Cientistas identificaram neurónios específicos que mapeiam memórias

Neurocientistas descobriram um aspeto curioso de como a nossa memória funciona: Quando o cérebro precisa de recuperar informação relacionada com um lugar específico, neurónios individuais podem atingir memórias específicas.

De acordo com o estudo publicado na revista Nature Neuroscience, “um recurso importante da memória é a capacidade de recordar seletivamente determinadas experiências, mesmo que estas tenham ocorrido num ambiente partilhado com outros eventos”.

“Por exemplo, quando pedem a alguém para fazer um roteiro turístico de uma cidade que já visitou várias vezes, essa pessoa pode recordar seletivamente memórias distintas de locais de diferentes viagens para fornecer uma resposta”, exemplificam os autores.

De acordo com o Science Alert, os investigadores analisaram neurónios individuais — que apelidaram de “células de rastreamento de memória” — de 19 pacientes submetidos a uma cirurgia cerebral para a epilepsia.

Os pacientes concluíram uma tarefa de memória espacial, ao longo de um percurso num ambiente de realidade virtual, no qual lhes foi pedido para pressionar um botão quando encontravam objetos específicos.

Os investigadores pediram aos participantes para andarem pelo percurso e marcarem a localização de um objeto que tinha sido removido. Embora esteja muito longe de nos lembrarmos daquilo que fizemos nas últimas férias, a equipa encontrou alguns resultados interessantes.

Enquanto examinavam o lobo temporal medial e, em particular, o córtex entorrinal, os cientistas descobriram que as “células de rastreamento de memória” estavam “espacialmente sintonizadas” com o local e puderam recuperar as informações específicas da localização que a pessoa precisava de recordar.

“O nosso estudo demonstra que os neurónios do cérebro humano rastreiam as experiências que estamos voluntariamente a recordar e podem alterar os seus padrões de atividade para diferenciar entre memórias. São como os pins do Google Maps que marcam os locais que nos lembramos para eventos importantes”, explica Salman E. Qasim, engenheiro biomédico da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos.

“Esta descoberta pode fornecer um potencial mecanismo para a nossa capacidade de recorrer seletivamente a diferentes experiências do passado e destaca como essas memórias podem influenciar o mapa espacial do cérebro”.

Pesquisas anteriores já tinham analisado como é que podemos fazer isso, descobrindo que esse local e as células em grelha são muito importantes para a nossa memória espacial, funcionando de forma semelhante a um GPS. O ajuste espacial é a ideia de que os neurónios individuais “se ativam para representar locais no ambiente durante a navegação”.

“Com base neste trabalho, propomos que neurónios individuais no lobo temporal medial, e particularmente no córtex entorrinal, exibiriam ajustes espaciais modulados por experiências passadas”, concluem os cientistas.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Soldados da Guerra Civil dos EUA pintavam o cabelo para ficar melhor nas fotografias

Investigadores encontraram evidências que indicam que soldados da Guerra Civil norte-americana pintavam o cabelo para ficar melhor nas fotografias. Escavações em Camp Nelson, no Kentucky, revelaram restos de um estúdio de fotografia com 150 anos, o …

Chuva, vento forte e neve. Mau tempo vai agravar-se nas próximas 48 horas

A Proteção Civil alertou este domingo para um agravamento do estado do tempo nas próximas 48 horas, com períodos de chuva, possibilidade da queda de neve nas terras alta do norte e centro e ainda …

Descoberta nova espécie de aranha-violinista no Vale do México

Cientistas identificaram, no México, uma nova espécie de aranha com um veneno que, apesar de não ser fatal, é capaz de causar necrose na pele humana. Uma equipa de cientistas da Universidade Nacional Autónoma do México …

Já sabemos sobre o que conversam os orangotangos

Um novo estudo da Universidade de Exeter, em Inglaterra, desvendou a linguagem secreta dos orangotangos, descobrindo o que significam 11 sinais vocais e 21 gestos. Os investigadores passaram dois anos a filmar mais de 600 horas …

COP25 aprovou conclusões. Não há acordo para regulação dos mercados de carbono

A cimeira da ONU sobre o clima terminou hoje em Madrid assinalando a urgência para conter as alterações climáticas, mas a mais longa cimeira sobre o clima de sempre sem chegar a acordo nos pontos …

Afinal, os deuses da Antiguidade eram às cores (e já as podemos ver)

https://vimeo.com/379277357 Nos nossos livros da escola e em museus de todo o mundo, as obras de arte da antiga Grécia e Roma não têm cores: são simples, puro e branco mármore. Mas será este apenas um mito? …

A sede do petróleo está a levar os povos indígenas do Equador à extinção

Os povos indígenas do Equador estão sob ameaça dos interesses do território em que habitam. Quase metade das reservas equatorianas de petróleo estão debaixo do Parque Nacional Yasuní. Os interesses dos políticos e dos grandes magnatas …

"Lesmas-leopardo" acasalam da forma mais espantosamente bizarra (e ninguém sabe porquê)

As "lesmas-leopardo" têm talvez o acasalamento mais intrigante e espantoso de todo o reino animal. Os biólogos ainda não conseguiram decifrar porque razão estes moluscos acasalam desta forma. Na escuridão da noite, duas grandes "lesmas-leopardo" começam …

Naufrágio romano com 2.000 anos encontrado na Grécia. É um dos maiores do Mar Mediterrâneo

Uma equipa de cientistas da Universidade de Patras, na Grécia, descobriu os vestígios de um navio romano que naufragou há cerca de 2.000 anos perto da ilha grega de Kefalonia, avança o Greek City Times.  …

Qual é o verdadeiro significado da vida? Um novo estudo pode ajudar com a resposta

Um novo estudo aponta que encontrar significado na nossa vida é algo positivo para a nossa saúde e bem-estar mental, mas o processo de procura tem o efeito contrário. Encontrar significado na nossa vida é uma …