Ómicron: Tudo o que já se sabe sobre a nova variante de preocupação

Atef Safadi / EPA

A OMS considerou que a Ómicron era uma variante de preocupação, embora ainda pouco se saiba sobre ela. Pede-se um aumento de vigilância.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou que a linhagem B.1.1.529 de SARS-CoV-2, que se pensa ter surgido na África Austral, será designada como uma variante de preocupação (VoC) denominada Ómicron. Esta decisão já precipitou uma ampla mudança nas prioridades na gestão da pandemia em escala global.

A OMS recomendou, entre outras coisas, o aumento da vigilância, particularmente o sequenciamento do genoma do vírus; investigação focada em entender os perigos representados por esta variante; e intensificar as medidas de mitigação, como o uso obrigatório de máscara.

Maiores restrições às viagens internacionais já entraram em muitos países. Na realidade, o Japão fechou as suas fronteiras para todos os turistas estrangeiros.

A velocidade com que a variante Ómicron foi designada como VoC foi estonteante. Passaram-se pouco mais de duas semanas desde as primeiras infeções conhecidas no Botsuana e na África do Sul.

Compare com a variante Delta, que é dominante atualmente na Europa e em muitas outras partes do mundo. Essa variante foi relatada pela primeira vez na Índia em outubro de 2020, mas apesar de causar um tremendo aumento de casos no país (bem como se espalhar para muitos outros), não recebeu o estatuto elevado de VoC até pelo menos seis meses depois.

Certamente houve lentidão em reconhecer o perigo representado pela Delta, e sem dúvida foram aprendidas lições sobre a importância de agir rapidamente para cortar novas variantes perigosas pela raiz, ou pelo menos retardar a sua disseminação para ganhar ao mundo algum tempo. Mas esse atraso também refletiu as dificuldades em gerar evidências robustas sobre o que uma nova variante é capaz.

Então, o que há com a variante Ómicron que levou a OMS, e muitos especialistas, a preocupar-se tanto com tão poucos dados — e os seus avisos são justificados de que esta variante é “a mais preocupante que já vimos”?

Ainda não há evidências de que a Ómicron cause uma forma mais séria da doença, mas quase não há dados disponíveis. Se os relatos da África do Sul, que sugerem que esta variante causa sintomas mais leves são precisos, particularmente para idosos ou pessoas vulneráveis de outra forma, resta saber.

No entanto, há motivos claros para preocupação tanto com a transmissibilidade quanto com a evasão imunológica.

A transmissibilidade elevada de uma nova variante pode ser difícil de definir, pois os efeitos estocásticos (aleatórios) podem resultar em aumentos alarmantes nas taxas de casos, sem exigir quaisquer alterações subjacentes na genética viral.

Quando as taxas de casos são relativamente baixas, como tem acontecido recentemente na África do Sul, eventos de “superspreading” [superdispersão] podem causar aumentos dramáticos na prevalência de linhagem única.

Mesmo com essas advertências, a visão consensual é que a variante Ómicron provavelmente espalha-se mais rapidamente do que outras variantes.

Na província sul-africana de Gauteng, acredita-se que o surgimento da Ómicron tenha empurrado o R(t) de cerca de 1,5 para quase 2, uma mudança significativa se for verdade. Sem surpresa, também está a verificar-se num número crescente de países, incluindo o Reino Unido, Israel, Bélgica, Canadá, Austrália, Holanda e Áustria.

Facilmente, a característica mais surpreendente da variante Ómicron, no entanto, é o facto de que representar um salto evolutivo súbito e significativo, refletido pelo número sem precedentes de mutações no genoma.

Como é que isto aconteceu é uma questão de especulação contínua, mas, fundamentalmente, 32 mutações afetaram a proteína spike, muitas das quais são conhecidas por alterar como o vírus interage com os anticorpos produzidos pelas vacinas ou pela infeção anterior.

É este potencial de fuga imunológica acrescido, combinado com uma taxa rápida de disseminação, que está a causar tanta preocupação. Mas prever como é que um vírus provavelmente se comportará apenas a partir da sequência do genoma não é uma ciência exata. E não há uma relação direta entre o número de mutações que uma variante contém e os perigos que ela pode representar.

Embora a variante Ómicron certamente justifique medidas de mitigação, vigilância rigorosa e um esforço de investigação global, ainda é muito cedo para dizer exatamente com o que estamos a lidar. Uma imagem mais clara deve surgir nas próximas semanas, à medida que as evidências aumentam.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.