Reconstruído crânio de Homo naledi, o elo que não se encaixa na evolução humana

(dr) Mark Thiessen / National Geographic

Reconstituição da face do Homo naledi a partir do crânio (detalhe)

A descoberta há cinco anos do Homo naledi, uma nova espécie de hominídeo que conviveu na savana sul-africana com os humanos mais próximos ao homem moderno, poderia mudar para sempre o que sabemos sobre a evolução.

Uma equipa de investigadores russos apresentou na semana passada em Moscovo a reconstrução científica da cabeça do misterioso ser, descoberto na África do Sul pelo paleoantropólogo americano Lee Berger, que presenteou com uma cópia do crânio do naledi os seus colegas russos.

O resultado do trabalho científico foi divulgado num ato organizado na Universidade Nacional de Ciência e Tecnologia MISiS.

O naledi é metade símio, metade homem. Em vez de responder a perguntas sobre a origem da nossa espécie, é um elo que não se encaixa muito bem na cadeia evolutiva, explicou à EFE o antropólogo russo Stanislav Drobishevski.

“Combina aspetos muito primitivos, como o cérebro, mais próprios dos primatas, com outros muito desenvolvidos (como os dentes e as pernas), que se assemelham aos do homem contemporâneo”, explicou o cientista.

São muito peculiares. Medem 1,5 metros e têm um cérebro que pesa entre 400 e 600 gramas”, no limite que o separa o Australopithecus (primatas bípedes) do Homo habilis, o primeiro hominídeo considerado humano.

De facto, a primeira análise dos restos de 15 indivíduos encontrados numa profunda câmara da caverna sul-africana Rising Star fizeram os seus descobridores pensar que estavam perante uma das primeiras espécies humanas, que teria vivido há três milhões de anos.

(dr) National Geographic

Eis o novo Homo naledi, um dos mais antigos ancestrais conhecidos do Homem

A surpresa foi grande quando as provas de datação revelaram que o naledi viveu há apenas 300 mil anos, quando o Homo rhodesiensis – uma das espécies humanas mais próximas do homem contemporâneo – já caminhava comodamente pela savana sul-africana.

“A convivência destas duas espécies num mesmo ecossistema indica que a evolução humana pode ter seguido caminhos diferentes“, afirmou Drobishevski.

Outras espécies humanas conviveram numa mesma época histórica, mas ou eram tão diferentes como o homem e o chimpanzé (como é o caso do Australopithecus e o habilis), ou habitavam em diferentes continentes ou separados por fronteiras geográficas intransponíveis.

A forma como se relacionavam os naledi e os rhodesiensis, que alguns antropólogos colocam dentro da espécie Homo sapiens, é um mistério.

Puderam cooperar e inclusive puderam cruzar. De facto, o genoma de alguns povos africanos, como os pigmeus e bosquímanos, têm genes que até agora não puderam ser explicados”, afirmou o antropólogo russo.

Da mesma forma que os sapiens europeus têm algo de neandertais no seu ADN, o elo perdido nos genes de alguns povos africanos poderia ser herança dos naledi, embora para resolver o mistério seja preciso decifrar o genoma da nova espécie.

Por outro lado, o cérebro dos naledi, de um tamanho similar ao dos homens mais primitivos, e a sua caixa torácica de primatas, que lhe impediria de falar, apontam que o seu intelecto era muito pouco desenvolvido.

O único indício de cultura pode ser notado no local foram encontrados os restos: uma câmara a mais de 16 metros de profundidade, à qual só se pode ter acesso por um orifício muito estreito, de apenas 20 centímetros de largura, o que em princípio descarta que a usassem para viver.

O mais provável, explicou Drobishevski, é que os naledi, que eram bastante miúdos, usavam este tipo de buracos para a sepultura dos seus mortos, embora não como um ritual, mas por motivos de higiene.

As mandíbulas e os dentes destes hominídeos são inclusive menores que os do homem moderno, o que rompe um dos postulados da teoria da evolução. “Até agora acreditou-se que na evolução do homem o tamanho dos dentes diminui sempre”, disse Drobishevski.

