Cientistas podem ter descoberto a verdadeira origem da canábis

A origem da canábis é um mistério, mas a análise de pólen antigo sugere que a planta evoluiu cerca de três quilómetros acima do nível do mar no planalto tibetano.

Documentos que datam da Idade Média mostram que os humanos têm formulado hipóteses sobre as origens geográficas da canábis há mais de mil anos, com o famoso polímata árabe Ibn Wahshiyya a sugerir a Índia ou a China. Mas a raridade dos fósseis impressos no registo histórico tornou difícil identificar algo mais específico do que a Ásia Central.

“Apesar da literatura volumosa e emergente das últimas três décadas, a origem da canábis permanece em debate”, explica um novo estudo realizado por uma equipa liderada pelo investigador John McPartland, da Universidade de Vermont, nos Estados Unidos.

Para superar a falta de fósseis impressos, os cientistas decidiram recorrer a outra via: pólen de plantas do género Cannabis, estudado pela primeira vez na década de 1930 para ajudar a traçar a longa e misteriosa história da planta.

No mais recente estudo, McPartland e a sua equipa analisaram 155 estudos de pólen de fósseis existentes na Ásia. Uma das maiores dificuldades sentidas pela equipa foi o facto de muitos desses grãos de pólen de canábis surgirem misturados com plantas do género Humulus. Os grãos são muito semelhantes, dado que ambas as plantas divergiram uma da outra há cerca de 28 milhões de anos.

De modo a contornar estas questões de identificação, os cientistas usaram uma técnica estatística na qual diferenciaram probabilisticamente os pólenes baseados noutras plantas comuns na região, incluindo as pertencentes ao género Artemisia.

Segundo o ScienceAlert, os resultados sugerem que a origem geográfica mais provável da canábis, mesmo que seja uma hipótese impossível de provar, é o planalto do Tibete. “Superamos a lacuna temporal entre a data de divergência e o pólen mais antigo, mapeando a primeira aparição de Artemisia”, escreve a equipa de cientistas.

“Os dados convergem no planalto tibetano do nordeste, que deduzimos como o centro de origem da canábis, na vizinhança do lago Qinghai”. O artigo científico foi publicado na Vegetation History and Archaeobotany.

Os cientistas acreditam que a canábis se espalhou, posteriormente, para o oeste, chegando à Rússia e à Europa há cerca de 6 milhões de anos. A leste, alcançou a China há 1,2 milhões de anos. O planalto tibetano pode ter impulsionado a evolução desta planta, concluem os investigadores.

“O planalto tibetano formou-se graças à colisão entre as massas de terra da Índia e da Ásia. Em certo modo, podemos agradecer às placas tectónicas pela evolução da canábis”, remata McPartland.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Uma das espécies vegetais que mais presenças conta nos registos arqueológicos e antropológicos.
    A sua presença e uso pelos humanos precede a religião.
    E esta?!?!…

RESPONDER

Paulo Gonçalves. Seguradoras atrasam autópsia e trasladação do corpo para Portugal

Paulo Gonçalves faleceu no domingo, aos 40 anos, na sequência de uma queda sofrida ao quilómetro 273 da sétima de 12 etapas do Rali Dakar. Exigências das seguradoras quanto a despistes toxicológicos ao corpo de Paulo …

Estivadores vão fazer greve em Setúbal e ameaçam fazer o mesmo em Lisboa

O Sindicato dos Estivadores e Atividade Logística (SEAL) revelou esta sexta-feira que vai entregar já na segunda-feira um pré-aviso de greve no Porto de Setúbal e ameaça fazer o mesmo no Porto de Lisboa. “Os trabalhadores …

Segundo maior diamante transforma-se em joias Louis Vuitton

Depois de cortado e polido, o segundo maior diamante da história será transformado numa coleção de joias da Louis Vuitton. A Lucara Diamond encontrou o diamante Sewelo, de 1.758 quilates, na sua mina do Botswana, no …

Filho do presidente da Câmara de Pedrógão Grande "sem memória" no caso da reconstrução de casas

O adjunto do presidente da Câmara de Pedrógão Grande, Telmo Alves, que também é filho do autarca, disse em Tribunal que desconhece o processo de reconstrução das casas ardidas no incêndio no concelho, em 2017, …

Joacine não está inscrita no congresso do Livre

De acordo com o semanário Expresso, a deputada única do Livre não se inscreveu na reunião magna do partido, que se realiza este fim de semana, em Lisboa. A deputada do Livre, Joacine Katar Moreira, e …

"Há condições para avançar" com o alargamento da ADSE

"Há condições para avançar" com o alargamento da ADSE aos contratos individuais do Estado e aos precários regularizados no PREVPAP, disse Alexandra Leitão, esta sexta-feira, no Parlamento. A ministra da Modernização do Estado e da Administração …

Países "lutam" por fundos europeus para neutralizar emissões de carbono

Um novo fundo de 100 mil milhões destinado a neutralizar as emissões de dióxido de carbono na Europa até 2050 está em disputa por vários países. A Comissão Europeia quer implementar um fundo de 100 mil …

Tribunal japonês suspende atividade de reator nuclear que tinha recebido luz verde

Um tribunal no Japão ordenou esta sexta-feira que o reator nuclear da central de Ikata (oeste do país) pare por razões de segurança, numa decisão que revoga uma anterior que deu luz verde ao seu …

Panamá. Sete corpos encontrados em vala comum em área indígena controlada por seita religiosa

Os corpos de sete pessoas foram encontrados na quinta-feira numa vala comum numa área indígena do Panamá controlada por uma seita religiosa, entre eles o de uma grávida e cinco dos seus filhos. Outras 15 …

Deixar de dar aulas com mais de 60 anos só no pré-escolar e 1.º ciclo

A possibilidade de os professores com mais de 60 anos deixarem de dar aulas para "desempenhar outras atividades", prevista no Orçamento do Estado de 2020, será apenas aplicada ao pré-escolar e 1.º ciclo, esclareceu o …