Portugueses em missão da Agência Espacial Europeia

NASA / JPL - Caltech

A missão ARIEL, da Agência Espacial Europeia, vai ser lançada em 2028 e vai estudar a assinatura química da atmosfera de exoplanetas já descobertos. 

A próxima missão da Agência Espacial Europeia vai concentrar-se nos exoplanetas, nomeadamente na assinatura química da sua atmosfera. Uma equipa do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) vai contribuir com um conhecimento mais local: as atmosferas dos planetas do sistema solar, avança o Observador.

“O estudo das atmosferas é uma nova aventura que está a começar“, disse ao jornal Pedro Machado, líder da equipa portuguesa.

A equipa portuguesa tem em mãos três pontos fundamentais na participação. O primeiro é perceber se os exoplanetas descobertos até agora têm atmosfera ou não, através do estudo dos trânsitos dos exoplanetas, quando o planeta passa entre a estrela e o telescópio.

O segundo passa por detetar que moléculas estão presentes nessa atmosfera, com recurso aos filtros do telescópio espacial Ariel que é capaz de detetar a luz visível e infravermelhos.

Por último, estudar a ligação aos modelos de atmosferas já conhecidos. Aliás, é neste último que a equipa portuguesa terá um contributo fundamental, dado que Pedro Machado e a sua equipa já ajudou a construir modelos para as atmosferas de Vénus, Marte, Júpiter, Saturno e Titã.

Os dados recolhidos de cada exoplaneta irão permitir fazer uma aproximação às condições semelhantes dos planetas existentes no Sistema Solar, assim como propor que processos físicos e químicos ocorrem na atmosfera desse mesmo exoplaneta.

Este é o grande salto para de facto se chegar a um conhecimento cada vez mais completo sobre esses exoplanetas”, disse Pedro Machado, investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, em comunicado de imprensa.

Até agora, já foram descobertos 3 800 exoplanetas e a próxima etapa passa por descobrir mais características sobre esses exoplanetas e sobre o que nos podem contar sobre a formação do nosso próprio Sistema Solar.

A missão Ariel (sigla em inglês para Atmospheric Remote‐sensing Infrared Exoplanet Large‐survey) vai ser lançada em 2028 com o objetivo de dar resposta a questões relacionadas com a formação de sistemas solares, composição de planetas e atmosferas, bem como das condições necessárias ao aparecimento de vida.

A equipa liderada por Pedro Machado vai estudar as características dos planetas telúricos, entre elas a composição química, densidade, espessura e reações químicas que têm lugar.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Estado de Nova Iorque com mais mortes por Covid-19 do que França ou Espanha

Os Estados Unidos registaram 1.252 mortos e 63.913 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo uma contagem independente da Universidade Johns Hopkins. Os últimos números de casos e óbitos registados devido a Covid-19 …

Turistas voltam a viajar, mas optam pelo low-cost

Mesmo num contexto de pandemia mundial o desejo de ir de férias continua vivo. Os turistas voltaram a procurar voos, contudo as opções recaem em percursos de curta distância e mais económicos. Ao longo dos últimos …

Ventura anuncia recandidatura ao Chega e só sai do parlamento quando “metade daquela esquerda" sair

André Ventura anunciou esta noite a recandidatura à liderança do Chega, numa cerimónia em Leiria em que disse que só vai sair do parlamento “quando metade daquela esquerda sair”. “Estamos a fazer uma revolução democrática e …

Esqueletos revelam que fosso entre ricos e pobres começou a abrir-se há 6.600 anos

A análise a ossos encontrados numa sepultura na Polónia mostram que o fosse entre ricos e pobres na Europa começou a abrir-se muito antes daquilo que se pensava. O desaparecimento da classe média é um problema …

Super-Terras quentes podem ter atmosferas metálicas brilhantes

Os cientistas querem perceber porque é que as super-Terras quentes possuem um brilho tão chamativo - e já há uma hipótese em cima da mesa. Os exoplanetas, chamados de super-Terras quentes, podem ser particularmente brilhantes e …

As larvas de peixe-sol são adoráveis (mas crescem e tornam-se gigantescos "nadadores")

Uma equipa de cientistas australianos e neozelandeses descobriram as fases iniciais da larva gigante de peixe-sol. Pela primeira vez, o sequenciamento de ADN identificou as larvas do peixe-sol (Mola alexandrini). O peixe-sol, conhecido cientificamente como Mola …

Telescópio Webb vai estudar Júpiter, os seus anéis e duas intrigantes luas

Júpiter, que tem o nome do rei dos antigos deuses romanos, comanda a sua própria miniversão do nosso Sistema Solar de satélites circundantes; os seus movimentos convenceram Galileu Galileu de que a Terra não era …

Turista danifica escultura do século XIX enquanto posa para fotografia (e é apanhado pelas câmaras de vigilância)

A polícia italiana identificou um austríaco de 50 anos que danificou uma estátua do século XIX num museu em Itália, enquanto posava para uma fotografia. O incidente ocorreu no passado dia 31 de junho, segundo …

Covid-19: Brasil supera as 100.000 mortes

O Brasil ultrapassou hoje a barreira das 100.000 mortes associadas à covid-19, quase cinco meses depois da confirmação do primeiro óbito no país, indicam dados oficiais divulgados pelas secretarias regionais de Saúde. Segundo os mais recentes …

As vacas leiteiras têm relações complexas (que se alteram quando mudam de grupo)

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Chile e dos Estados Unidos concluiu que as vacas leiteiras vivem em redes sociais complexas que se alteram quando estes animais são movidos para outros grupos.  Para …