O “contabilista de Auschwitz” foi condenado a quatro anos de prisão aos 94 anos

Tobias Schwarz / Pool / EPA

Oskar Groening, o “guarda-livros de Auschwitz”

Um tribunal alemão condenou esta quarta-feira um antigo oficial do regime Nazi, conhecido como “guarda-livros de Auschwitz”, a quatro anos de cadeia, naquele que é esperado ser um dos últimos julgamentos do Holocausto.

Oskar Groening, de 94 anos, mostrou-se impassível enquanto o juiz, Franz Kompisch, lia o veredito: “o arguido é considerado culpado de ser cúmplice de homicídio em 300 mil casos legalmente ligados de judeus deportados que foram enviados para as câmaras de gás em 1944.

Groening serviu de “guarda-livros” no campo de extermínio da Polónia ocupada pelos nazis, onde categorizava e contava dinheiro de diferentes moedas europeias, tirado aos que foram mortos ou usados como escravos de trabalho. O dinheiro era, posteriormente, enviado para os chefes nazis, em Berlim.

A sentença foi maior do que os três anos e meio que os promotores exigiram no tribunal no norte da cidade de Luneburgo, Alemanha, que julgava o caso desde abril passado.

Groening teve, na terça-feira, a última oportunidade para declarar em tribunal que estava “arrependido” e que “lamentava muito” o sucedido no campo de concentração, dizendo aos juízes que “ninguém devia ter participado em Auschwitz”.

“Eu sei disso. Sinceramente arrependo-me de não ter tido essa perceção mais cedo e mais consistentemente. Estou muito arrependido”, disse, com “voz vacilante”.

Um grupo de sobreviventes do Holocausto declarou, em comunicado após o veredicto, que se congratulava “com a condenação de Oskar Groening”, classificando-a como “um passo tardio em direção à justiça”.

Groening testemunhou em abril passado, e de novo este mês, que estava tão horrorizado com os crimes que presenciou no campo após a sua chegada em 1942, que apelou três vezes aos seus superiores hierárquicos para ser transferido para a frente de combate, o que não aconteceu até ao outono de 1944.

Groening reconheceu a “culpa moral”, mas disse que só o tribunal poderia pronunciar-se sobre a sua culpa legal, sete décadas após o fim do Holocausto.

Cerca de 1,1 milhões de pessoas, a maior parte judeus europeus, morreram entre 1940 e 1945 no campo de Auschwitz-Birkenau, antes de este ser libertado pelas forças soviéticas.

/Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Exactamente. Nao é justiça. Isso é vingança… Se formos agora julgar os judeus que assassinaram palestinianos ou que assistiram e não fizeram nada, não vai sobrar um….

  2. A pensar deste modo, Goering, Joseph Mengele, Joseph Goebbels, Rudolph Hess e demais pandilha eram meninos de coro que coitados, não sabiam o que faziam… Uma das maiores atrocidades do seculo XX! Em todas as eras houve perseguição, morte e expulsão de judeus… que eram basicamente comerciantes, alguns dos quais com fortunas e bens consideráveis… tão velho como o mundo o amor ao dinheiro e inveja! A religião e a politica vêm por arrasto. Com Hitler não foram só judeus, foram também os deficientes, ciganos e homossexuais. Houve experiências médicas horripilantes com mulheres grávidas, esventradas, com gémeos, crianças violentadas e Muito mais. Sim, devem ser todos castigados. Todos sabiam o que se passava, mesmo este contabilista, mas a fome de poder e o medo. Sim, não foram só as altas patentes, mesmo quem denunciava familias judias deviam ser entregues á justiça. A fome de dinheiro e poder fazem o resto! Debaixo do sol continua a não haver nada de novo…

RESPONDER

Slava Semeniuta transforma chuva em atmosfera néon

O artista e fotógrafo russo Slava Semeniuta, também conhecido como Visual Scientist, mistura elementos naturais e faz mágica com eles. Slava Semeniuta, também conhecido como Visual Scientist, retoca fotografias de poças de água para criar composições …

Empresa quer vender dispositivos que extraiem água potável do ar

A empresa israelita Watergen está a planear começar a vender uma versão para o consumidor do seu aparelho que extrai água potável do ar ainda este ano. A tecnologia do gerador atmosférico da empresa está em …

"Sem padrinhos, nem donos". Líder da JP levanta congresso centrista

O candidato à liderança do CDS Francisco Rodrigues dos Santos arrancou este sábado no congresso centrista, que está a decorrer em Aveiro, a maior ovação dos delegados, com um discurso inflamado, em defesa de um …

Quando chegaram à Europa pela primeira vez, as batatas eram "hereges"

Os espanhóis foram os primeiros europeus a encontrar batatas na América do Sul nos anos 1530. Porém, quando foram trazidas para o Velho Continente, não foram bem recebidas por todos. Depois de terem sido encontradas pelos …

Ano vai ser "inevitavelmente" de contestação social, avisa CGTP

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, disse esta sexta-feira que este ano vai ser “inevitavelmente” de contestação social se o Governo e as empresas continuarem a insistir num modelo de baixos salários. O líder da intersindical …

Maior ameaça ao crescimento português vem de Espanha

Diz o ditado popular que de Espanha nem bom vento, nem bom casamento. Mas, na verdade, o crescimento económico do país vizinho tem contribuído para puxar pela economia portuguesa. Agora, quando se prevê um abrandamento …

Cabo Verde esteve sem Internet durante 24 horas

O arquipélago de Cabo Verde voltou a ter acesso à Internet na tarde desta sexta-feira, cerca de 24 horas depois de uma instabilidade provocada por falhas no fornecedor internacional do serviço. O país tinha ficado sem …

Ventura em operação de charme no Porto depois de um atraso muito criticado no Parlamento

O deputado André Ventura, eleito pelo Chega, tem agendada para este sábado uma verdadeira operação de charme no Porto, com encontros com o presidente da Associação Comercial do Porto e com apoiantes do partido. Iniciativas …

Assistente social acusada de maltratar 14 crianças em centro de acolhimento

O Ministério Público (MP) acusa uma mulher de 46 anos, que era assistente social e diretora técnica de um centro de acolhimento na Maia, no distrito do Porto, de maltratar 14 crianças nesta instituição. De …

Marcelo não vê razão de preocupação com empresas portuguesas de Isabel dos Santos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta sexta-feira ter sinais de que não há razão para preocupação nos setores económicos e empresas portuguesas nas quais a Isabel dos Santos está a vender …