Cientistas mostram por que razão o nosso corpo não evoluiu para facilitar o parto

Cientistas mostram porque é que o corpo feminino criou um equilíbrio quase perfeito entre apoiar o parto e manter os órgãos intactos.

Graças à medicina moderna, existe mais do que uma forma de um ser humano vir ao mundo, desde o parto tradicional à cesariana. Como espécie evoluída que somos, já muitas mulheres se terão perguntado se não haveria uma forma mais fácil de dar à luz. Infelizmente, segundo um estudo publicado a 20 de abril na revista científica PNAS, isto é provavelmente o melhor que vamos conseguir.

De acordo com o site IFLScience, engenheiros da Universidade do Texas e da Universidade de Viena observaram mais de perto os fundamentos anatómicos do parto, o que revelou a série de compensações evolutivas que nos deixou com o sistema atual.

Uma das complicações do nascimento é o facto de o canal vaginal ser estreito comparativamente com o tamanho da cabeça do bebé, mas essa complicação permaneceu devido à proteção que dá aos outros órgãos.

Segundo os cientistas, o confronto direto entre a saída fácil do bebé e a segurança dos órgãos vitais da progenitora é, aparentemente, o que impede o canal vaginal de se tornar um lugar mais “espaçoso”. Ou seja, ao competir por duas agendas opostas de preservação da vida, os dois imperativos biológicos perseveram em face da evolução.

“Embora esta dimensão tenha dificultado o parto, evoluímos a um ponto em que o pavimento pélvico e o canal podem equilibrar os órgãos internos de suporte, ao mesmo tempo que facilitam o parto e o tornam o mais fácil possível”, disse, em comunicado, Krishna Kumar, professora assistente da universidade norte-americana e uma das autoras do estudo.

O pavimento pélvico é um grupo de músculos que estabiliza a coluna e suporta o útero, os intestinos e a bexiga. Para estabelecer o seu papel no parto – e entender melhor como a sua influência mudaria dependendo do tamanho ou da espessura –, os investigadores realizaram múltiplas análises, utilizando modelos computadorizados.

Os resultados mostraram que, embora um aumento de tamanho pudesse facilitar o parto, sem as estruturas ósseas para o suportar, outros órgãos cairiam. Além disso, o aumento da espessura faria também aumentar a pressão necessária para empurrar o bebé para fora. Ou seja, nenhuma das situações seria propriamente boa.

“Descobrimos que o pavimento pélvico mais espesso exigiria pressões intra-abdominais um pouco mais altas do que os humanos são capazes para alongar durante o parto”, disse Nicole Grunstra, da universidade austríaca e outra das autoras do estudo.

“Ser incapaz de empurrar o bebé através de um pavimento pélvico resistente complicaria igualmente o parto, apesar do espaço extra disponível no canal vaginal, logo, a espessura do pavimento pélvico parece ser outro ‘compromisso’ evolutivo, além do tamanho do canal vaginal”, acrescenta.

Assim sendo, parece que, por enquanto, a evolução do nosso corpo fez o melhor que pôde.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Bom, isto não é explicação para este enigma.
    Há coisas que são estranhas e continuam a ser ‘explicados’ por conveniência.
    O hímen por exemplo, que coisa mais estranha.

RESPONDER

Benfica 3-1 Boavista | Águia evolui com Darwin para a vitória

Desde 1982/83 que o Benfica não vencia os primeiros seis jogos no Campeonato. Pois bem, na noite desta segunda-feira, os encarnados venceram o duelo ante o Boavista e fizeram xeque-mate graças ao bis de Darwin …

Milhões de pessoas em risco de tráfico e escravidão devido à crise climática, revela relatório

Milhões de pessoas forçadas a deixar as suas casas por causa da seca severa e ciclones correm o risco da escravidão moderna e de tráfico humano nas próximas décadas, alertou um novo relatório publicado esta …

Mercado teme corrida ao imobiliário com o fim dos vistos gold

A partir de janeiro, segundo as novas regras aplicáveis aos vistos gold, vão deixar de estar abrangidos os investimentos em imobiliário com destino a habitação em Lisboa, no Porto e no litoral. O regime que visa …

Desempregados inscritos no IEFP caem 10% em agosto

O número de desempregados inscritos no Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) voltou a cair, pelo quinto mês consecutivo. Agosto fechou com 368.404 desempregados inscritos nos serviços públicos de emprego De acordo com os dados …

Agora que a catedral de Notre-Dame está estabilizada, pode dar-se início à reconstrução

Dois anos e meio após o incêndio que devastou a catedral de Notre-Dame, o edifício encontra-se seguro para iniciar o processo de reconstrução, que se espera estar concluído em 2024. Os trabalhos de segurança e consolidação …

Agente de viagens burlou Cristiano Ronaldo em 200 mil euros

Cristiano Ronaldo foi burlado, ao longo de mais de três anos, pela funcionária de uma agência de viagens a quem confiou os seus cartões de crédito e códigos. Jorge Mendes, Gestifute, Nani e Manuel Fernandes …

França diz-se "enganada" pela Austrália após suspensão de contrato de submarinos

Na semana passada, Estados Unidos, Austrália e Reino Unido anunciaram um acordo de defesa que inclui o desenvolvimento de submarinos nucleares na Austrália. O embaixador francês na Austrália, Jean-Pierre Thebault, disse esta segunda-feira que a França …

Sete mortos e 306 infetados nas últimas 24 horas

Portugal registou, esta segunda-feira, 306 novos casos e sete mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal …

Rússia Unida anuncia vitória nas legislativas

O partido do Kremlin, Rússia Unida, reivindicou no domingo a vitória nas eleições legislativas russas, mas a sua maioria constitucional na Duma, a câmara baixa do parlamento, está ainda por apurar, após a contagem de …

Cientistas estão a dar vida ao holodeck, um holograma que você pode tocar

Os cientistas estão cada vez mais perto de tornar o holodeck uma realidade. Investigadores estão a criar um holograma que você pode tocar. A série Star Trek: The Next Generation apresentou a milhões de pessoas a …