Parlamento espanhol cria comissão para investigar abusos de menores pela Igreja Católica

O parlamento espanhol decidiu hoje criar uma comissão para investigar, pela primeira vez de forma oficial, os alegados abusos a menores pela Igreja Católica, uma instituição há muito acusada de opacidade sobre o assunto.

Proposta pelo Partido Socialista (PSOE), no poder, e pelo Partido Nacionalista Basco (PNV), esta iniciativa sem precedentes foi aprovada por uma maioria muito ampla de 277 votos num Congresso dos Deputados (câmara baixa do parlamento) com um total de 350 membros eleitos.

Ao contrário de outros países como os Estados Unidos da América, França, Alemanha, Irlanda e Austrália, em Espanha a violência sexual contra menores no seio da Igreja nunca foi sujeita a uma grande investigação.

O texto votado pelos deputados prevê que esta comissão independente seja presidida pelo provedor de Justiça e composta por representantes das autoridades, das vítimas e do clero.

A comissão será responsável por “investigar os atos execráveis cometidos por indivíduos contra crianças indefesas” e “identificar as pessoas que cometeram estes abusos, bem como aqueles que os encobriram”, antes de elaborar um relatório a ser apresentado ao parlamento, de acordo com o texto aprovado.

Esta investigação marcará “o início do fim de uma vergonha“, disse recentemente ao diário El País a deputada socialista Carmen Calvo, ex-número dois do Governo de esquerda de Pedro Sánchez.

Na ausência de dados oficiais, o diário El País lançou o seu próprio inquérito em 2018, listando 1.246 vítimas desde os anos 30. Por seu lado, a Igreja só reconheceu 220 casos desde 2001.

Tendo Espanha uma forte tradição católica, a Igreja teve um papel central na educação durante a ditadura de Francisco Franco (1936-1975).

Atualmente, mais de 1,5 milhões de crianças ainda estudam em cerca de 2.500 escolas católicas, de acordo com números da Conferência Episcopal Espanhola de 2020.

Vários países, entre os quais Portugal, estão a investigar os alegados abusos cometidos por membros da Igreja Católica ao longo dos anos, tendo o Papa Francisco reiterado em 20 de janeiro último que a instituição continua firme no seu compromisso de fazer justiça às vítimas.

“Na luta contra os abusos de todo o tipo, a Igreja continua firme no compromisso de fazer justiça às vítimas de abusos cometidos pelos seus membros, aplicando com particular atenção e rigor a legislação canónica prevista”, disse o Papa.

  Lusa //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.