Porto Editora apresenta queixa-crime, Paulo Morais mantém acusações

Teresa Lamas Serra / Facebook

Paulo Morais, presidente da Associação Transparência e Integridade (ATI)

A Porto Editora avançou com uma queixa-crime contra o ex-candidato presidencial Paulo Morais por causa das suas declarações sobre a “cartelização” do mercado de manuais escolares. O ex-vice-presidente da Câmara do Porto reage reafirmando as críticas.

Numa nota enviada à agência Lusa, a Porto Editora alega “prejuízo ao bom nome e reputação da empresa”, realçando que “em causa estão as recorrentes declarações do ex-candidato à Presidência da República associando a editora a esquemas de corrupção envolvendo políticos e de cartelização do mercado de manuais escolares”.

O ex-vice-presidente da Câmara do Porto reage a esta posição reafirmando as suas denúncias.

“Não altero minimamente o que tenho dito, que é que as grandes editoras de manuais escolares em Portugal são verdadeiras sanguessugas das economias familiares, têm um sistema de cartelização de vendas de livros, os livros são caríssimos, as famílias vêem-se e desejam-se para os conseguir pagar”, salienta Paulo Morais à agência Lusa.

O ex-candidato presidencial diz ainda que “há três editoras – Porto Editora, Leya e Santillana – que dominam completamente a política do livro escolar, a política de fixação dos preços do livro escolar, e isto é completamente inadmissível”.

Paulo Morais fala de uma “situação de privilégio absoluto com a conivência de governos, de Parlamentos, de forma que têm o mercado completamente cartelizado”.

As escolas têm de ter bancos de trocas de livros para que as crianças, no fim de cada ano, deixem os livros do ano anterior e recolham os do ano seguinte, à semelhança do que acontece em todos os países da Europa ocidental, à excepção de Portugal”, frisa ainda, considerando que esta medida seria benéfica também, do ponto de vista “ecológico”.

Paulo Morais entende ainda que a queixa da Porto Editora visa, sobretudo, “tentar cercear” a sua “liberdade de expressão”, mas garante que não vai deixar de falar do assunto.

ZAP

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. pois… Além de que os manuais têm todos diferenças significativas de qualidade. Dessa forma como pode o governo estabelecer ratings entre escolas? é que alunos mal formados dão muito mau resultado.

  2. Penso que a Porto Editora está a dar um tiro no pé. Parece até muito fácil de provar a cartelização. Basta olhar para o preço dos manuais nos ultimos 3/5 anos.

  3. Claro que existe um aproveitamento da situação, se não for cartelização será outra coisa parecida. Não se justifica que um livro escolar tenha os custos que têm quando são vendidos às dezenas de milhares. O Governo deveria pensar em mexer seriamente nisso. Quanto ao processo em tribunal, como tantos outros não vai dar nada e alguns advogados vão ganhar uns cobres

  4. Claro que existe!
    Fiz escola no Reino unido e nunca foi necessário comprar livros. Os livros eram da escola. Só os pagavas, se os estragasses.
    Fiquei abismado qd cheguei a Portugal e me deparei co. Esta afronta às familias no que respeita à educação!

    • A sério?!
      Isso é muito “interessante”, mas eu, em Portugal, também nunca tive que pagar livros escolares!
      Só fica”abismado” quem anda a dormir no mundo…
      De resto, o Dr. Paulo Morais tem toda a razão!…

  5. Força dr. Paulo Morais! Que a voz nunca lhe doa para denunciar esta e outras situações que são autênticos crimes de ” lesa pátria ” !

  6. A Porto editora cometeu um erro, deveria assobiar para o lado porque pode até ganhar em tribunal mas tirando os poucos diretamente interessados no lucro desse negocio ninguém lhe vai dar razão.

  7. Cartelização existe em todos os setores em Portugal… Energia, telecomunicações, supermercados…. Nada de estranhar neste país… Este é mais um setor…. Sr. Paulo Morais não tem que ter receio de denunciar…. Pior são os tugas que sabem coisas e não denunciam ou esperam um frete… Grande Portugal

RESPONDER

O maior sítio arqueológico submerso do mundo mora no México (e está a surpreender os especialistas)

Uma equipa de especialistas está a explorar há cerca de quatro anos o Grande Aquífero Maia, localizado no México, e tem feito descobertas surpreendentes que vão desde numerosos sítios arqueológicos a vestígios de homens primitivos.  Durante …

Passes baixam para 70 e 80 euros para utentes da região Oeste

Os passes nos transportes públicos para Lisboa vão baixar para 70 euros para utentes de Alenquer, Arruda dos Vinhos, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras, e para 80 euros dos restantes concelhos da região. A …

Parar de comer quando se está cheio nem sempre é fácil (e há uma razão para isso)

Com alguns alimentos, parar de comer — mesmo quando se está cheio — nem sempre é fácil. Isto porque algumas destas comidas podem ter sido feitas de forma a que tal aconteça. Nenhum alimento é criado …

Há milhares de misteriosos buracos no fundo do mar da Califórnia

Surgiu um novo mistério perto da costa de Big Sur, na Califórnia, no fundo do Oceano Pacífico: há milhares de pequenos fragmentos redondos retirados dos sedimentos do fundo do mar.   A descoberta foi feita como parte …

NASA apresenta "mapa do tesouro" para encontrar água em Marte

Uma equipa de cientistas da NASA elaborou um mapa da água congelada que existe em Marte e que se acredita estar a apenas 2,5 centímetros abaixo da superfície do Planeta Vermelho - isto é, à …

Já se sabe como é que planetas florescem a partir de pequenos pedaços de poeira

Uma equipa de investigadores validou uma teoria que pode explicar como é que os planetas crescem a partir de pequenos pedaços de poeira interestelar. O crescimento de um pequeno pedaço de poeira até um planeta inteiro …

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as abelhas esfomeadas (e isso é má notícia)

Apesar de não haver humanos na Zona de Exclusão de Chernobyl, a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986, e apesar do nível …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …