Tancos. Armas recuperadas na encenação com o ladrão podem não ser as roubadas

Paulo Novais / Lusa

Militares à entrada dos Paióis Nacionais do Polígono Militar de Tancos

O roubo e a posterior recuperação das armas de Tancos continuam envoltos em suspeitas e dúvidas. E perante as discrepâncias nas listas do material roubado e do que foi recuperado, há quem acredite que a encenação pode ter sido ainda maior do que aquilo que já se sabe.

Quando o Ministério Público tem a decorrer duas investigações – uma ao roubo de armas em Tancos e outra ao processo de recuperação das mesmas -, prossegue uma onda de mistério em torno do caso.

A divulgação da lista com o material de Tancos que foi recuperado em Outubro de 2017, numa acção encenada entre elementos da Polícia Judiciária Militar (PJM) e o alegado ladrão, um ex-militar indiciado por tráfico de drogas e armas, faz aumentar as suspeitas.

É que a listagem enviada à Comissão Parlamentar de Defesa aponta a falta de cinco granadas e mais de 30 cargas de explosivos, bem como a existência de material “a mais”, relativamente à lista do material roubado que foi inicialmente apresentada.

Poderá tratar-se de um mero erro no inventário do armamento dos Paióis, mas há quem suspeite que as armas recuperadas podem nem sequer ser as armas roubadas, e que “o roubo poderá ter tido maiores dimensões”, como destaca o semanário Sol.

A encenação pode ter tido proporções ainda maiores, admite o jornal, citando fontes militares que referem que o aparecimento das armas “visou apenas encobrir um roubo que terá sido muito maior“.

Costa disponível para ir ao Parlamento dar explicações

Entretanto, o primeiro-ministro António Costa está disponível para declarar na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre o caso. Está “totalmente disponível” para responder às perguntas da CPI, avança o semanário Expresso na sua edição impressa deste sábado, citando fontes oficiais.

O Parlamento português aprovou na semana passada a criação de uma CPI ao caso de Tancos que já levou à detenção de oito militares por suspeitas de encobrimento, e que precipitou a demissão do anterior ministro da Defesa, Azeredo Lopes.

O ministro da Administração Interna (MAI) nega, entretanto, ter tido “conhecimento nem qualquer informação relativa à recuperação das armas” furtadas, numa resposta escrita a uma pergunta endereçada pelo PSD, conforme cita a agência Lusa.

O líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, e o deputado Carlos Peixoto, perguntaram ao MAI, Eduardo Cabrita, se teve conhecimento do caso de Tancos, face às notícias do envolvimento de três elementos da GNR no processo de encobrimento na recuperação das armas.

O ministro nega esse conhecimento e recorda que “não exercia as funções de MAI à data da recuperação do material furtado”.

Eduardo Cabrita lembra ainda que, uma semana depois de ser tornada pública a Operação Húbris, que investiga a encenação na recuperação das armas, determinou a abertura, pela Inspecção-Geral da Administração Interna, de “processos de inquérito para apuramento de responsabilidades disciplinares relativamente a dois sargentos e dois guardas da GNR”.

Entre os arguidos do inquérito estão o ex-diretor da PJM, que está em prisão preventiva, o investigador e ex-porta voz da PJM, o alegado responsável pelo furto e três elementos do Núcleo de Investigação Criminal da GNR de Loulé.

ZAP // Lusa / EFE

PARTILHAR

11 COMENTÁRIOS

  1. Que se lixe, enquanto a função pública tiver aumentos e os artistas continuarem a rir, a geringonça há-de continuar a andar.
    Viva Portugal, este país civilizado!

  2. Novas suspeitas ? Há já vários dias / semanas que ouvi um comentário que , as armas recuperadas tinham vindo de outros paióis . . . Que fazia parte da encenação ! Já foram revistar outros depósitos de armamento ? ?

  3. O costa e o feijão frade devem saber de tudo. Eles são muito amiguinhos e a última que fizeram em conjunto foi o cozinhado para correr com a Marques Vidal. Ela andava a chatear os amigos deles e afilhados e é preciso alguém que arquive e destrua tudo. Alguém tipo pintainho e noronha.

    • Esquece-se de dizer que o Processo dos submarinos foi arquivado pela Procuradora Marques Vidal. Porque terá sido? É por isso que o PSD e CDS gostavam tanto dela, porque no caso em que entravam “roubos” dos seus, ela arquivava.

  4. Numa qualquer firma já teriam sido descobertos há muito tempo e despedidos os ladrões com justa causa,
    como se trata dos feijões verdes com armas na mão ha que ter cuidado, pode vir acontecer um novo 25 de Abril, penso eu

    • Depende da “qualquer firma”… no BES, PT, etc, os gestores eram “premiados” internacionalmente e o resultdo foi o que se sabe…
      Isto para não falar no Lehman Brothers, o maior banco de investimento do mundo, que num dia era triple A e no outro estava completamente falido… e que “só” levou a uma crise mundial…
      Mas, não há dúvidas que este caso de Tancos é uma vergonha para todos os militares (e ex-militares, como eu!) e tem que ser esclarecido até às últimas consequências…
      Os comandantes das unidades responsáveis pela segurança dos paiois de Tancos tem que ser todos chamados à responsabilidade e, no minimo, ser despedidos com justa causa!!

  5. Ainda vamos todos descobrir que Tancos afinal… não existe, nem nunca existiu. E desse modo nunca poderia ter havido qualquer roubo de uma base que nunca existiu.

RESPONDER

Devolução de manuais. Diretores acusam políticos de "brincar às escolinhas"

Os diretores escolares criticaram hoje o 'timing' da proposta de suspensão de devolução de manuais escolares, acusando os políticos de andar a “brincar às escolinhas” sem perceberem o trabalho que implica reutilizar milhões de livros. O …

Passageiros dos EUA e PALOP têm de apresentar teste negativo de covid-19

O Governo prorrogou várias medidas restritivas do tráfego aéreo com destino e a partir de Portugal, com novas orientações e exceções, num despacho publicado terça-feira em Diário da República. Segundo noticiou o Expresso, um comunicado do …

PGR angolana diz que Isabel dos Santos pode ser ouvida em Portugal

Isabel dos Santos pode ser ouvida em Portugal ou noutro país com acordos judiciários com Angola, no âmbito do processo-crime por alegada má gestão e desvio de fundos da Sonangol, disse à Lusa fonte da …

Autoridades descartam participação da milícia "Escritório do Crime" no caso Marielle Franco

O envolvimento da milícia conhecida como "Escritório do Crime" no homicídio da vereadora e ativista Marielle Franco chegou a ser investigado, mas foi descartado pela polícia brasileira. O delegado brasileiro Daniel Rosa, da cidade do Rio …

Desconfinamento não foi suficiente. Desemprego volta a subir em Espanha para valores de 2016

O número de desempregados inscritos nos serviços públicos de emprego em Espanha voltou a aumentar em 5.107 pessoas em junho, uma desaceleração em relação a maio, atingindo um total de 3.862.883 espanhóis. De acordo com os …

Governo vai monitorizar discurso de ódio na Internet

O Governo vai monitorizar o discurso de ódio nas plataformas online, estando "em vias" de dar início à contratação pública de um projeto que deverá traduzir-se num barómetro mensal de acompanhamento e identificação de sites. Segundo …

Tribunal britânico decide que é Guaidó (e não Maduro) quem manda nas reservas de ouro da Venezuela

A justiça britânica decidiu esta quinta-feira que é o líder da oposição venezuelana Juan Guaidó e não o Presidente Nicolás Maduro quem tem autoridade sobre as reservas de ouro da Venezuela depositadas no Banco de …

Mistério resolvido. Cientistas descobriram como é que as cobras "voam"

Nem todas as cobras se movem arrastando-se discretamente pelo chão. Há uma cobra do género Chrysopelea que parece voar de árvore em árvore. Agora, os cientistas descobriram como é que estes animais se movem pelo …

Mais de 80 mil pessoas registaram-se na Segurança Social desde janeiro

O programa “Segurança Social na Hora”, criado em janeiro deste ano, abrangeu até ao momento 80.700 pessoas, de acordo com os dados divulgados pela ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS). Ana Mendes Godinho avançou …

Douro. Poluição regressa a valores anteriores ao estado de emergência

Os valores de contaminação do estuário do rio Douro, que durante o estado de emergência baixaram a níveis só vistos há mais de 30 anos, já regressaram aos valores pré-pandemia. As boas notícias "rapidamente se esfumaram". …