Os trabalhadores que não conseguem pagar rendas: “Tenho um emprego, mas não tenho casa”

Uma em cada 200 pessoas na Grã-Bretanha dorme nas ruas ou em acomodações temporárias – como albergues e pousadas -, de acordo com uma análise da instituição de caridade Shelter. Mas, apesar de não ter um lar, uma percentagem significativa dessas pessoas tem emprego.

Geralmente, conseguir um emprego é a solução apontada para tirar as pessoas das ruas. Mas a realidade não é bem assim. Num discurso sobre o combate aos sem-abrigo, a ex-primeira-ministra britânica Theresa May disse que lidar com esse problema “é mais do que apenas arranjar acomodação. O principal é garantir que as pessoas possam trabalhar e receber e não se encontrar nessa situação”.

Um emprego, contudo, nem sempre oferece um caminho para sair da pobreza e muitas pessoas que estão a trabalhar continuam a enfrentar a insegurança habitacional, noticiou o Phys Org.

A análise da Shelter revelou que 55% das famílias em acomodações temporárias têm trabalho e que o aumento da falta de moradia para os trabalhadores está a ser impulsionado por uma combinação de alugueres caros, o congelamento contínuo dos benefícios habitacionais e uma falta crónica de moradias sociais.

Uma nova pesquisa do Phys Org revelou as experiências de 18 trabalhadores sem-abrigo ou em risco de ficarem sem casa no país de Gales, na qual descobriram que os mesmos perderam as suas casas por vários motivos, incluindo despejo, fim de relacionamentos e o término de contratos de arrendamento de curto prazo.

De acordo com a pesquisa, os entrevistados esforçaram-se para arcar com os custos iniciais de um novo arrendamento – depósitos e taxas das agências. Mas os baixos salários acabaram por não lhes permitir arrendar. E, mesmo os que o podiam fazer, eram muitas vezes discriminados pelos proprietários, que não aceitavam inquilinos que recebiam subsídio de habitação.

Opções limitadas

Segundo os entrevistados, permanecer no trabalho enquanto sem-abrigo “é muito desafiador”. Um dos inquiridos contou sobre a dificuldade em se manter apresentável, visto não ter um local onde possa lavar as roupas.

O local de trabalho também pode limitar as opções de moradia das pessoas, pois encontrar um alojamento acessível a uma curta distância é outros dos desafios. Assim como as condições dos locais de arredamento temporário, que nem sempre são as adequadas.

Muitos participantes, relatou o Phys Org, sentiam que estavam por conta própria. E, sem outras opções, alternavam entre dormir nas ruas, nos sofás de conhecidos e em carros ou caravanas. Outros optam por acomodações inadequadas: “Encontramos uma casa, mas não é adequada. Sem aquecimento central e com humidade, o meu filho tem asma”, relatou um dos entrevistados.

Outro dos participantes endividou-se para ter acesso a uma acomodação permanente. Enquanto livrou-se da ameaça imediata de falta de moradia, vive agora numa casa que não pode pagar.

Como destacou a pesquisa, ter simplesmente um emprego não é uma solução direta para os sem-abrigo. Caso o Reino Unido pretenda, de facto, resolver essa situação, outras questões mais amplas têm que ser solucionadas, como a baixa remuneração, o trabalho temporário e inseguro e falta de moradias mais acessíveis, concluiu o Phys Org.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

GNR já passou 2200 coimas por falta de limpeza de terrenos. Mais de cem câmaras multadas

Mais de uma centena de câmaras municipais foram multadas por falta de limpeza de terrenos, sendo a ausência de tratamento nas margens das estradas e junto às linhas de distribuição elétrica a principal infração registada …

Presidente do Governo da Catalunha pede a Filipe VI que abdique

O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, pediu na terça-feira ao rei Filipe VI que abdique e solicitou ao presidente do parlamento que convoque uma sessão plenária extraordinária para estabelecer uma "posição comum" …

Virologista chinesa diz que novo coronavírus foi "criado em laboratório militar"

A virologista chinesa que fugiu para os Estados Unidos deu mais uma entrevista onde assegura que o novo coronavírus foi "criado num laboratório militar". Numa nova entrevista, citada pelo jornal online Observador, Li Meng-Yan, a virologista …

Ministério da Saúde abre 435 vagas para médicos de família

É o maior número de vagas dos últimos anos colocadas a concurso para a contratação de médicos especialistas em medicina geral e familiar para o SNS. De acordo com o jornal Público, o Ministério da Saúde …

MP brasileiro processa pastor por anunciar cura com feijões para a covid-19

O Ministério Público brasileiro pediu a abertura de um processo contra o pastor evangélico Valdemiro Santiago e a Igreja Mundial do Poder de Deus, que anunciaram a cura da covid-19 a partir do cultivo de …

Dívida do Estado à ADSE ascende a 200 milhões de euros

A dívida do Estado à ADSE, em 2019, ascendia a 198,2 milhões de euros, segundo o parecer do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) ao relatório e contas do ano passado, publicado no site do …

Governo dos Açores violou Constituição ao impor quarentena obrigatória

O confinamento obrigatório de 14 dias que o governo regional dos Açores tem imposto a quem chega à região autónoma é inconstitucional, dizem os juízes do Tribunal Constitucional. As autoridades açorianas violaram a Constituição ao impor …

China caminha a passos largos para a normalidade. Gaming, cerveja e Ikea dão empurrão

A China não regista, desde 17 de maio, vítimas mortais causadas pelo novo coronavírus. No entanto, há dois surtos ativos que parecem não impedir a população de caminhar em direção à normalidade. À semelhança do resto …

No regresso ao Superior, o Ministério recomenda aulas presenciais, com máscara e ao sábado

No regresso do Ensino Superior, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior recomenda que voltem as aulas em regime presencial com uso obrigatório de máscara e algumas das quais lecionadas ao sábado. Num comunicado …

"A profissionalização é fundamental". Este ano já morreram quatro bombeiros, todos voluntários

Nos incêndios deste ano já morreram quatro bombeiros. O último ano tão mortífero foi 2013, em que sete bombeiros perderam a vida. Em comparação, nos incêndios de 2019, não se registaram vítimas mortais entre esses profissionais. Como …