Peru tem a maior taxa de mortalidade por covid-19 do mundo. Qual a receita para o desastre?

Minsa

O Peru tem a maior taxa de mortalidade por covid-19 per capita no mundo. Qual foi a receita para o desastre deste país sul-americano que, em papel, estava bem preparado?

Com 200.000 mortes por covid-19 numa população de menos de 33 milhões, o impacto da pandemia no Peru foi particularmente devastador: o país tem a maior taxa de mortalidade por covid-19 per capita em todo o mundo. Também se estima que tenha uma das piores taxas do mundo de crianças órfãs ou privadas dos seus cuidadores devido à pandemia.

Ainda assim, em comparação com muitos outros países, no papel, o Peru estava relativamente bem colocado para lidar com a covid-19. É um país de rendimento médio alto — e antes da pandemia tinha um bom desempenho económico. A esperança de vida estava a aumentar e a pobreza a diminuir, e tinha feito bons progressos na melhoria da saúde pública, com o acesso aos cuidados de saúde a aumentar.

O Peru também foi um dos primeiros países da América Latina a exigir que as pessoas fiquem em casa para impedir a propagação do vírus. Ao contrário de alguns outros países latino-americanos gravemente afetados, como Brasil ou México, as autoridades do Peru não negaram a ameaça da pandemia.

Então, como é que acabou numa situação tão má?

Não talhado para confinamentos

Em 15 de março de 2020, com 28 casos confirmados e nenhuma morte relatada, o Governo peruano declarou estado de emergência em todo o país.

Isso rapidamente introduziu uma série de fortes medidas de controlo, que incluíam o encerramento das fronteiras, restringindo a liberdade de movimento em todo o país e proibindo a aglomeração de multidões. Escolas, universidades e igrejas foram fechadas. Em geral, todas as atividades ou serviços não essenciais eram restritos, incluindo cuidados primários não-emergentes.

Mas, infelizmente, a adoção antecipada dessas medidas não foi suficiente para diminuir o impacto da pandemia. Os casos imediatamente começaram a subir.

O Governo reconheceu que seria difícil adotar um confinamento estrito. O Peru tem uma grande força de trabalho informal e um sistema de segurança social bastante limitado — o que significa que ficar em casa, sem trabalhar, seria difícil para muitos. Portanto, o Governo anunciou uma série de medidas políticas, como subsídios, para tentar proteger o sustento das pessoas, enquanto lhes pedia que ficassem em casa.

Mas o Estado não tinha capacidade para entregar dinheiro e alimentos de uma forma que impedisse os cidadãos de se aventurarem. As pessoas ainda tinham que sair e formar longas filas nos bancos para receber os subsídios. Muitos também ainda precisavam de viajar diariamente para os mercados de alimentos. Ambos tornaram-se pontos potenciais de infeção.

Fraqueza dos cuidados de saúde

O aumento de casos revelou fragilidades estruturais no sistema de saúde peruano. Apesar do recente crescimento económico e das melhorias gerais na saúde pública, a infraestrutura geral de saúde do país ainda era precária antes da pandemia.

Em janeiro de 2020, de acordo com o ministério da saúde, 78% dos centros de saúde apresentavam capacidade inadequada de atendimento, o que incluía equipamentos obsoletos, inoperantes ou insuficientes. No início de 2021, tinha aumentado para 97% dos serviços primários.

Da mesma forma, antes da pandemia, o Peru tinha 29 camas de cuidados intensivos por milhão de pessoas, abaixo de outros países da região, como Brasil (206), Colômbia (105), Chile (73) e Equador (69). Os níveis de pessoal também eram insuficientes para permitir que muitas unidades de saúde funcionassem adequadamente. Tudo isto prejudicou a capacidade do Peru de responder com eficácia a uma situação de crise.

O sistema de saúde também é altamente fragmentado, o que tornou a coordenação da resposta à covid-19 em todo o país um desafio, comprometendo a sua eficácia na proteção dos mais vulneráveis. E, além disso, também existem desigualdades persistentes dentro do sistema, com o acesso à saúde muitas vezes determinado por riqueza, género, etnia e geografia.

Por exemplo, os povos indígenas da região amazónica peruana estão entre os que mais sofreram com a epidemia. A falta de acesso aos serviços de saúde, água e saneamento, bem como os elevados índices de pobreza e desnutrição infantil, colocam estes grupos étnicos em situação de maior vulnerabilidade.

Um sistema caro

Apesar do Peru ter feito alguns progressos no sentido de fornecer saúde universal gratuita, estima-se que entre 10% e 20% da população ainda não tem acesso a qualquer cobertura de saúde. Mesmo aqueles que podem ter acesso a cuidados através de unidades de saúde pública têm que pagar algumas taxas — e antes da pandemia, esses gastos diretos com saúde estavam a aumentar.

A pandemia expôs o quão drasticamente caro isso poderia acabar por ser. E para aqueles que não têm seguro privado ou acesso a bons cuidados prestados pelo Estado, os custos podem ser ainda mais elevados, com medicamentos e cuidados cobrados a taxas muito inflacionadas em alguns hospitais privados. O rendimento é outra barreira para o acesso aos cuidados.

O problema é que há pouca regulamentação do setor da saúde no Peru. A mesma empresa privada pode acabar por fornecer seguro de saúde, serviços de saúde e medicamentos e fornecimentos médicos sem nenhum mecanismo de controlo de preços.

O setor privado também teve uma influência negativa noutros lugares. O Peru também sofreu uma escassez de oxigénio medicinal, o que foi agravado durante os primeiros estágios da pandemia pela história do país de fabricação de oxigénio numa concentração mais alta do que o padrão internacional (o que significa que havia menos para circular).

A autoridade de concorrência do Peru concluiu há quase uma década que não havia uma boa razão científica para fazer isso — e que a norma foi adotada simplesmente para beneficiar os interesses de vários fabricantes privados de oxigénio no país. Algo que caiu com a crise de oxigénio no país.

Como os níveis de vacinação a aumentarem de meados de 2021 em diante, os casos e mortes no Peru caíram e estabilizaram num nível baixo. No entanto, a crise revelou a suscetibilidade do sistema de saúde do país e, em particular, a influência potencialmente negativa do setor privado. A capacidade e acessibilidade do sistema de saúde do Peru precisam de ser muito melhores — caso contrário, desastres como este podem acontecer novamente.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.