Pelo menos 12 Rohingya (dez deles crianças) morreram em naufrágio para fugir da Birmânia

Pelo menos 12 pessoas morreram e dezenas encontram-se desaparecidas depois do naufrágio, este domingo, de um barco que transportava Rohingya em fuga da Birmânia, anunciou esta segunda a guarda costeira do Bangladesh.

“Havia perto de uma centena de pessoas a bordo“, afirmou Alauddin Nayan, responsável da guarda costeira, à agência noticiosa francesa AFP.

Da centena de passageiros, menos de 40 são adultos, “o resto são crianças”, de acordo com testemunhos de sobreviventes, indicou o mesmo comandante.

O novo naufrágio ocorreu na noite de domingo não longe da aldeia costeira de Galachar, no golfo de Bengala, onde os Rohingya enfrentam há semanas um mar agitado na tentativa de fugir da onda de violência na Birmânia.

Doze corpos foram encontrados esta manhã: “Dez crianças, uma mulher idosa e um homem”, segundo a guarda costeira, que resgatou vários sobreviventes daquela minoria muçulmana apátrida, considerada pela ONU como uma das mais perseguidas do planeta.

A ONU elevou no domingo para 519 mil o número de Rohingya que chegaram ao Bangladesh em fuga da violência na Birmânia desde 25 de agosto, dias após ter revisto o plano de resposta à crise humanitária no país.

A crise dos Rohingya começou a 25 de agosto, após um ataque de um grupo rebelde desta minoria muçulmana às instalações policiais e militares no estado ocidental birmanês de Rakhine, uma ação a que o exército respondeu com uma ofensiva que ainda prossegue.

De acordo com testemunhas e organizações de direitos humanos, o exército birmanês arrasou povoações incendiando-as e matou um número indeterminado de civis a tiro enquanto esvaziava essas localidades.

O Governo birmanês assegurou que a violência foi desencadeada por “terroristas Rohingya”, mas o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos classificou a operação militar como “limpeza étnica”.

Antes da campanha militar, os Rohingya que habitavam em Rakhine eram estimados em um milhão.

A Birmânia, onde mais de 90% da população é budista, não reconhece cidadania aos Rohingya, os quais sofrem crescente discriminação desde o início da violência sectária em 2012, que causou pelo menos 160 mortos e deixou aproximadamente 120 mil pessoas confinadas a 67 campos de deslocados.

Apesar de muitos viverem no país há gerações, não têm acesso ao mercado de trabalho, às escolas, aos hospitais e o recrudescimento do nacionalismo budista nos últimos anos levou a uma crescente hostilidade contra eles, com confrontos por vezes mortíferos.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Comprar móveis mata relacionamentos

Os números não mentem e está comprovado: comprar móveis com a sua cara-metade é a arma fatal do seu relacionamento. A marca online de móveis Article conduziu recentemente uma pesquisa com cerca de 2.000 norte-americanos, em …

Marisa Matias critica Centeno por “encabeçar ameaças” a Itália

A eurodeputada Marisa Matias, do Bloco de Esquerda, disse a Mário Centeno, num debate no Parlamento Europeu, que é “desconcertante” vê-lo, enquanto presidente do Eurogrupo, a “encabeçar as ameaças” a Itália, questionando-o se não "há …

Moscovici quer voltar a "tweeetar" com Costa (mas deixa avisos)

O comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, diz que ficará "encantado" se o primeiro-ministro e seu "bom amigo" António Costa tiver o prazer de voltar a "tweetar". Isto para sublinhar que espera que Portugal …

Não há acordo. Greve dos enfermeiros começa quinta-feira e só acaba no fim do ano

Os enfermeiros mantêm a greve que começa na quinta-feira nos blocos operatórios de cinco hospitais, por falta de acordo com o Governo sobre a estrutura da carreira. A informação foi prestada à Lusa pelos presidentes da …

Próximas eleições portuguesas podem ser marcadas por fake news

A difusão de notícias falsas durante as eleições brasileiras atingiu níveis sem precedentes e o fenómeno chegou também a Portugal, onde se pode estar a preparar uma ação semelhante para as próximas eleições nacionais, alertou …

Proposta de Orçamento mostra um "profundo desconhecimento" do país

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, considerou esta terça-feira que a proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) mostra um "profundo desconhecimento" e está de "costas voltadas" para o país. "É um Orçamento que mostra …

Caso Khashoggi: Trump mantém-se ao lado da Arábia Saudita

Donald Trump emitiu um comunicado em que se pronunciou sobre o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, revelando que embora condene veemente o crime, a relação dos Estados Unidos é com Reino da Arábia Saudita, "parceiros …

Visita de João Lourenço pode deixar “irritante” entre Portugal e Angola para trás

A primeira viagem de Estado de João Lourenço a Portugal é uma demonstração de que Portugal e Angola "pretendem enterrar o irritante e avançar com os temas da cooperação direta", avança Jornal de Angola. No editorial …

Documento de 2014 previu colapso e aconselhava encerramento da estrada de Borba

Há novos dados que apontam que a tragédia da estrada de Borba, que desmoronou, provocando a morte de 2 pessoas e mais 3 desaparecidas, poderia ter sido evitada. Um memorando de 2014 já previa a …

Noiva adolescente leiloada no Facebook. Rede social só reparou depois do casamento

Uma jovem de 16 anos do Sudão do Sul foi leiloada para casamento no Facebook. Quando a rede social reparou, a jovem já tinha sido comprada e estava casada. De acordo com a organização pelos Direitos …