Mais de 75 anos depois, finalmente sabemos quem terá traído Anne Frank

Uma investigação aprofundada concluiu que o denunciante mais provável terá sido um notário judeu conhecido em Amesterdão, que terá traído os Frank para salvar a sua própria família dos campos de concentração.

A história é conhecida de todos nós, especialmente entre quem já leu o seu diário. Em 1945, com apenas 15 anos, Anne Frank morreu num campo de concentração nazi, depois de, a 4 de Agosto de 1944, os soldados terem descoberto o anexo onde a jovem judia viveu escondida com a família durante dois anos, em Amesterdão.

Quem já viu imagens ou visitou a Casa de Anne Frank — o museu criado no anexo onde a família viveu — pode perguntar-se, mas afinal, como é que os nazis descobriram o esconderijo dos Frank? Será que alguém os denunciou? Se sim, porquê?

Em 2016, uma investigação da Casa de Anne Frank concluiu até que o grupo tinha sido encontrado por acaso, quando a polícia que investigava a pequena criminalidade económica fazia buscas ao prédio por suspeitarem que este albergava um negócio ilegal de senhas de alimentação.

Mas há seis anos uma equipa de cerca de 20 historiadores e especialistas liderada por um ex-agente do FBI também se lançou em busca da resposta a este mistério — e chegou a uma conclusão diferente.

Segundo estes peritos, a família Frank foi traída por Arnold van den Bergh, um notário judeu conhecido na capital holandesa, que os terá denunciado para salvar a sua própria família.

Van den Bergh era um membro do Conselho Judaico de Amesterdão, um órgão que foi obrigado a implementar as políticas nazis nas comunidades de judeus. Foi dissolvido em 1943 e os seus membros foram enviados para campos de concentração, revela a BBC.

Mas o notário escapou a este destino e continuou a viver em Amesterdão normalmente. Já havia também suspeitas de que um membro do Conselho estivesse a dar informações aos nazis.

“Quando van den Bergh perdeu a sua série de protecções que o impediam de ir para os campos, teve de dar algo valioso aos nazis com quem tinha contacto para que o deixassem e à sua mulher a salvo”, revela Vince Pankoke, ex-agente do FBI, à CBS.

A descoberta foi feita após seis anos de investigação que recorreu ao uso de algoritmos para procurar ligações entre listas de informadores dos nazis, registos policiais e resultados de investigações anteriores, algo que demoraria milhares de horas se fosse feito por um humano.

A informação reunida foi cruzada com um mapa da cidade, para se assinalarem os suspeitos mais prováveis. Foi depois tido em conta o conhecimento dos suspeitos do anexo onde os Frank se esconderam e poderaram-se também os motivos que poderiam ter para denunciarem a família. O processo da investigação está relatado ao detalhe no livro The Betrayal of Anne Frank: A Cold Case Investigation.

A equipa revelou que foi difícil aceitar que a revelação tenha partido de outra pessoa judia. Otto Frank, pai de Anne e o único sobrevivente da família, pode também ter sabido da identidade do denunciante e mantido o segredo, já que uma investigação anterior tinha encontrado uma cópia de uma carta anónima que lhe tinha sido enviada que avançava que tinha sido Arnold van den Bergh a traí-lo.

Otto pode ter escolhido manter esta informação privada para não alimentar mais ódio anti-semita. “Talvez ele tenha sentido que trazer o assunto de volta só fosse causar mais problemas. Temos de ter em mente que o facto de van den Bergh ser judeu apenas significa que foi colocado numa posição pelos nazis em que tinha de fazer algo para salvar a sua vida“, lembra Pankoke.

O jornal holandês Volkskrant avança que van den Bergh morreu em 1950 com cancro. Num comunicado, a Casa de Anne Frank congratulou o trabalho da equipa. Ronaldo Leopold, director do museu, acrescenta que a investigação “gerou informações novas importantes e uma hipótese fascinante que justifica mais pesquisas”.

O Diário de Anne Frank foi publicado em 1947, depois de ter sido guardado por Miep Gies, que ajudou a família Frank no esconderijo, e autorizado por Otto Frank, apesar de terem sido cortadas muitas passagens do documento original.

O livro está traduzido em mais de 60 línguas e já vendeu 30 milhões de cópias, sendo um dos retratos mais conhecidos da experiência dos judeus durante o Holocausto.

  Adriana Peixoto, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE