Novo Boeing 737 Max ecoDemonstrator pretende combater as alterações climáticas

A Boeing está a testar várias alterações que podem ser aplicadas em aviões já existentes para os tornar mais sustentáveis e reduzir as emissões de gases com efeitos de estufa.

A indústria da aviação está a caminhar para um futuro mais sustentável, uma vez que tanto as companhias aéreas como os fabricantes de aviões estão a ser forçados a examinar e melhorar o seu impacto ambiental.

As companhias aéreas estão limitadas quanto à forma como podem reduzir a sua pegada de carbono graças à falta de combustíveis de aviação sustentáveis. Mas tanto as companhias aéreas como os fabricantes de aeronaves podem controlar, até certo ponto, a pegada de carbono dos aviões.

O programa ecoDemonstrador da Boeing visa testar novas tecnologias que possam maximizar a eficiência das aeronaves, o que é uma vantagem para as companhias aéreas que conseguem reduzir as suas emissões e custos, ao mesmo tempo que a Boeing torna os seus aviões mais atrativos para potenciais compradores.

Agora, a Boeing e a Alaska Airlines juntaram-se para testar novas tecnologias a bordo de uma aeronave Boeing 737 Max 9, que é o novo ecoDemonstrator da Boeing, escreve a Business Insider.

O Boeing 737 Max é um excelente exemplo de como os aviões existentes podem ser atualizados com novas tecnologias que tanto reduzem as emissões como os custos para as companhias aéreas.

Aquela aeronave é alimentada por dois motores CFM International LEAP-1B que utilizam pás de ventoinha mais longas feitas de materiais compostos para reduzir a taxa de combustível queimado em 14%, em comparação com os motores da geração anterior.

Além disso, as novas asas de “tecnologia avançada” aumentam a eficiência aerodinâmica do avião, o que também contribui para uma redução da combustão de combustível.

Mas, segundo a Business Insider, as inovações não ficam por aqui: uma redução de peso de dez quilogramas pode ter um grande impacto no desempenho e na eficiência do avião, por exemplo.

A luz anti-colisão — localizada na barriga da aeronave e característica necessária nos aviões comerciais — também deverá ser substituída. Isto porque perturba o fluxo suave do ar sob a aeronave.

A Boeing quer, assim, tornar a luz nivelada com a fuselagem para melhorar o fluxo de ar e reduzir o arrasto, bem como mantê-la no interior da aeronave para a proteger das condições extremas.

Apesar de parecer pequena, esta mudança terá um impacto na quantidade de combustível que um avião irá queimar num determinado voo, bem como na frequência com que uma companhia aérea poderá necessitar de reparar as luzes anti-colisão.

“É uma redução muito pequena da resistência ao arrasto, mas tudo se soma a um avião mais eficiente”, disse Chad Lloyd, gerente da Boeing para o programa ecoDemonstrator.

Dentro do motor, a Boeing está a testar tratamentos acústicos que visam reduzir os níveis de ruído em benefício das pessoas no solo.

“Estamos a testar novas tecnologias para colocar tratamentos acústicos em partes do motor que nunca foram capazes de acomodar esses tratamentos antes”, disse Addison Salzman, também do programa ecoDemonstrator.

A Boeing está ainda a testar a utilização de paredes laterais de fibra de carbono, que são mais leves do que os materiais tradicionais. A fibra de carbono é reciclada a partir da produção do Boeing 787 Dreamliner e é 20% mais leve do que os materiais atuais, resultando numa redução entre nove e 13 quilogramas.

“Um dos nossos objetivos como fabricante de estruturas de aeronaves é tornar as aeronaves mais leves“, disse Lloyd.

“Aviões mais leves resultam numa menor quantidade de combustível queimado, o que resulta em menos emissões para a atmosfera”, continuou.

“As coisas que fazemos aqui através de parceiros aéreos e outros ajudam a mostrar o que irá acontecer nos nossos próximos aviões e também as melhorias que irão acontecer nos nossos aviões já existentes“, disse Chris Raymond, diretor de sustentabilidade da Boeing.

A Boeing lançou o programa EcoDemonstrator em 2012 com o objetivo de testar múltiplas tecnologias utilizando um único avião, substituindo a prática anterior de utilizar um avião para testar uma tecnologia de cada vez.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O Boeing 737 Max 9 da Alaska Airlines está a servir como o oitavo avião a desempenhar esta função. Os anteriores ecoDemonstradores incluem os Boeing 787-9 Dreamliner, Boeing 757, Boeing 777-200, Boeing 777 Freighter, e Boeing 737 aviões.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE