Há tantos painéis solares nos telhados da Califórnia que se tornaram um problema para a rede elétrica

4

À medida que os preços da eletricidade ficam negativos, a Califórnia está a lutar contra o excesso de energia solar.

Os painéis solares estão em toda a parte na ensolarada Califórnia. O clima é convidativo, tem alguns dos lugares mais ricos dos Estados Unidos e, até recentemente, o Governo dava bons incentivos para a instalação de módulos fotovoltaicos.

Aliás, segundo o The Washington Post, a Califórnia tem quase 47 gigawatts de energia solar instalados, o suficiente para abastecer 13,9 milhões de residências e fornecer mais de um quarto da eletricidade do Golden State.

Mas há um problema: como há tanta energia solar na rede, nos dias ensolarados de primavera, quando não há tanta procura, os preços da eletricidade ficam negativos. Esta é uma antevisão dos problemas económicos e infra-estruturais que as energias renováveis ​​terão de enfrentar.

“Não são desafios intransponíveis”, disse Michelle Davis, chefe de energia solar da empresa de investigação e consultoria energética Wood Mackenzie Power and Renewables. “Mas são desafios com os quais muitos operadores de rede nunca tiveram de lidar.”

A energia solar, ao contrário da energia proveniente de combustíveis fósseis, não é “despachável”, o que significa que os operadores da rede elétrica não podem controlar – ou mesmo prever – quanta energia fornece.

Isto causa o problema da chamada “carla líquida”: zom muita energia solar numa determinada rede elétrica, a carga líquida – ou a procura de eletricidade menos a energia renovável – assumiria a forma de “U”.

No fundo, a alta procura pela manhã seria substituída por uma procura quase nula a meio do dia, quando a energia solar poderia produzir praticamente toda a eletricidade de que as pessoas necessitam. Quando o sol se põe, a procura aumenta novamente.

Num gráfico de carga líquida diária, este padrão é chamado de “curva de pato”, dada a sua semelhança com o animal. A situação é mais dramática na primavera, quando o céu está ensolarado, mas as temperaturas são relativamente amenas, o que significa que há menos procura por aquecimento ou arrefecimento.

Nos últimos anos, na Califórnia, a curva do pato tornou-se um grave problema, uma vez que a energia solar não é utilizada. Em 2022, o estado desperdiçou 2,4 milhões de megawatts-hora de eletricidade, 95% dos quais eram solares. No ano passado, conseguiu alcançar estes números nos primeiros oito meses.

Ao diário, Clyde Loutan, diretor de integração de energia renovável da CAISO, disse que o estado está preparado há muito tempo para mais energia solar na rede, mas “subestimamos drasticamente a velocidade com que a energia solar residencial chegaria”.

A Califórnia respondeu a esta situação de uma forma que irritou os defensores das energias renováveis . No ano passado, o governo estadual começou a pagar menos aos proprietários de energia solar pela energia que colocam na rede, uma prática conhecida como “medição líquida”. Tal torna a energia solar menos acessível, restringindo a sua adoção.

Por mais desanimador que a medida possa parecer, existem outras soluções promissoras a explorar. Atualmente, por exemplo, a CAISO está a vender parte da energia extra aos estados próximos.

ZAP //

4 Comments

  1. Só não falaram da solução mais importante. Armazenar o excesso de energia em baterias para usar quando a procura aumenta. Já está a ser feita na Califórnia e em muitos outros sítios. O Hawaii por exemplo vai desligar a última central de carvão. Há dezenas, senão sentado de outros exemplos

  2. O único problema que existe é o fim dos lucros com energias nao renováveis e que tanto lucro dão as multinacionais energeticas..! Há que inventar problemas onde eles nao existem para passar a mensagem que temos de pagar o mesmo por energia limpa, infinita, e gratis..!!

  3. O único problema que existe é o fim dos lucros com energias nao renováveis e que tanto lucro dão as multinacionais energeticas..! Há que inventar problemas onde eles nao existem para passar a mensagem que temos de pagar o mesmo por energia limpa, infinita, e gratis..!! E claro, fazer-nos acreditar que o custo estratosferico que pagamos pela eletricidade solar é necessaria para contrariar o ” aquecimento global”..! Paga, Zé, que vais para o paraíso quando morreres..!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.