o líder do grupo parlamentar do Fidesz, Gergely Gulyas.

A influência do Governo na comunicação social foi flagrante na emissão do canal de notícias M1 da televisão pública, onde peças salientando os efeitos negativos da imigração dominaram a programação.

No Origo.hu, um site que era independente e é agora propriedade de aliados do Governo, foram publicadas reportagens para promover Orban, também centradas nos efeitos nefastos da imigração, com manchetes como “Gangues de migrantes lutam em Inglaterra”, “Na Suécia, já não aguentam mais: Estão fartos de migrantes” e “Migrante em cuecas espanca reformado alemão quase até à morte”.

As incertezas quanto à margem da vitória de Orban deviam-se, em parte, ao complexo sistema eleitoral da Hungria, em que os eleitores votam não só num candidato individual da sua região, como também numa lista partidária.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Tondela vs Porto | Dragões garantem vantagem para o Clássico

O FC Porto fez o que lhe competia para garantir que chegava ao “clássico” do próximo sábado, com o Benfica, no primeiro lugar do campeonato. Na visita ao Tondela, os “dragões” não deram grandes veleidades …

Enfermeiras suspeitas de sabotar hospital com baratas. Queriam emprego melhor

Enfermeiras das emergências de um hospital italiano terão, alegadamente, libertado baratas no seu departamento. O objetivo era conseguirem uma transferência para outro hospital. As autoridades sanitárias da região de Nápoles abriram uma investigação a um caso …

Cancro do colo do útero pode ser extinto até 2100

Todos os anos, o cancro do colo do útero é a causa de morte de mais de 300 mil mulheres em todo o mundo - mas pode ser extinto até 2100. No ano passado, o diretor-geral …

Fortnite retira anúncios do YouTube para fugir aos predadores sexuais

A produtora de videojogos que criou o Fortnite, muito popular entre jovens e crianças, decidiu retirar os anúncios publicitários do YouTube por temer que estes apareçam ao lado de comentários publicados por pedófilos. A empresa norte-americana …

O alpinista sem pernas que chegou ao cume do Everest foi premiado com o "Momento do Ano"

Um alpinista chinês de 69 anos, que tem ambas as pernas amputadas, conseguiu chegar ao topo do Evereste em maio de 2018. A perseverança de Xia Boyu valeu-lhe nesta semana um prémio.  Em 1975, Xia Boyu …

Numa empresa neozelandesa só se trabalham quatro dias por semana (mas a produtividade aumentou)

Em março e abril do ano passado, uma empresa neozelandesa implementou um novo modelo laboral: trabalhar apenas quatro dias por semana. O estudo final foi publicado esta terça-feira e as conclusões mostram resultados animadores. Quase um …

Portugueses não sabem fazer queixa contra discriminação (e acham que não vale a pena)

Quase toda a gente já ouviu falar de discriminação ou crimes de ódio, mas a maioria tem dificuldade em distinguir os conceitos, desconhece o que fazer perante um caso ou a quem recorrer para fazer …

Imigrantes que entraram ilegais em Portugal terão visto desde que tenham um ano de descontos

Os imigrantes que se encontram em Portugal a trabalhar e a descontar para a Segurança Social há pelo menos 12 meses vão poder ter a autorização de residência mesmo que não tenham entrado no país …

Estudantes no Porto até aos 15 anos vão andar gratuitamente de metro e autocarro

A Câmara do Porto vai garantir passes gratuitos para residentes estudantes na cidade até aos 15 anos, complementando a medida do Governo que prevê a gratuitidade do título de transporte até aos 12 anos. O anúncio …

Ryanair e Wizz Air multadas por restrições na bagagem de mão

A autoridade da concorrência italiana aplicou nesta quinta-feira uma multa de três milhões de euros à companhia aérea Ryanair e de um milhão de euros à Wizz Air, outra low cost, pelo suplemento aplicado à …