Relógio do Apocalipse. Continuamos a 2 minutos do fim do Mundo

Jim Lo Scalzo / EPA

Relógio do Apocalipse está nos 100 segundos antes da meia-noite

A badalada da meia noite está quase a chegar, e já se passaram 75 anos. O relógio do Apocalipse passou este ano para os 100 segundos.

O Relógio do Juízo Final tem vindo a fazer “tic tac” há exatamente 75 anos, enquanto calcula o quão perto a humanidade está de destruir o mundo.

Esta quinta feira, o relógio foi ajustado para 100 segundos até à meia-noite — a mesma hora desde 2020.

O relógio não foi concebido para medir ameaças existenciais, mas sim para desencadear conversas sobre temas científicos como as alterações climáticas, de acordo com o Boletim de Cientistas Atómicos (BAS), que criou o relógio em 1947.

“Cem segundos até à meia-noite reflete que estamos presos num momento perigoso — um momento que não traz nem estabilidade nem segurança. Os desenvolvimentos positivos em 2021 não conseguiram contrariar as tendências negativas a longo prazo”, explicou Sharon Squassoni, co-presidente do Conselho de Ciência e Segurança do BAS, que estabelece o relógio.

Squasson é também professora e investigadora no Institute for International Science and Technology Policy, na Universidade George Washington.

O Boletim de Cientistas Atómicos da Universidade de Chicago foi um grupo de cientistas atómicos que trabalhou no Projeto Manhattan, o nome de código para o desenvolvimento da bomba atómica durante a Segunda Guerra Mundial.

Originalmente, foi concebido para medir as ameaças nucleares, mas em 2007 o Boletim tomou a decisão de incluir as alterações climáticas nos seus cálculos.

Ao longo dos últimos três quartos de século, o tempo do relógio mudou, de acordo com o quão perto o Homem está do Apocalipse, de acordo com os cientistas.

O Relógio do Apocalipse é fixado anualmente pelos peritos do Conselho de Ciência e Segurança do Boletim, em consulta com o seu Conselho de Patrocinadores.

Embora o relógio tenha sido um despertador eficaz quando se tenta relembrar as pessoas das crises em cascata que o planeta enfrenta, alguns questionaram a utilidade do relógio de 75 anos.

“É uma metáfora imperfeita”, refere Michael E. Mann, cientista climático da Universidade Estatal da Pensilvânia, em entrevista à CNN.

O especialista salienta que o enquadramento do relógio combina diferentes tipos de risco, com características diferentes, e que ocorrem em diferentes escalas de tempo.

Ainda assim, “continua a ser um importante dispositivo que nos recorda, ano após ano, da tenuidade da nossa existência neste planeta“, acrescenta.

Lawrence Krauss, físico teórico e antigo membro do Conselho de Patrocinadores do Boletim, realçou que pode ser difícil levar a sério os resultados do relógio, uma vez que este tem estado sempre próximo do fim da civilização nas últimas décadas.

Todos os anos, à medida que o relógio se aproxima da meia-noite, os cientistas averiguavam a quantidade de “bens imobiliários” disponíveis, antes de decidirem quão mais distante colocar o relógio.

“Agora, ele faz tic-tac em segundos, costumava ser minutos”, sublinhou Krauss. “Não se trata de uma avaliação científica quantificável, mais de uma avaliação qualitativa. O que sempre foi importante é o movimento do relógio, não o seu valor absoluto“.

Cada modelo tem limitações, explicou Eryn MacDonald, analista do Programa de Segurança Global da União de Cientistas Preocupados, acrescentando que o Boletim tem tomado todos os anos decisões ponderadas sobre como chamar a atenção das pessoas para as ameaças existentes e para as medidas a tomar.

“Embora desejasse que pudéssemos voltar a falar de minutos até à meia-noite em vez de segundos, infelizmente isso já não reflete a realidade“, nota ainda.

E quando chegar a meia-noite?

O relógio nunca chegou à meia-noite, e Rachel Bronson, presidente e CEO do BAS, espera que nunca chegue.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“Quando o relógio atingir a meia-noite, isso significa que houve algum tipo de troca nuclear ou de alterações climáticas catastróficas que dizimaram a humanidade. Portanto, não queremos nunca chegar a esse ponto, e não vamos saber quando o fizermos”, observa a dirigente.

O tempo do relógio não se destina a medir as ameaças, mas sim a encorajar o envolvimento público em tópicos científicos como as alterações climáticas e o desarmamento nuclear. Se o relógio for capaz de o fazer, então Bronson vê-o como um sucesso. Quando uma nova hora é estabelecida no relógio, as pessoas ouvem, refere a CEO.

Nas conversações climáticas da COP26 em Glasgow, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson citou o Relógio do Juízo Final ao falar sobre a crise climática que o mundo enfrenta, observou Bronson.

A dirigente espera que as pessoas debatam sobre se concordam com a sua decisão e tenham conversas sobre quais são as melhores medidas a tomar.

Ainda há esperança

Segundo a Live Science, ainda é possível fazer recuar o relógio com ações ousadas e concretas. De facto, o ponteiro afastou-se da meia-noite com um enorme avanço de 17 minutos em 1991, quando a administração do Presidente George H.W. Bush assinou o Tratado Estratégico de Redução de Armas com a União Soviética.

Em 2016, o relógio estava a três minutos da meia-noite, em resultado do acordo nuclear iraniano e do acordo climático de Paris.

Ainda não é demasiado tarde para voltar atrás com os ponteiros do relógio e tornar o mundo mais seguro para as pessoas de todo o mundo, segundo o Boletim dos Cientistas Atómicos.

O ano passado incluiu “vários pontos brilhantes e muitas tendências perturbadoras”, incluindo o aumento alarmante da desinformação online, que travou o progresso da mitigação da pandemia de covid-19, e dificultou estratégias para lidar com as alterações climáticas, acrescentou Bronson.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Os desastres climáticos também dominaram as notícias em 2021, com ondas de calor recordes, inundações e incêndios florestais.

As propostas e ações para reduzir a utilização de combustíveis fósseis e substituí-los por infraestruturas energéticas sustentáveis estão a ficar muito aquém do que seria necessário para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa o suficiente, para evitar os piores cenários previstos pelos modelos climáticos, de acordo com a declaração da BAS.

“Todos os anos as atividades humanas continuam a encher a atmosfera com dióxido de carbono, e isso faz subir quase irreversivelmente o preço do sofrimento humano e da destruição do ecossistema, resultantes das perturbações climáticas globais”, alerta Raymond Pierrehumbert, membro do conselho do BAS, e professor de física na Universidade de Oxford.

Embora não seja possível fazer recuar o relógio sobre as alterações climáticas ou o impacto da covid-19, empurrar os ponteiros do Relógio do Apocalipse está ao nosso alcance, de acordo com os membros do conselho do BAS.

Uma mudança em grande escala que trate do clima e da resposta pandémica exigirá esforços políticos unificados e mudanças políticas globais, mas isso não significa que as ações individuais não contem, acrescenta o docente.

“Pode não o sentir porque não está a fazer nada, mas sabemos que o envolvimento público move o/a líder para fazer coisas”, refere Bronson.

Para as alterações climáticas, basta olharmos para os hábitos diários e tentar fazer pequenas mudanças, tais como a frequência com que caminhos em vez de conduzir e a forma como aquecemos a casa, explicou a CEO do BAS.

“Se nos focarmos num problema e o tornarmos mais fácil de resolver, ou um pouco melhor, outras pessoas estarão a trabalhar noutros problemas”, explica. “Só porque a ação não resolve tudo, não significa que não faça parte de resolver tudo“.

  ACL, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE