Ryan Mason sobre a lesão que pôs um fim à sua carreira: “Foi como uma bomba”

(cv)

Ryan Mason retirou-se do futebol após uma grave lesão na cabeça durante uma partida. O jogador recorda o momento em que aconteceu e como foi perceber que não voltaria a pisar os relvados.

Decorria o minuto 13 do jogo entre Chelsea e Hull City quando, na sequência de um canto, Gary Cahill e Ryan Mason chocam cabeças nas alturas. Os dois caem em dor, mas um deles sofreu mais as consequências do embate. O jovem, que era treinado na altura pelo português Marco Silva, não conseguiu recuperar e teve mesmo de sair de maca do campo.

O jogador foi encaminhado de imediato para o hospital e foi submetido a uma intervenção cirúrgica depois dos exames terem detetado uma fratura craniana e um derrame cerebral. Num texto publicado pela revista FourFourTwo, o inglês relembra, em primeira pessoa, o incidente.

“Eles ganharam um canto. A bola chegou, eu saltei para afastá-la e, de repente, senti uma  força a quebrar o meu crânio. Foi a pior dor imaginável”, recorda o ex-futebolista, agora com 29 anos.

“As pessoas presumem que não me lembro, mas eu lembro-me. Lembro-me do médico a correr, da dor imensa, de passar por todas as típicas verificações após qualquer lesão na cabeça. O teu corpo entra num estado natural de pânico e autopreservação quando te magoas gravemente – ele sabe quando há algo de muito errado. A dor era insuportável; foi como uma bomba a explodir na minha cabeça, em cheio na têmpora”, acrescenta.

O antigo jogador do Tottenham cumpria a sua primeira época ao serviço do Hull, tendo marcado até à altura dois golos em 20 jogos. Mason procurava recuperar a forma que o tinha levado à Seleção inglesa, onde somou uma única internacionalização.

Apenas uma hora depois de se ter lesionado, Mason já estava a ser operado no hospital. Quando acordou da cirurgia, lembra-se que o mínimo barulho era intolerável.

https://twitter.com/RyanMason/status/947509982706196480

“Estava tudo um bocado desfocado. Lembro-me de sentir muita dor. Havia tanto barulho que eles tiveram de me mudar para uma sala privada – eu não aguentava. Tive que ficar em completo silêncio porque qualquer pequeno barulho era demasiado. Até enfermeiras a sussurrar nos corredores pareciam gritar diretamente no meu ouvido”, escreve Mason.

Só seis meses depois da operação é que os médicos decidiram contar-lhe ao certo a sua situação. “Não me queriam sobrecarregar”, explica o inglês.

“No total, tenho 14 placas de metal no meu crânio, com 28 parafusos a segurá-las no lugar. Tinha ainda 45 agrafos e uma cicatriz de 15 centímetros na minha cabeça. Tirar os agrafos definitivamente não foi agradável”, salienta Mason.

No final de maio, quase cinco meses depois, pensou em voltar aos relvados. Passou duas semanas em Portugal, em junho, e trabalhou com dois fisioterapeutas do Hull. “Aquela pausa realmente deu-me a convicção de que eu poderia voltar”, relembra.

https://twitter.com/RyanMason/status/877895902861676544

Mais tarde, quando fez um TAC, os neurocirurgiões explicaram os riscos que envolvia o seu regresso aos relvados. Os especialistas explicaram que num curto espaço de tempo, conforme voltasse a cabecear bolas de futebol, poderia ganhar demência ou epilepsia. Foi então que Ryan Mason percebeu que não voltaria aos relvados.

“O futebol é algo que ainda adoro e, felizmente, estou em forma para dar um pontapé ou outro. Infelizmente, não era seguro voltar a jogar profissionalmente. Definitivamente acho que teria conquistado muito – certamente acho que teria conquistado mais internacionalizações pela Inglaterra”, lamenta.

Daniel Costa, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Dupla de cientistas apresenta uma nova abordagem para reciclar plástico

Um novo estudo oferece uma abordagem totalmente nova para reciclar plástico, tendo sido inspirada na forma como a natureza naturalmente "recicla" os componentes dos polímeros orgânicos presentes no ambiente. As proteínas são um dos principais compostos …

Edição de 2021 da Web Summit recebe 40 mil participantes. Moedas como presidente não será problema

Evento, que se realiza entre 1 e 4 de Novembro, volta a decorrer em formato presencial depois de em 2020 a pandemia ter transferido as atividades para o ambiente digital. O presidente executivo da Web Summit, …

Alunos carenciados com desempenho inferior aos dos mais favorecidos

Mesmo tendo acesso a meios digitais, o desempenho dos alunos carenciados foi sempre “inferior” aos dos seus colegas oriundos de meios mais favorecidos.  Segundo noticia o Público, esta é uma das principais conclusões a que chegou …

José Rendeiro condenado a três anos e seis meses de prisão efetiva

Embaixador jubilado Júlio Mascarenhas acusa o BPP de o ter convencido a investir num produto com juros e capital garantido num momento em que o banco já atravessava sérias dificuldades. O antigo presidente do Banco Privado …

Cantor R. Kelly declarado culpado por crime organizado e tráfico sexual

O cantor norte-americano R. Kelly foi esta segunda-feira declarado culpado por crime organizado e tráfico sexual, após um julgamento em Nova Iorque, nos Estados Unidos da América (EUA), que decorreu durante seis semanas, no qual …

"A FIFA engloba 211 países e 133 nunca estiveram num Mundial"

Arsène Wenger apresenta argumentos para defender a realização de um campeonato do mundo de dois em dois anos. O novo calendário FIFA continua a originar reacções e entrevistas. Arsène Wenger falou sobre as propostas - a …

Responsáveis do Lar do Comércio acusados por 67 crimes de maus tratos

O Ministério Público (MP) imputou 67 crimes de maus tratos, 17 deles agravados por resultarem em morte, a um ex-presidente e a uma diretora de serviços do Lar do Comércio, em Matosinhos. Num processo em que …

Sporting: espanhóis analisam o "maior" Haaland

Avançado do Borussia Dortmund apresenta recordes que, nem Messi, nem Cristiano, tinham. O Sporting entra em campo para a segunda jornada da Liga dos Campeões, diante de um Borussia Dortmund que tem no seu plantel uma …

Escola proíbe alunos de levarem almoço de casa. Ministério da Educação fala em “recomendação”

Interpretações distintas das normas emitidas pelo Ministério da Educação e a inexistência de equipamentos para aquecer as refeições em linha com as recomendações de segurança motivadas pela covid-19 podem estar na origem da decisão. Os alunos …

Autárquicas foram prova de vida para o CDS. Rodrigues dos Santos respira, Melo põe-se à espreita

Nuno Melo já se tinha colocado em posição de ataque na corrida interna, mas terá de esperar. O CDS "está vivo" e as autárquicas foram prova disso. O CDS decidiu apoiar Carlos Moedas e não se …