Cientistas identificaram neurónios específicos que mapeiam memórias

Neurocientistas descobriram um aspeto curioso de como a nossa memória funciona: Quando o cérebro precisa de recuperar informação relacionada com um lugar específico, neurónios individuais podem atingir memórias específicas.

De acordo com o estudo publicado na revista Nature Neuroscience, “um recurso importante da memória é a capacidade de recordar seletivamente determinadas experiências, mesmo que estas tenham ocorrido num ambiente partilhado com outros eventos”.

“Por exemplo, quando pedem a alguém para fazer um roteiro turístico de uma cidade que já visitou várias vezes, essa pessoa pode recordar seletivamente memórias distintas de locais de diferentes viagens para fornecer uma resposta”, exemplificam os autores.

De acordo com o Science Alert, os investigadores analisaram neurónios individuais — que apelidaram de “células de rastreamento de memória” — de 19 pacientes submetidos a uma cirurgia cerebral para a epilepsia.

Os pacientes concluíram uma tarefa de memória espacial, ao longo de um percurso num ambiente de realidade virtual, no qual lhes foi pedido para pressionar um botão quando encontravam objetos específicos.

Os investigadores pediram aos participantes para andarem pelo percurso e marcarem a localização de um objeto que tinha sido removido. Embora esteja muito longe de nos lembrarmos daquilo que fizemos nas últimas férias, a equipa encontrou alguns resultados interessantes.

Enquanto examinavam o lobo temporal medial e, em particular, o córtex entorrinal, os cientistas descobriram que as “células de rastreamento de memória” estavam “espacialmente sintonizadas” com o local e puderam recuperar as informações específicas da localização que a pessoa precisava de recordar.

“O nosso estudo demonstra que os neurónios do cérebro humano rastreiam as experiências que estamos voluntariamente a recordar e podem alterar os seus padrões de atividade para diferenciar entre memórias. São como os pins do Google Maps que marcam os locais que nos lembramos para eventos importantes”, explica Salman E. Qasim, engenheiro biomédico da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos.

“Esta descoberta pode fornecer um potencial mecanismo para a nossa capacidade de recorrer seletivamente a diferentes experiências do passado e destaca como essas memórias podem influenciar o mapa espacial do cérebro”.

Pesquisas anteriores já tinham analisado como é que podemos fazer isso, descobrindo que esse local e as células em grelha são muito importantes para a nossa memória espacial, funcionando de forma semelhante a um GPS. O ajuste espacial é a ideia de que os neurónios individuais “se ativam para representar locais no ambiente durante a navegação”.

“Com base neste trabalho, propomos que neurónios individuais no lobo temporal medial, e particularmente no córtex entorrinal, exibiriam ajustes espaciais modulados por experiências passadas”, concluem os cientistas.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Este casaco foi desenhado para nos ajudar a dormir em qualquer lado

A britânica Vollebak lançou um casaco, inspirado nos astronautas, que facilita a ideia de poder dormir, literalmente, em qualquer lado. A pensar em todas aquelas pessoas que gostam de fazer uma sesta ou outra, independentemente do …

DJ Juice WRLD morre aos 21 anos

A estrela do hip-hop norte-americano Juice WRLD faleceu este domingo (8), depois de sofrer convulsões no Aeroporto de Midway, em Chicago, avança o TMZ. O rapper tinha feito 21 anos a 2 de dezembro. De acordo …

"A Favorita" arrebata prémios do cinema europeu

O filme "A Favorita", do realizador grego Yorgos Lanthimos, arrecadou oito prémios da Academia de Cinema Europeu, numa cerimónia realizada em Berlim. "A Favorita" conquistou, entre outros, os prémios de Melhor Filme Europeu, Melhor Comédia, Realização …

Belenenses 1-1 Porto | "Dragão" escorrega e deixa fugir líder

O FC Porto não foi além de um empate na visita ao Jamor, ante o Belenenses. André Santos abriu as “hostilidades” e Alex Telles, na marcação de uma grande penalidade, fixou o resultado final. Com esta …

Caligrafia desleixada de Isabel I denuncia-a como a tradutora anónima de um livro romano

A rainha Isabel I de Inglaterra foi identificada como a tradutora anónima do livro "Anais" de Tácito. As idiossincrasias da sua caligrafia acabaram por ser fundamentais para a descoberta. Na análise a uma tradução de século …

Hashtags políticas como #MeToo tornam as pessoas menos propensas a acreditar em notícias

Tendem a passarem despercebidas, mas as hashtags são mais importantes do que julgamos. A questão que se impõe é: serão benéficas para a saúde democrática da Internet? Uma hashtag (#) é uma marca funcional, amplamente usada …

Sporting 1-0 Moreirense | "Leão" resolve à cabeçada

O Sporting regressou às vitórias na Liga NOS, embora não sem sentir algumas dificuldades, em especial no ataque. Os "leões" bateram o Moreirense por 1-0, numa partida em que remataram muito (28, máximo na Liga até …

Orçamento do Estado. "Sentido de voto do BE está completamente em aberto"

A coordenadora do BE afirmou, este domingo, que o sentido de voto do partido sobre o Orçamento do Estado para 2020 está "completamente em aberto", desejando que o Governo socialista atenda às reivindicações bloquistas. "Fizemos uma …

João Cotrim Figueiredo eleito presidente da Iniciativa Liberal com 96% dos votos

João Cotrim Figueiredo foi eleito, este domingo, presidente da Comissão Executiva da Iniciativa Liberal, uma candidatura única que recolheu 96% dos votos na III Convenção Nacional do partido. A III Convenção Nacional do partido decorre hoje …

Inteligência artificial decifra manuscrito que pode mudar história da Austrália

A Terra Australis Incognita, hoje conhecida como Austrália, foi descrita por um jesuíta espanhol quase cem anos antes da descoberta em 1770 pelo marinheiro britânico James Cook, segundo um manuscrito decifrado através de inteligência artificial. A …