Os últimos sete anos foram (provavelmente) os mais quentes já registados

Os sete anos entre 2015 e 2021 foram provavelmente os mais quentes já registados, anunciou este domingo a Organização Meteorológica Mundial (OMM), num relatório que alerta que o clima está a entrar em “território desconhecido”.

Este relatório anual sobre o estado do clima “tem por base os dados científicos mais recentes que mostram que o planeta está a mudar diante dos nossos olhos”, afirmou o secretário-geral da ONU, António Guterres, citado no texto.

“Das profundezas dos oceanos ao topo das montanhas, da fusão dos glaciares aos incessantes eventos climáticos extremos, ecossistemas e comunidades em todo o mundo estão a ser destruídos“, acrescenta o relatório.

O texto, elaborado a partir de observações no solo e de satélites de serviços meteorológicos de todo o mundo, foi divulgado no início da Conferência sobre as Mudanças Climáticas da ONU, COP26, este domingo.

A cidade escocesa de Glasgow acolhe a conferência, na qual a comunidade internacional deverá intensificar a luta para limitar o aquecimento global e mantê-lo, idealmente, num máximo de +1,5ºC por ano.

A COP26 “deve ser um ponto de inflexão para as pessoas e para o planeta”, defendeu Guterres.

O relatório é baseado nos registos históricos das temperaturas no planeta e, em particular, usa o período de 1850 a 1910, que os especialistas climáticos da ONU (IPCC) usam como base para comparar com os dias de hoje.

A humanidade está a emitir atualmente muito mais do que o dobro das emissões de gases de efeito estufa em comparação com a referida época.

No entanto, estes registos históricos não levam em consideração fenómenos meteorológicos anteriores, que são registados graças à paleontologia climática.

Tom alarmante

O tom do relatório da OMM é alarmante, relacionando secas, incêndios florestais e grandes inundações em diferentes regiões do planeta com a atividade humana.

“O ano de 2021 é menos quente do que os últimos anos devido à influência de um episódio moderado de La Niña ocorrido no início do ano. O La Niña tem um efeito de arrefecimento temporário sobre a temperatura média global e afeta as condições meteorológicas e climáticas. A marca do La Niña foi claramente observada no Pacífico tropical“, realça o texto.

No entanto, a temperatura média dos últimos 20 anos ultrapassou a barreira simbólica de +1°C pela primeira vez.

“As persistentes precipitações superiores à média registadas durante o primeiro semestre do ano em algumas partes do norte da América do Sul, especialmente no norte da Bacia do Amazonas, ocasionaram inundações graves e de longa duração na região“, acrescenta o texto.

E, ao mesmo tempo, “pelo segundo ano consecutivo, ocorreram grandes secas que devastaram grande parte da região subtropical da América do Sul. As precipitações ficaram abaixo da média na maior parte do sul do Brasil, Paraguai, Uruguai e norte da Argentina”.

Os especialistas reconhecem que usaram um sistema de “atribuição rápida”, ou seja, o estudo de eventos naturais extremos logo após sua ocorrência, para determinar até que ponto eles são responsabilidade da atividade humana.

“O IPCC observou que houve um aumento de chuvas fortes no Leste Asiático, mas há um baixo nível de confiança em relação à influência humana”, reconhece o texto.

  // AFP

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.