“Ouve” os seus próprios pensamentos? Não, não está a alucinar

Algumas vez imaginou uma discussão na sua cabeça? Se sim, pode ter “ouvido” duas vozes ao mesmo tempo. A própria voz interior e a da pessoa com quem discute. Pode até “ouvir” o sotaque ou o timbre da voz.

O que acontece no cérebro quando esse monólogo interior está a decorrer? Como se “ouve” os pensamentos?

De acordo com LiveScience, o cérebro passa por processos semelhantes quando se pensa em palavras como quando se fala em voz alta.

Segundo Hélène Loevenbruck, investigadora sénior em neuro-linguística e chefe da equipa linguística do Laboratório de Psicologia e Neuro-cognição do CNRS, os monólogos internos são como uma simulação de discurso explícito.

As crianças que brincam sozinhas falam frequentemente em voz alta. Com cerca de 5 a 7 anos de idade, essa verbalização move-se para dentro, acrescenta Loevenbruck.

Estudos anteriores mostraram que o cérebro mostra uma atividade semelhante na fala interior à da fala verbalizada.

Quando pediram aos participantes do estudo que deliberadamente “falessem” dentro das suas cabeças enquanto estavam deitados numa máquina de ressonância magnética (MRI), os cientistas podem ver partes do cérebro que processam a informação auditiva a ativarem-se como se o participante estivesse realmente a ouvir as palavras.

“As regiões cerebrais ativadas durante a fala interior são bastante semelhantes àquelas que são ativadas durante a fala evidente durante a fala real”, disse Loevenbruck à LiveScience. Essas regiões incluem o lóbulo frontal do hemisfério esquerdo e o lóbulo parietal, que ajudam no processamento da estimulação externa.

Mas quando se pensa em algo como um argumento fictício com outra pessoa, o cérebro vai mais além. Durante essa discussão fictícia e interior, está a desempenhar dois papéis: a própria pessoa (que imagina a discussão), e a pessoa com quem está a discutir.

Quando se interpreta a si próprio, os centros auditivos do lado esquerdo do cérebro ativam-se, disse Loevenbruck.

Mas quando se troca de papéis internamente para desempenhar a pessoa com quem se está a discutir, “há uma espécie de mudança de ativação da região cerebral para o hemisfério direito”, nas áreas equivalentes como o lóbulo parietal e o lóbulo frontal.

Vendo a situação de uma perspetiva diferente, mesmo que seja uma perspetiva que está a criar na sua cabeça, muda quais as regiões cerebrais que estão a ser ativadas.

Os investigadores também observaram este fenómeno quando os participantes são convidados a imaginar movimento, Leovenbruck continuou. Os dançarinos, por exemplo, usam uma parte diferente do cérebro para se imaginarem a dançar contra outra pessoa, estudo publicado em 2005 na Cerebral Cortex.

Uma coisa é ver essas regiões cerebrais ativerem-se quando se diz a uma pessoa para pensar algo, mas é muito menos compreendido o que acontece no nosso cérebro quando deixamos a nossa mente vaguear, disse Leovenbruck.

Nem todos os monólogos interiores são deliberados. Por vezes, palavras ou frases aparecem na nossa cabeça, sem serem provocadas. Este fenómeno pode ter algo a ver com a “rede de modo padrão do cérebro” (DMN), explica Robert Chavez, neurocientista da Universidade de Oregon.

A DMN é uma rede de áreas no cérebro que estão ativas quando não está envolvida numa tarefa específica. Pensa-se que a DMN está envolvida com aspetos do pensamento interno, tais como recuperar memórias, imaginar o futuro, ou interceção — um sentido ou “sentimento” do que está a acontecer no seu corpo, tais como fome ou sede.

“A rede do modo padrão parece ser mais ativa quando a sua mente está a vaguear”, disse Chavez à LiveScience. Porque a rede de modo por defeito envolve o planeamento para o futuro, retirando de memórias, experiências recentes, e associações mentais, pensa-se que esta combinação de atividades dá origem a um monólogo interno enquanto se concentra no seu interior.

É necessária muito mais investigação para compreender como os pensamentos interiores surgem espontaneamente, disse Leovenbruck.

Quando levados ao extremo, os pensamentos interiores podem tornar-se disfuncionais, tais como a ruminação após um acontecimento desconfortável ou traumático, ou em perturbações mentais, tais como a esquizofrenia, em que as pessoas ouvem alucinações auditivas.

  Inês Costa Macedo, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.