Cientistas podem ter descoberto a verdadeira origem da canábis

A origem da canábis é um mistério, mas a análise de pólen antigo sugere que a planta evoluiu cerca de três quilómetros acima do nível do mar no planalto tibetano.

Documentos que datam da Idade Média mostram que os humanos têm formulado hipóteses sobre as origens geográficas da canábis há mais de mil anos, com o famoso polímata árabe Ibn Wahshiyya a sugerir a Índia ou a China. Mas a raridade dos fósseis impressos no registo histórico tornou difícil identificar algo mais específico do que a Ásia Central.

“Apesar da literatura volumosa e emergente das últimas três décadas, a origem da canábis permanece em debate”, explica um novo estudo realizado por uma equipa liderada pelo investigador John McPartland, da Universidade de Vermont, nos Estados Unidos.

Para superar a falta de fósseis impressos, os cientistas decidiram recorrer a outra via: pólen de plantas do género Cannabis, estudado pela primeira vez na década de 1930 para ajudar a traçar a longa e misteriosa história da planta.

No mais recente estudo, McPartland e a sua equipa analisaram 155 estudos de pólen de fósseis existentes na Ásia. Uma das maiores dificuldades sentidas pela equipa foi o facto de muitos desses grãos de pólen de canábis surgirem misturados com plantas do género Humulus. Os grãos são muito semelhantes, dado que ambas as plantas divergiram uma da outra há cerca de 28 milhões de anos.

De modo a contornar estas questões de identificação, os cientistas usaram uma técnica estatística na qual diferenciaram probabilisticamente os pólenes baseados noutras plantas comuns na região, incluindo as pertencentes ao género Artemisia.

Segundo o ScienceAlert, os resultados sugerem que a origem geográfica mais provável da canábis, mesmo que seja uma hipótese impossível de provar, é o planalto do Tibete. “Superamos a lacuna temporal entre a data de divergência e o pólen mais antigo, mapeando a primeira aparição de Artemisia”, escreve a equipa de cientistas.

“Os dados convergem no planalto tibetano do nordeste, que deduzimos como o centro de origem da canábis, na vizinhança do lago Qinghai”. O artigo científico foi publicado na Vegetation History and Archaeobotany.

Os cientistas acreditam que a canábis se espalhou, posteriormente, para o oeste, chegando à Rússia e à Europa há cerca de 6 milhões de anos. A leste, alcançou a China há 1,2 milhões de anos. O planalto tibetano pode ter impulsionado a evolução desta planta, concluem os investigadores.

“O planalto tibetano formou-se graças à colisão entre as massas de terra da Índia e da Ásia. Em certo modo, podemos agradecer às placas tectónicas pela evolução da canábis”, remata McPartland.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Uma das espécies vegetais que mais presenças conta nos registos arqueológicos e antropológicos.
    A sua presença e uso pelos humanos precede a religião.
    E esta?!?!…

RESPONDER

A longo prazo, o distanciamento social pode até ser melhor para a economia

O isolamento social durante uma pandemia, como é o caso da covid-19, que já fez mais de 48.000 vítimas mortais por tudo o mundo, pode revelar-se melhor para a economia a longo prazo, revelou uma …

Elon Musk doou 1.000 ventiladores a hospitais (mas eram do tipo errado)

Nos últimos dias, Elon Musk, CEO da Tesla, recebeu muitos elogios por ter doado mil ventiladores a hospitais da Califórnia, que enfrentam um número esmagador de casos de coronavírus. Porém, os ventiladores não eram do …

Coronavírus pode replicar-se na boca e nariz durante uma semana antes de infetar pulmões

O coronavírus pode permanecer e replicar-se na boca e no nariz durante uma semana antes de infetar aos pulmões, à traqueia e aos brônquios, revela um estudo, que mostra igualmente que é expulso do organismo …

PSP vai utilizar câmaras portáteis em drones no estado de emergência

A PSP vai utilizar 20 câmaras portáteis de videovigilância, 18 das quais vão ser instaladas em ‘drones’, durante o estado de emergência devido à pandemia de covid-19, anunciou esta quinta-feira o Ministério da Administração Interna …

Em Nova Iorque, prisioneiros são usados para cavar valas comuns

Nova Iorque está a oferecer seis dólares por hora e material de proteção individual aos prisioneiros de Rikers Island que aceitem ajudar a cavar valas comuns. Projeções da Fundação Gates apontam que, em Nova Iorque, o …

EUA estará a pagar para desviar carregamentos de máscaras adquiridas por França

As autoridades francesas estão a acusar os Estados Unidos de terem pago para desviar um carregamento de máscaras faciais oriundo da China. Este episódio é apenas mais um na saga sobre a escassez de máscaras de …

Cerca de 1200 reclusos podem vir a ser libertados

Cerca de 1200 reclusos podem vir a ser libertados antecipadamente para prevenir a propagação da pandemia de covid-19 no meio prisional, revelou esta quinta-feira a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, em declarações à RTP3. A …

OMS e EUA ponderam alargar recomendação para uso de máscaras

A Organização Mundial de Saúde (OMS) vai reavaliar as suas recomendações sobre o uso de máscaras para prevenir a contaminação com covid-19, disse esta quinta-feira o presidente do grupo de especialistas que vai discutir o …

Covid-19. Mais de 95% das vítimas mortais na Europa tinham mais de 60 anos

O diretor regional para a Europa da Organização Mundial de Saúde (OMS), Hans Kluge, revelou esta quinta-fera que mais de 95% das vítimas mortais da covid-19 na Europa têm mais de 60 anos de idade. Em …

Curva portuguesa mostra abrandamento de novos casos (mas é preciso "cautela")

Portugal tem assistido desde o dia 25 de março a um abrandamento do aumento percentual diário de novos casos de covid-19, segundo dados divulgados pelo Barómetro Covid-19 da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP). Segundo Carla …