Nova técnica usa gordura para “cultivar” orelhas

Simon James / Flickr

-

Médicos do hospital Great Ormond Street, em Londres, estão a criar uma nova forma de reconstruir partes do rosto com células estaminais obtidas a partir de amostras de gordura do próprio paciente.

A equipa já conseguiu criar cartilagem em laboratório e acredita que a técnica pode ser usada para refazer orelhas e narizes.

O estudo com a descrição do novo método foi publicado na revista Nanomedicine.

Especialistas acreditam que ainda há um longo caminho a ser percorrido, mas que a técnica tem potencial.

Os médicos querem tratar condições congénitas como a microtia, na qual há uma malformação ou ausência completa da orelha.

Até ao momento, a técnica mais comum para corrigir esse problema em crianças envolve a recolha de cartilagem das suas costelas.

Depois, o tecido é esculpido cuidadosamente por cirurgiões para que se assemelhe ao formato de uma orelha. Em seguida, a “orelha” é implantada no paciente.

Esse método requer várias operações e deixa cicatrizes no peito. Além disso, a cartilagem das costelas nunca se recupera.

Molde

A equipa de médicos do Great Ormond Street Hospital procura uma forma de obter uma pequena amostra de gordura da criança de modo a que células estaminais (células indiferenciadas que podem mudar e assumir qualquer função no organismo) sejam extraídas e cultivadas.

Essas células são colocadas num molde em formato de orelha para que assumam a forma desejada. Produtos químicos adicionados ao processo fariam com que as células se transformassem em cartilagem.

O resultado final pode ser implantado sob a pele da criança.

Os cientistas já conseguiram criar a cartilagem no molde, mas são necessários testes de segurança antes que o material possa ser usado nos pacientes.

“É animador termos obtido células não-cancerígenas, que podem ser implantadas sem haver o risco de o sistema imunológico do paciente as combater”, diz a cientista Patrizia Ferreti, um dos membros da equipa, em entrevista à BBC.

“Fazer esta reconstrução com uma única cirurgia seria muito importante para reduzir o stress imposto à criança. Esperamos que esta nova cartilagem cresça com a criança.”

Nova orelha

A técnica poderia ajudar pacientes como Samuel Clompus, de 15 anos, que já fez uma cirurgia de reconstrução da orelha.

BBC

Samuel Clompus, de 15 anos, pode ser beneficiado pela nova técnica

Samuel Clompus, de 15 anos, antes da operação para reconstruir a orelha

A mãe de Samuel, Sue, diz que a família está feliz com os resultados da investigação.

“Ele tem uma cicatriz que ainda hoje o incomoda bastante. Com a nova técnica, isso seria evitado”, afirma Sue.

O método ainda poderia ser usado para criar cartilagem para outras partes do rosto, como o nariz, que pode ser danificado em adultos após cirurgias para remoção de tumores.

Os médicos dizem ainda que poderiam fazer ossos com a mesma técnica.

“Obviamente ainda estamos só a começar. O próximo passo é aperfeiçoar a escolha do material inicial e desenvolver melhor a técnica”, afirma Ferretti.

Ao comentar o estudo, o cirurgião Martin Birchall, da Universidade College London, diz que a técnica pode ser “transformadora“.

O cirurgião esteve envolvido nas primeiras operações para implantar, em pacientes, canais respiratórios criados em laboratório.

Birchall afirma que a nova técnica ainda requer testes.

“No meu caso, usámos células estaminais obtidas da medula óssea porque elas tinham sido usadas em transplantes em 10 mil pessoas. É muito provável que não haja problemas com as células de gordura, mas a sua segurança ainda não foi comprovada.”

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

34 anos depois, dados da Voyager 2 revelam mais um segredo de Urano

Mais de 30 anos depois, os dados da Voyager 2, que sobrevoou o planeta em 1986, permitiram aos cientistas da NASA desvendar mais um segredo de Urano. Em janeiro de 1986, a Voyager 2 sobrevoou Urano. …

Está a nevar em Plutão

Em julho de 2015, a sonda New Horizons da NASA concluiu uma longa e árdua jornada pelo Sistema Solar, viajando a 36.000 mph durante nove anos e meio. Toda a missão focava-se em mapear a …

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …

Há mais pessoas em quarentena do que vivas durante a 2ª Guerra Mundial

Um terço da população mundial - 2,6 mil milhões de pessoas - está em quarentena. São mais seres humanos em isolamento do que aqueles que estavam vivos para testemunhar a 2ª Guerra Mundial. Na terça-feira, o …