Ao contrário, a curvatura dos dedos pelas mãos, maior que a dos símios atuais, aponta que puderam ter evoluído em algum momento para adaptar-se ao meio no qual viviam.

“A tendência evolutiva é o endireitamento dos dedos. Embora a forma pelas mãos quase coincida com a do homem moderno e seja capaz de construir ferramentas, a curvatura dos dedos rompe todos os modelos nos quais se acreditava até agora“, acrescentou o cientista russo.

Com estes dados, os cientistas acreditam que o naledi podia andar e construir ferramentas como um homem, e ao mesmo tempo subir árvores como um macaco.

“Algumas ferramentas encontradas no passado e que se relacionaram com o sapiens, na realidade poderiam pertencer ao naledi. Embora não se tenha encontrado nenhum resto da cultura destes seres, a forma da sua mão indica que eram capazes de fazer instrumentos, apesar de terem um cérebro muito pequeno”, conclui Drobishevski.

// EFE

PARTILHAR

RESPONDER

Mais de 40 pessoas mortas por grupos de “proteção às vacas” na Índia

Pelo menos 44 pessoas foram mortas por grupos de "proteção às vacas", entre maio de 2015 e dezembro de 2018, em 12 Estados da Índia, denuncia a organização não-governamental Human Rights Watch (HRW) num relatório …

Genoma do tubarão branco revela razões para resistência a doenças e longevidade

Uma equipa internacional de cientistas descodificou o genoma do tubarão branco, descobrindo razões para o sucesso evolutivo de um predador que está no topo da cadeia alimentar e que resiste a doenças e ferimentos. A equipa …

Morreu o cientista que tornou popular o termo “aquecimento global”

O cientista que fez soar os primeiros alarmes sobre as alterações climáticas e tornou popular o termo "aquecimento global", Wallace Smith Broecker, morreu aos 87 anos, foi anunciado esta terça-feira. O antigo professor e investigador da …

Descoberta super-Terra a apenas oito anos-luz do Sistema Solar

Uma equipa internacional de investigadores, em colaboração com o Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), no Porto, descobriu uma nova super-Terra, a "apenas" oito anos-luz de distância do Sistema Solar.  Segundo o IA, o …

Homem que assassinou uma mulher em 1993 foi detido graças a um guardanapo

O empresário Jerry Westrom foi preso e acusado de esfaquear uma mulher em Minneapolis em 1993, graças a um site de genealogia e um guardanapo que deitou fora depois de limpar a boca. O corpo de …

México vai converter ilha-prisão num centro educativo e cultural

O estabelecimento prisional foi construído em 1905 e vai ser encerrado por decreto presidencial, para dar lugar ao centro cultural Muros de Água Jose Revueltas. Dos 600 presos, 200 vão ser libertados. A prisão existente numa …

Depois de defender o Brexit, o homem mais rico do Reino Unido muda-se para o Mónaco

Jim Ratcliffe, o homem mais rico do Reino Unido e fundador da multinacional de produtos químicos Ineos, vai mudar-se para o Mónaco juntamente com dois dos seus principais executivos para poupar até 4,6 mil milhões …

Surto de sarampo nas Filipinas escala para 8.400 casos e 130 mortos

O surto de sarampo continua a agravar-se nas Filipinas, com 8.443 casos confirmados desde o início do ano e 136 mortes causadas pela doença, na maioria crianças menores de cinco anos, indicaram as autoridades. De acordo …

Estado deixa de apoiar compra de carros elétricos acima de 60 mil euros

O Estado vai deixar de apoiar a compra de carros elétricos com um preço superior a 60 mil euros. Esta alteração vai constar nas novas regras de incentivos à introdução no consumo de veículos de baixas …

Bolsas do IEFP para estagiários com mestrado e doutoramento vão aumentar

O programa Estágios Profissionais vai ser alterado com o objetivo de dar uma resposta mais célere às empresas, prevendo-se ainda um aumento do valor das bolsas para estagiários com mestrado e doutoramento, de acordo com …