/

Sintomas da variante Ómicron são diferentes dos provocados pela Delta, afirma médica que identificou primeiros casos

Luís Fonseca / Lusa

Médica sul-africana alertou os especialistas e investigadores que aconselham o Governo do seu país para a diferente sintomatologia apresentada pelos seus pacientes.

Angelique Coetzee, a médica que alertou os responsável políticos sul-africanos para a existência de uma nova variante no país, veio esclarecer que ao longo da sua pesquisa chegou à conclusão que os identificados com esta nova variante — agora conhecida como Ómicron — têm sintomas distintos dos associados à variante Delta. A investigadora ressalvou, ainda assim, que é cedo para tirar conclusões sobre a agressividade ou resistência da variante, mas também se a doença que dela resulta é mais forte ou resistente aos medicamentos existentes.

Segundo Angelique Coetzee, os doentes infetados com a nova variante tendem a queixar-se de “fadiga, dores de cabeça e no corpo, dores de garganta ocasionais e tosse“, ao passo que, com a variante Delta, os sintomas mais recorrentes são pulsações elevadas, baixos níveis de oxigénio e perda de olfato e paladar. Ao jornal britânico The Telegraph, a médica já tinha avançado que os sintomas associados à variante Ómicron são “moderados, embora invulgares”.

Como exemplo, evocou o caso de um homem de 30 anos que se queixava de cansaço e dores de cabeça moderadas, não apresentando mais nenhum sintomatologia associada tipicamente à covid. “Os sintomas [de pacientes como Ómicron] eram muito diferentes e moderados comparativamente aos que tenho tratado no passado”, disse à Bloomberg.

A médica decidiu iniciar a investigação quando, em novembro, se apercebeu que chegavam ao seu consultório, em Pretória, o epicentro dos casos de covid-19 registados em África do Sul nas últimas semanas, poucos doentes covid-19 e muitos a apresentarem os mesmos sintomas (referidos acima). Foi aí que decidiu informar os cientistas e especialistas que aconselham o Governo sul-africano para este facto, com os laboratórios do país a identificarem a nova variante na semana seguinte.

“Achei que estes sintomas tão diferentes não podiam estar ligados à variante Delta”, disse a médica, citada pelo Público. “Não acho [que a variante] vá desaparecer, mas acho que causará uma doença ligeira. Pelo menos é o que espero. Por agora, estamos confiantes de que podemos lidar com isto.”

A médica, citada pela mesma fonte, acrescentou que a maioria dos pacientes que acompanha e na qual foi identificada a variante são homens saudáveis e que reportavam um cansaço foram do normal — além disso, metade não tinham sido vacinados.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.