“Uma vergonha” diz a Ordem sobre decreto que permite aos engenheiros assinar projetos

O projeto de lei que permite aos engenheiros assinar projetos de arquitetura, aprovado esta quinta-feira no parlamento, é “um retrocesso e uma vergonha” para o vice-presidente da Ordem dos Arquitetos, Daniel Fortuna do Couto.

Daniel Fortuna do Couto, vice-presidente da Ordem dos Arquitetos considerou esta quinta-feira a aprovação de um projeto de lei que permite a um grupo de engenheiros assinar projetos de arquitetura “um retrocesso e uma vergonha”.

O projeto de lei foi aprovado esta quinta-feira por unanimidade na comissão parlamentar de Economia, no parlamento, e repõe a possibilidade dos engenheiros matriculados em quatro estabelecimentos de ensino superior até 1987/88 poderem assinar projetos de arquitetura.

Aprovado na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas da Assembleia da República, o projeto de lei ainda deverá ir a plenário para votação final.

Contactado pela Lusa, o vice-presidente da Ordem dos Arquitetos considerou que a proposta aprovada “vai totalmente contra a arquitetura e o urbanismo de qualidade” em Portugal. “A nossa esperança é que não venha a ser aprovado no plenário”, disse, acrescentando que o decreto-lei é “uma aberração legislativa e uma incúria”.

Fortuna do Couto disse ainda que este projeto de lei “leva Portugal para o passado” e que o que importa é a qualidade dos projetos e não o número reduzido de engenheiros em causa.

No final da reunião da comissão, o deputado do PSD Joel Sá, disse à Lusa que o documento “segue a diretiva comunitária nesta matéria, e está de acordo com a recomendação do Provedor de Justiça enviada ao parlamento”.

Os engenheiros em questão são aqueles que se matricularam até àquela data nos cursos do Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, e da Universidade do Minho.

Depois de aprovados na generalidade, no ano passado, três projetos de lei – um do PSD e dois do PAN – baixaram à comissão, com o objetivo de alterar a lei n.º 31/2009, de 3 de Julho, segundo a qual os projetos de arquitetura apenas podem ser “elaborados por arquitetos com inscrição na Ordem dos Arquitetos”.

Em Dezembro do ano passado, os deputados da comissão receberam, em audições, entidades ligadas ao processo, nomeadamente a Ordem dos Arquitetos, a Ordem dos Engenheiros Técnicos, a Ordem dos Engenheiros e a Associação dos Agentes Técnicos de Arquitetura e Engenharia.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

11 COMENTÁRIOS

  1. Eu digo: deixem os mercados funcionar. Os engenheiros sabem desenhar e fazer cumprir toda a legislação aplicável. Da mesma forma que puseram arquitetos a fazer cálculos e peritagens de certificação energética (muitas vezes sem saber sequer a diferença entre kiloWatts e kiloWatts.hora, o que é bem mais grave) deixem os engenheiros mostrar o que sabem, e o mercado acabará por decidir, em termos de preço e qualidade, quem fica e quem deve ir embora. Se os engenheiros não soubessem fazer esse trabalho, nem tinha havido isso no passado nem estaria agora a ser debatido. Acho injusto pegarem nos maus projetos de alguns engenheiros “famosos” (ex: Sócrates) sem mencionar os maus trabalhos de arquitetura e urbanismo feitos por arquitetos, espalhados por todo o País, e que resultaram em derrapagens orçamentais superiores a 100%…

  2. Concordo com o Sr José Santos: deixem os mercados funcionar. Os engenheiros sabem desenhar e fazer cumprir toda a legislação aplicável, melhor que muitos arquitetos, pois grande parte deles apenas se preocupam com a “estética” deixando de parte os regulamentos de acessibilidades, REEU, etc.. Da mesma forma que os arquitetos podem fazer cálculos de estabilidade, de peritagens de certificação energética (muitas vezes sem saber sequer a diferença entre kiloWatts e kiloWatts.hora, o que é bem mais grave) deixem os engenheiros mostrar o que sabem, e o mercado acabará por decidir, em termos de preço e qualidade, quem fica e quem deve ir embora. Se os engenheiros não soubessem fazer esse trabalho, nem tinha havido isso no passado nem estaria agora a ser debatido. O arquiteto desenha, idealiza mas o mérito é de quem torna possível a execução daquele “desenho”, e no mercado fica conhecido o arquiteto (Sisa e outros) e esquecem-se de reconhecer o valor do engenheiro.

  3. Claro!
    Concordo perfeitamente. O futuro é termos cirurgias feitas por enfermeiros. De preferência pelos que acabaram o curso antes de 1950

  4. Se a ignorância pagasse imposto, o Sr. Santos e a Sra. Costa estariam certamente no escalão mais alto…
    Como em todas as profissões, há maus e bons arquitectos, bem como maus e bons engenheiros. E certamente um projeto de arquitetura elaborado por um bom engenheiro deverá ser melhor do que por um outro feito por um mau arquitecto. Mas a questão é efetivamente outra. É uma questão de qualificação profissional, de acordo com o que o próprio Estado estabeleceu, já há alguns anos atrás, quando decidiu delegar determinados poderes nas Ordens profissionais, nomeadamente de Arquitectos e de Engenheiros.
    Cada macaco no seu galho. E já agora, Sr. Santos, fique a saber que um arquiteto não pode assinar um Termo de Responsabilidade por um projeto de estabilidade e que a Certificação Energética foi aberta a uma série de profissionais, entre eles engenheiros e arquitectos. E que os exames de acesso para Perito Qualificado do Sistema de Certificação Energética eram iguais para todos. Arquitetos e Engenheiros.
    Na posse desta informação, talvez o seu escalão de ignorância num eventual imposto futuro desça um ou dois pontos.

  5. Sr. Arquitecto, membro da O.A., explique onde está a diferença na qualidade de um projecto elaborado por arquitectos membros ou não da O.A. ? Não sou Arquitecto e não entendo o porquê de só sendo membro da Ordem poder projectar ou subscrever projectos de Arquitectura.

RESPONDER

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …

Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise. A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo …

Kibus: o aparelho que vai revolucionar a forma como os nossos cães se alimentam

Ter cães como melhores amigos pode ser muito benéfico, mas também traz a sua dose de trabalho e responsabilidades. Levar ao veterinário, dar banho, levar a passear, brincar, dar de comer... No fundo é como …